Visa faz outra grande aposta em fintechs, comprando a startup de pagamentos do Reino Unido, Currencycloud

LinkedIn

Visa (NYSE:V) disse na quinta-feira que concordou em comprar a startup de pagamentos britânica Currencycloud, em sua segunda grande aquisição de fintech em 2021.

O acordo avalia a Currencycloud em £ 700 milhões (R$ 5 bilhões), disse a Visa. A gigante de pagamentos liderou um investimento de US$ 80 milhões (R$ 415,21 milhões) na Currencycloud no início de 2020. Como resultado, a Visa disse que a quantia que está pagando pela Currencycloud seria reduzida pelo capital em aberto que ela já possui.

Fundada em 2007, a Currencycloud com sede em Londres vende software para bancos e empresas de fintech para processar pagamentos internacionais. É uma das muitas fintechs com foco em negócios que operam nos bastidores, potencializando aplicativos bancários e de pagamento populares como Monzo, Starling e Revolut.

“Os consumidores e empresas esperam cada vez mais transparência, velocidade e simplicidade ao fazer ou receber pagamentos internacionais”, disse Colleen Ostrowski, tesoureira global da Visa.

“Com a aquisição da Currencycloud, podemos apoiar nossos clientes e parceiros para reduzir ainda mais os pontos problemáticos de pagamentos internacionais e desenvolver excelentes experiências de usuário para seus clientes”, acrescentou ela.

As ações da Visa quase não se moveram nas negociações de pré-mercado. As ações subiram mais de 22% no ano passado, no entanto, graças a um boom nos pagamentos digitais durante a pandemia do coronavírus.

A Visa também é negociada na B3 através da BDR (BOV:VISA34).

A aquisição da Currencycloud marca o segundo negócio de fintech da Visa este ano, de acordo com a Crunchbase. A empresa de rede de cartões concordou no mês passado em comprar a sueca Tink por US$ 2,1 bilhões (R$ 10,90 bilhões), depois que sua tentativa de adquirir a Plaid, uma rival americana, foi frustrada pelos reguladores americanos.

A Currencycloud arrecadou mais de US$ 160 milhões no total de investidores, incluindo o braço de capital de risco GV da Alphabet, o banco francês BNP Paribas e a empresa de serviços financeiros japonesa SBI Holdings.

“Repensar como o dinheiro flui pela economia global ficou mais empolgante quando nos juntamos à Visa”, disse Mike Laven, CEO da Currencycloud.

“A combinação da experiência em fintech da Currencycloud e da rede da Visa nos permitirá oferecer maior valor ao cliente para as empresas que movimentam dinheiro através das fronteiras.”

A Currencycloud, que tem 500 clientes bancários e de tecnologia em mais de 180 países, continuará operando a partir de sua sede em Londres e manterá sua equipe de gerenciamento de moeda. O negócio está sujeito a aprovações regulatórias e outras condições habituais de fechamento, disse a Visa.

Deixe um comentário