Joe Biden declarou que a Casa Branca fechou um acordo de infraestrutura com um grupo bipartidário

LinkedIn

O presidente Joe Biden declarou na quinta-feira (24) que a Casa Branca fechou um acordo de infraestrutura com um grupo bipartidário de senadores após discutir o grande plano para melhorar as estradas, pontes e banda larga do país no início do dia.

“Para responder à pergunta direta: temos um acordo”, disse Biden na Casa Branca.

O presidente, flanqueado por senadores incluindo Mitt Romney, R-Utah e Mark Warner, D-Va., acrescentou que honraria a mais recente estrutura de política que se concentra em infraestrutura “pesada”.

“Eles têm a minha palavra. Vou cumprir o que propusemos e eles também me deram sua palavra”, disse ele. “Nenhum de nós conseguiu tudo o que queríamos. Não consegui tudo o que queria. Mas isso me lembra os dias em que costumávamos fazer muita coisa no Congresso dos Estados Unidos”.

Os legisladores trabalharam durante semanas para elaborar um pacote de infraestrutura que pudesse passar pelo Congresso com o apoio de ambos os partidos. Decidir como pagar pelo plano representa o maior desafio.

A estrutura incluirá US$ 579 bilhões em novos gastos, disse a Casa Branca.

  • US$ 312 bilhões irão para transporte, com US$ 109 bilhões investidos em estradas, pontes e outros grandes projetos, US$ 66 bilhões em transporte ferroviário de passageiros e carga e US$ 49 bilhões em transporte público.
  • Apenas US$ 15 bilhões irão para infraestrutura de veículos elétricos e ônibus elétricos e transporte público, uma fração do que Biden propôs inicialmente.
  • O plano colocaria US$ 266 bilhões em infraestrutura de não-transporte.
  • Inclui US$ 73 bilhões para energia, US$ 65 bilhões para banda larga e US$ 55 bilhões para água.

“Os investimentos que faremos como resultado deste acordo estão muito atrasados”, disse Biden após anunciar o acordo, afirmando que ele criaria empregos e ajudaria a fechar a “exclusão digital” ao expandir a conexão com a internet.

O grupo propôs vários métodos para pagar o plano. Eles não incluem um aumento no imposto sobre o gás ou na taxa de uso de veículos elétricos, que os democratas se opuseram, ou um aumento na alíquota do imposto corporativo, que os republicanos resistiram.

A proposta pede um aumento da fiscalização do IRS para garantir que as pessoas ricas paguem os impostos que devem. Também redirecionaria os fundos estaduais e locais não utilizados de ajuda ao coronavírus para a infraestrutura. A estrutura propõe parcerias público-privadas e títulos, entre um bando de outros mecanismos de financiamento em potencial.

Vinte e um senadores – 11 republicanos e 10 democratas – apoiaram a estrutura de infraestrutura. Eles provavelmente precisarão obter o apoio dos líderes democratas e conquistar a vasta maioria do caucus para angariar os 60 votos necessários para a aprovação do projeto no Senado controlado pelos democratas.

Alguns democratas do Senado criticaram o acordo bipartidário menor, já que buscam gastar para expandir o atendimento infantil e combater as mudanças climáticas. No entanto, pelo menos um democrata cético sinalizou que apoiaria o plano se ele fosse emparelhado com um projeto de lei maior voltado para o cuidado da criança e do idoso, educação, saúde e mudança climática.

O acordo atual é “muito pequeno. Insignificante, patético ”, disse o senador Richard Blumenthal, minutos antes do anúncio de Biden. “Tem que ser combinado com um segundo pacote muito mais robusto e adequado, para merecer uma votação, e estou muito esperançoso de que será seguido por outro pacote.”

A senadora Elizabeth Warren, enfatizou que “temos que ter a coisa toda, não apenas cortar um pequeno pedaço dela”.

Biden reconheceu na quinta-feira que, para aprovar seus planos de expandir os cuidados infantis e a educação, ele terá que “lutar como o inferno” para “pegar cada democrata e fazer isso por meio da reconciliação, se for o caso”. Ele também disse que duvida que os membros de seu partido votem contra o plano bipartidário por causa do que consideram suas deficiências.

“Meu partido está dividido. Mas meu partido também é racional”, disse ele. “Se eles não conseguirem tudo o que desejam, mas tudo o que eles têm no projeto de lei é bom, eles vão votar ‘não’? Acho que não.”

O líder da maioria no Senado, e a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, se reuniram com autoridades da Casa Branca na noite de quarta-feira. Embora tenham sinalizado que apoiarão a estrutura bipartidária, eles pretendem aprová-la em conjunto com um projeto maior que aborde mais suas prioridades sem votos republicanos.

O Senado começou a trabalhar na resolução do orçamento que permitiria aos democratas usar o processo de reconciliação para aprovar o plano. Os democratas terão que tentar convencer progressistas céticos a apoiarem o acordo bipartidário de infraestrutura mais estreito, e os centristas a apoiarem um amplo plano para expandir programas sociais e combater a mudança climática.

Pelosi disse que a Câmara não levaria nenhuma das peças da legislação até que ambas passassem pelo Senado, onde os democratas enfrentam um caminho mais desafiador do que na Câmara. O partido não pode perder um único voto em um projeto de reconciliação na câmara igualmente dividida.

Ambos os líderes do Congresso concordaram com o apelo de Biden para não aumentar os impostos de quem ganha menos de US$ 400.000 por ano, de acordo com uma leitura da Casa Branca da reunião. O governo Biden disse que não apoiará um aumento no imposto sobre o gás ou na taxa de uso de veículos elétricos como parte da estrutura bipartidária porque isso quebraria a promessa do presidente.

Os republicanos lutaram contra a proposta do presidente de aumentar a alíquota do imposto corporativo de 21% para 28%. O GOP reduziu a taxa de 35% em 2017.

(Imagem: Kevin Lamarque | Reuters)

Deixe um comentário