Intel tem receita de US$ 18,5 bilhões no 2T21 sob comando de Pat Gelsinger

LinkedIn

As ações da Intel (NASDAQ:INTC) caíram 2% após o segundo relatório de lucros do CEO Pat Gelsinger no comando da gigante americana de chips, enquanto os investidores avaliavam as orientações cautelares sobre as margens no trimestre atual.

A Intel também é negociada na B3 através da BDR (BOV:ITLC34), a um último preço de R$ 48,00 reais.

A Intel relatou receita e lucro por ação que superou as próprias previsões da empresa e também as expectativas de Wall Street, atribuindo a superação à força de sua unidade de negócios que produz chips para PCs. A Intel disse que as vendas de unidades de PC aumentaram 33% em relação ao ano passado.

Veja como a Intel se saiu em relação às estimativas de consenso do Refinitiv para o trimestre encerrado em junho:

  • Lucro por ação (EPS): US$ 1,28 (ajustado) contra US$ 1,06 esperado, aumento de 12% ano a ano
  • Receita: US$ 18,5 bilhões (ajustada) vs US$ 17,8 bilhões esperados, aumento de 2% ano a ano

A Intel aumentou sua projeção para 2021 em US$ 1 bilhão, para US$ 73,5 bilhões em receita ajustada e lucro por ação no ano inteiro de US$ 4,80. Os resultados da Intel sugerem que o boom nas vendas de computadores que começou durante a pandemia de Covid-19 pode continuar mesmo com o retorno das pessoas aos escritórios e escolas.

No entanto, a Intel orientou para margens brutas não-GAAP de 55% no terceiro trimestre, uma queda notável de 59,2% no segundo trimestre. A Intel se comprometeu a gastar US$ 20 bilhões para melhorar sua capacidade de fabricação, incluindo duas novas instalações no Arizona.

Um destaque foi o Client Computing Group da Intel, que inclui chips para PCs, relatou uma receita de US$ 10,1 bilhões, um aumento de 6% ano a ano. No entanto, o preço médio de um chip de PC vendido pela Intel diminuiu, disse a empresa.

O segundo maior segmento da empresa, chips para data centers, registrou vendas de US$ 6,5 bilhões, queda de 9% ano a ano. A empresa disse que era um “ambiente competitivo desafiador”, sugerindo que os chips de servidor da AMD podem estar conquistando clientes.

Outro destaque para a Intel foi Mobileye, sua subsidiária autônoma de condução, que reportou vendas de 124% em uma base anual para US$ 327 milhões. Embora ainda pequena em comparação com PCs e chips de servidor, a Intel espera poder se tornar um grande fornecedor de carros autônomos e, no início desta semana, anunciou que começaria a testar veículos autônomos na cidade de Nova York. O grupo Internet of Things da Intel, que vende chips embutidos de baixo consumo, cresceu 47% ao ano, para US$ 984 milhões.

Gelsinger anunciou planos para a Intel se transformar, fabricando chips para outras empresas, além de usar fábricas de chips contratadas, chamadas de foundries, para fazer alguns de seus próprios processadores.

Mas o plano de recuperação proposto por Gelsinger já esbarrou em obstáculos. Em junho, a Intel atrasou o lançamento de seu processador de servidor de próxima geração para o início de 2022, sugerindo que ainda está tendo problemas para acompanhar os concorrentes. Também em junho, o chefe dos servidores da Intel, Navin Shenoy, deixou a empresa após 26 anos como parte de uma reestruturação que também criou novas unidades de negócios.

A Intel pode estar considerando aquisições para acelerar o plano de Gelsinger.

A empresa está em negociações iniciais com o fundo soberano de Abu Dhabi, Mubadala, para comprar a GlobalFoundries, uma importante fundição de chips americana, confirmada pela CNBC, embora nenhum acordo seja garantido. A Intel também considerou adquirir a SiFive, de acordo com a Reuters, uma empresa que desenvolve silício com base na tecnologia RISC-V de código aberto, que é uma alternativa ao conjunto de instruções ARM que atualmente é dominante em chips móveis.

(Com CNBC)

Deixe um comentário