Produção das fábricas do Japão diminui, aumentando a preocupação com a economia

LinkedIn

A produção das fábricas do Japão caiu em fevereiro quando um terremoto e a escassez de semicondutores levaram a quedas na produção de carros e maquinários elétricos, aumentando as preocupações para uma economia que luta para se recuperar da pandemia do coronavírus.

Espera-se que a terceira maior economia do mundo contraia no trimestre atual devido às restrições relacionadas ao coronavírus que foram impostas a partir do início de janeiro para Tóquio e outras prefeituras.

Dados oficiais divulgados nesta quarta-feira mostraram que a produção da fábrica encolheu 2,1% em relação ao mês anterior em fevereiro, arrastada por quedas na produção de automóveis, maquinários elétricos e equipamentos de informação e comunicação.

A produção foi interrompida por um terremoto de magnitude 7,3 na costa leste do Japão em 13 de fevereiro, que danificou casas e empresas em toda a região norte.

A queda da produção foi pior do que 1,2% esperada pelos economistas e seguiu o forte ganho de 4,3% do mês anterior.

As fábricas em todo o mundo estão lutando contra uma escassez global de semicondutores, o que prejudicou a produção de carros, smartphones e eletrodomésticos.

Os fabricantes consultados pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria (METI) esperavam que a produção caísse mais 1,9% em março, seguida por uma recuperação de 9,3% em abril.

Um funcionário do Ministério do Comércio disse que um incêndio em 19 de março em uma fábrica de chips da Renesas Electronics não se refletiu nas previsões.

A Renesas, que comanda quase um terço da fatia do mercado global de chips microcontroladores usados ​​em carros, disse na terça-feira que levaria pelo menos 100 dias para voltar à produção normal na fábrica.

A produção da fábrica havia se recuperado em janeiro, em grande parte graças a um forte aumento na produção de peças eletrônicas e máquinas de uso geral, já que a demanda por equipamentos de fabricação de tecnologia continua forte.

Alguns analistas, no entanto, temem que a recuperação econômica do Japão seja prejudicada pelos fracos gastos domésticos e uma recuperação da demanda mais lenta do que o previsto no exterior, à medida que as economias reabrem lentamente, mesmo em países que lançaram as vacinas COVID-19.

(Com informações da Reuters)

Deixe um comentário