Facebook vai dar ‘dicas' de privacidade para o Real Digital em evento do Banco Central

LinkedIn

O Banco Central do Brasil, BC, anunciou a realização do segundo webinar que vai debater os rumos para o Real Digital, a versão digital da moeda nacional que o BC pretende iniciar testes a partir do ano que vem.

Com o tema “Cidadania, Segurança de dados, sigilo e rastreabilidade” o evento, que pretende buscar insights que ajudem na construção da Moeda Digital brasileira, contará a participação, entre outros, de Yana Dumaresq, diretora Regional de Políticas Públicas do Facebook na América Latina.

O evento, online e gratuito, será realizado na Quinta-feira, 19 de agosto, das 12h as 13h com transmissão pelo Canal do BC no YouTube.

Segundo vem destacando o BC, é fundamental a participação das bigtechs, como o Facebook, no debate da construção do Real Digital pois a demanda por instrumentos financeiros digitais passa necessariamente por este tipo de plataforma.

“A proposta do Facebook de soltar uma moeda global mostra a intenção das pessoas de uma nova forma de serviço financeiro”, destacou recentemente o economista e responsável pelo projeto do Real Digital dentro do BC, Fabio Araujo.

Além do representante do Facebook o webinar também contará com a participação de Silvia Amélia Fonseca de Oliveira, diretora do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública e Dora Kaufman, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP).

A moderação do painel ficará a cargo da chefe de gabinete da Diretoria de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta do Banco Central, Juliana Mozachi Sandri.

Defi

Recentemente o BC revelou que está pensando no Real Digital como uma espécie de token nativo de um grande ecossistema de informação e tecnologia financeira que foi inaugurado com o Pix, terá seu crescimento com o Open Banking e verá sua maturidade com o CBDC.

“O Open Banking vai criar um ecossistema de ciclo de informação maior entre os participantes do sistema financeiro nacional e criar novos serviços no qual a CBDC (Real Digital) seria o tokens de liquidez o ponto de liquidez destes novos serviços financeiros digitais que podem surgir a partir do Open Banking”, disse Araujo.

Segundo Araujo, embora as criptomoedas tenham seu caráter especulativo, as tecnologias que surgiram deste ecossistema vão ajudar a montar o sistema financeiro do futuro.

“Desde que começou esta onda de criptoativos o Banco Central tem se posicionado que os criptoativos estão fora do nosso escopo regulatório. Eles são, do nosso ponto de vista, um ativo de risco. Nós também já nos manifestamos favoráveis a tecnologias desse sistema como blockchain e smart contracts. E especialmente com o surgimento deste mercado Defi e a intenção do Facebook de soltar uma moeda global isso mostra a intenção das pessoas de uma nova forma de serviço financeiro.

Nesta linha Araujo revelou que o BC pretende trazer este ambiente de inovação dos criptoativos para dentro do Banco Central e, com ele, impulsionar novos casos de uso para melhorar os serviços financeiros prestados para a população.

Por Cassio Gusson

Deixe um comentário