Confira os Indicadores Econômicos desta sexta-feira (06/08/2021) - Relatório Payroll, Produção Industrial, Anfavea…

LinkedIn

Confira os principais indicadores econômicos de hoje, em destaque a economia dos Estados Unidos criou 943 mil postos de trabalho em julho e a taxa de desemprego caiu para 5,4%, de 5,9% em junho. O número de vagas criadas ficou acima da projeção dos analistas, que esperavam abertura de 875,5 mil vagas. A taxa de desemprego veio abaixo da previsão, de 5,6%.

Brasil

  • Licenciamentos de automóveis e comerciais leves recuaram 0,7% em julho, diz Anfavea

Os licenciamentos de automóveis e comerciais leves recuaram 0,7% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado, a 162.206 unidades, informou a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Ante junho, houve queda de 4,4%.

No acumulado do ano, os emplacamentos de leves somaram 1.170.106 de unidades, alta de 26% frente ao mesmo período de 2020.

Já os licenciamentos totais de veículos – que incluem automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus – somaram 175.453 unidades, subiram 0,6% em base anual e caíram de 3,8% na comparação com junho.

A venda de caminhões aumentou 25,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, com o emplacamento de 11.977 unidades e avanço de 5,3% ante junho. No acumulado do ano houve crescimento de 49,2%, a 70.712 caminhões.

Europa

  • Índice de produção industrial da Alemanha caiu 1,3% em junho

O índice de produção industrial da Alemanha caiu 1,3% em junho na comparação mensal, para 96,5 pontos, segundo dados divulgados pelo Ministério de Economia e Tecnologia do país. Os números são ajustados por fatores sazonais. Em maio, o índice havia recuado 0,8% (dado revisado).

Na comparação com igual período de 2020, a produção industrial da Alemanha subiu 5,1% em junho, em dado com ajustes para efeitos de calendário, após a alta de 16,6% de maio. Sem o ajuste, a produção industrial alemã avançou 8,9% em junho em base anual, após avançar 16,6% no mês anterior.

Estados Unidos

  • Estoques no atacado dos Estados Unidos subiram 1,1% em junho

Os estoques no atacado dos Estados Unidos subiram 1,1% em junho ante maio, para um total de US$ 717,5 bilhões, já descontados os fatores sazonais, informou o Departamento do Comércio norte-americano. Na comparação com junho de 2020, os estoques tiveram alta de 10,5%. Analistas esperavam crescimento de 0,8% em base mensal para junho.

Em maio, os estoques subiram 1,3% ante abril. Do valor total de estoques em maio, US$ 423,9 bilhões eram de bens duráveis (alta mensal de 1,4%) e US$ 293,6 bilhões eram de bens não duráveis (alta mensal de 0,6%).

As vendas dos atacadistas norte-americanos aumentaram 2,0% em junho ante maio, a US$ 588,1 bilhões, com ajuste sazonal. Na comparação com junho de 2020, as vendas dos atacadistas avançaram 27,5%. Em maio, as vendas cresceram 0,8% em base mensal. Das vendas totais de junho, US$ 284,9 bilhões foram em bens duráveis (alta de 1,2% em base mensal) e US$ 303,1 bilhões em não duráveis (queda de 2,9%).

  • Folha de pagamento não-agrícola dos EUA aumenta 943.000 em julho, ficando acima da estimativa

A economia dos Estados Unidos criou 943 mil postos de trabalho em julho e a taxa de desemprego caiu para 5,4%, de 5,9% em junho. O número de vagas criadas ficou acima da projeção dos analistas, que esperavam abertura de 875,5 mil vagas. A taxa de desemprego veio abaixo da previsão, de 5,6%.

Os dados foram divulgados pelo Departamento do Trabalho do país e as estimativas foram levantadas com analistas pela Agência CMA. O Departamento do Trabalho informou também que em junho foram criados 938 mil postos de trabalho, mais que as 850 mil vagas divulgadas na leitura preliminar.

O salário médio por hora no setor privado somou US$ 30,54 em julho, alta de 0,4% ante os US$ 30,43 registrados em junho e alta de 4,0% em comparação aos US$ 29,37 em julho do ano anterior. A previsão era de alta de 0,4% em base mensal e aumento de 3,9% em termos anuais. Por semana, os empregados trabalharam, em média, 34,80 horas em julho, estável ante as 34,80 horas em junho.

O total de pessoas empregadas somou 152,645 milhões em julho, alta de 1,043 milhão, ou de 0,7%, ante o mês anterior. Esse número inclui trabalhadores de todos os segmentos produtivos privados e públicos, com exceção do setor rural. O total de desempregados foi estimado em 8,702 milhões, recuo de 782 mil, ou de 8,2%.

Deixe um comentário