Confluent entra com pedido de IPO na Nasdaq e disse que receita do primeiro trimestre subiu 51%

LinkedIn

Sete anos depois de sair do LinkedIn, o desenvolvedor de software em nuvem Confluent está abrindo o capital.

A Confluent, que vende software que os desenvolvedores podem usar para mover rapidamente dados para uso em aplicativos, apresentou seu prospecto de IPO na terça-feira (01), buscando se tornar o mais recente negócio corporativo a ir de um projeto de código aberto a uma empresa pública multibilionária.

A receita no primeiro trimestre saltou 51% em relação ao ano anterior, para US$ 77 milhões, com a maior parte de suas vendas vindo por meio de assinaturas. A perda de aluguel da empresa aumentou para US$ 44,5 milhões, de US$ 33,6 milhões, conforme os custos de vendas e marketing dispararam.

Na base do software do Confluent está o Apache Kafka, que começou dentro do LinkedIn. Os fundadores da Confluent – Jay Kreps, Jun Rao e Neha Narkhede – criaram a Kafka em 2011 e formaram a Confluent em 2014 com um investimento de cerca de US$ 500.000 do LinkedIn. A empresa foi avaliada mais recentemente em US$ 4,5 bilhões em uma rodada no ano passado liderada pela Coatue Management e Altimeter Capital.

Antes do Confluent, Cloudera e Hortonworks ganharam impulso comercializando o Apache Hadoop, que se originou dentro de empresas de internet como Facebook, Google e Yahoo. A Hortonworks saiu do Yahoo e se fundiu com a Cloudera em 2019.

Como empresas independentes e depois uma entidade combinada, a Cloudera e a Hortonworks lutaram para encontrar um modelo de negócios viável. No início da terça-feira, Cloudera concordou em vender para empresas de private equity em um negócio de US$ 5,3 bilhões.

No domínio do software local, a Confluent disse que a Cloudera representa alguma competição, junto com a IBM e a Oracle. No entanto, seu principal negócio é entre os grandes provedores de infraestrutura em nuvem Amazon, Microsoft e Google, que também têm ofertas competitivas de algum tipo.

A Confluent tinha US$ 167 milhões em obrigações de compra não canceláveis, principalmente relacionadas a contratos de nuvem, no final de 2020. A empresa recebeu 18% de sua receita de seu serviço de nuvem no primeiro trimestre, ante 12% no mesmo trimestre do ano anterior.

A Confluent, que tem cerca de 1.500 funcionários, disse em seu prospecto que estima-se que mais de 70% das empresas da Fortune 500 usaram o Kafka. Seus clientes incluem Citigroup, Humana, Intel e Walmart, de acordo com o site da Confluent.

A Confluent disse que oferece uma licença tradicional para os clientes, e também tem uma licença comunitária para seu software disponível que fornece acesso ao seu código-fonte. A empresa disse que “restringe explicitamente outros, incluindo fornecedores de nuvem, de pegar este código-fonte e usá-lo para oferecer uma oferta de software como serviço, ou SaaS”. A Amazon lançou um serviço baseado no Kafka em 2018.

Morgan Stanley, JPMorgan Chase e Goldman Sachs são os principais subscritores do IPO. As ações serão negociadas na Nasdaq sob o símbolo “CFLT”.

Deixe um comentário