Confira os Indicadores Econômicos desta quinta-feira (27/05/2021) - Pedidos de Seguro-desemprego, PIB, PNAD…

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos desta hoje, em destaque o mercado de trabalho dos Estados Unidos chegou mais perto de seu estado pré-pandêmico na semana passada, com os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizando apenas 406.000, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Brasil

  • PNAD: taxa de desocupação é de 14,7% e taxa de subutilização é de 29,7% no trimestre encerrado em março

A taxa de desocupação (14,7%) do trimestre móvel de janeiro a março de 2021 foi recorde da série histórica, iniciada em 2012, com alta de 0,8 pontos percentuais (p.p.) frente ao trimestre de outubro a dezembro de 2020 e alta de 2,5 p.p. ante ao mesmo trimestre de 2020.

A população desocupada (14,8 milhões de pessoas) também é recorde da série histórica, crescendo 6,3% (mais 880 mil pessoas desocupadas) ante o trimestre de outubro a dezembro de 2020 (13,9 milhões de pessoas) e subindo 15,2% (mais 1,956 milhão de pessoas) frente ao mesmo trimestre móvel do ano anterior (12,9 milhões de pessoas).

A população ocupada (85,7 milhões de pessoas) ficou estável em relação ao trimestre móvel anterior e caiu 7,1%, (menos 6,6 milhões de pessoas) frente ao mesmo trimestre de 2020.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) chegou a 48,4%, caindo 0,5 p.p. frente ao trimestre móvel de outubro a dezembro (48,9%) e recuando 5,1 p.p. em relação a igual trimestre de 2020 (53,5%).

  • Governo central registra superávit primário de R$ 16,492 bilhões em abril

O Governo Central – que reúne o Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central teve superávit primário de R$ 16,492 bilhões em abril, resultado oposto ao observado em abril de 2020, quando foi deficitário em R$ 93,001 bilhões.

O Tesouro Nacional respondeu por um superávit de R$ 35,194 bilhões, enquanto a Previdência registrou um déficit de R$ 18,702 bilhões.

O resultado do Banco Central no período foi deficitário em R$ 101 milhões. No ano, o resultado primário do governo central foi positivo em R$ 41,002 bilhões, ante um déficit de R$ 95,857 bilhões no mesmo período de 2020.

Alemanha

  • Índice de confiança do consumidor da Alemanha subiu para -7 em junho

O índice de confiança do consumidor da Alemanha para junho subiu para -7,0 pontos, depois de marcar -8,6 pontos em maio, segundo o instituto de estudos econômicos GfK.

O relatório indica que as expectativas econômicas e as expectativas de renda cresceram, enquanto a propensão para comprar caiu moderadamente. O índice de confiança está relacionado ao próximo mês, mas seus três subíndices referem-se ao mês atual.

O subcomponente de expectativas econômicas subiu de 7,3 pontos em abril para 41,1 pontos em maio. O subíndice de expectativas de renda cresceu de 9,3 pontos para 19,5 pontos e o indicador de intenção de compra dos consumidores teve queda de 17,3 pontos para 10,0 pontos.

Estados Unidos

  • Pedidos de bens duráveis nos EUA caíram 1,3% em abril ante o mês anterior

Os pedidos de bens duráveis nos Estados Unidos caíram 1,3% em abril ante o mês anterior, ou em US$ 3,2 bilhões, totalizando US$ 246,2 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Departamento do Comércio. Em março, houve alta de 1,3%.

Analistas projetavam alta de 0,9% nos pedidos de bens duráveis de abril. Excluída a categoria de transportes, os novos pedidos tiveram alta de 1,0% em abril ante março. Excluindo o segmento de defesa, o índice ficou estável na mesma base de comparação.

  • PIB dos EUA cresceu 6,4% no primeiro trimestre de 2021

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 6,4% no primeiro trimestre de 2021 em relação ao trimestre imediatamente anterior em termos anualizados, segundo dados revisados divulgados pelo Departamento do Comércio do país. Não houve alteração em relação à leitura preliminar do indicador, mas o indicador ficou abaixo das previsões dos analistas, que esperavam alta de 6,6%.

O indicador mostra que o crescimento econômico acelerou em relação ao quarto trimestre de 2020, quando o PIB norte-americano cresceu 4,3% em base anualizada.

A aceleração do crescimento do PIB no primeiro trimestre reflete aumentos nas despesas de consumo pessoal, investimento fixo não residencial, gastos do governo federal, investimento fixo residencial e gastos do governo estadual e local que foram parcialmente compensados por reduções no investimento em estoque privado e nas exportações. As importações, que são detratoras do crescimento no cálculo do PIB, aumentaram.

Os gastos pessoais com consumo tiveram alta de 11,3% no primeiro trimestre em base anualizada – ou 0,6 ponto porcentual (pp) a mais em relação à leitura preliminar, acelerando após o aumento de 2,3% no quarto trimestre. Os investimentos perderam força, passando de 27,8% para -4,7% (+0,3 pp ante a leitura preliminar), enquanto o total de gastos públicos cresceu 5,8% (-0,5 pp ante a leitura preliminar), após a queda de 0,8% no quarto trimestre.

O índice de preços para os gastos pessoais (PCE), usado pelo banco central norte-americano como referência para inflação, subiu 3,7% no primeiro trimestre em base anualizada (+0,2 pp ante leitura preliminar), após alta de 1,5% no primeiro trimestre. O núcleo do PCE, que exclui do cálculo preços de alimentos e energia, teve alta de 2,3% (+0,2 pp ante leitura preliminar), após aumento de 1,3% nos três meses anteriores.

  • Pedidos de auxílio-desemprego semanais nos EUA totalizam 406.000, ficando abaixo das estimativas

O mercado de trabalho dos Estados Unidos chegou mais perto de seu estado pré-pandêmico na semana passada, com os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizando apenas 406.000, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Embora esse nível ainda esteja bem acima da norma antes do fechamento da Covid-19 em março passado, é o mais próximo da tendência anterior desde o início da crise. Em um relatório separado, o Departamento de Comércio deixou sua estimativa inicial sobre o produto interno bruto do primeiro trimestre inalterada em 6,4%.

Economistas entrevistados pela Dow Jones esperavam 425.000 pedidos iniciais de auxílio-desemprego na segunda leitura do PIB, para mostrar um crescimento de 6,6%.

Para a semana encerrada em 7 de março de 2020, pouco antes da pandemia se tornar um fator, as reclamações totalizaram 212.000. Em 23 de maio de 2020, os sinistros totalizaram quase 1,9 milhão.

Ásia

=> Os resultados de indicadores dos países asiáticos saem após o encerramento das negociações das Bolsas ocidentais, em virtude do fuso horário, portanto, apenas  disponíveis no próximo dia, aguarde para mais atualizações…

Deixe um comentário