Traders buscam indenização da Binance após uma grande interrupção que lhes custou milhões

LinkedIn

Quando o corretor de criptomoedas canadense Fawaz Ahmed viu o preço do ethereum cair, ele sabia que era hora de cair fora. Infelizmente para ele, ele não podia.

Ahmed estava negociando na Binance, a maior bolsa de moeda digital do mundo em volume de negociação. E em 19 de maio, Binance passou por uma grande interrupção, o que significou que, por cerca de uma hora, ele foi incapaz de sair de sua posição.

Naquele dia, bitcoin e ethereum registraram suas maiores quedas em um dia desde março de 2020, com todo o mercado de criptografia perdendo cerca de US$ 1 trilhão em valor. Quando os preços caíram abaixo de certo ponto, a posição de Ahmed foi aniquilada. Suas perdas pessoais chegaram a cerca de US$ 6 milhões.

A equipe de atendimento ao cliente da Binance deu a Ahmed uma oferta de compensação “absurdamente” baixa, disse ele.

Ahmed é um dos centenas de investidores que devem participar do processo de arbitragem contra a Binance, em busca de indenização pelo dinheiro que perderam quando a bolsa de criptomoedas saiu do ar.

Binance passou por várias interrupções ao longo dos anos em tempos de alta volatilidade para moedas virtuais. Isso pode ser caro para os traders, especialmente quando os preços estão despencando.

E essas perdas podem chegar a milhões de dólares quando os investidores fazem apostas arriscadas usando alavancagem, ou dinheiro emprestado, para aumentar as negociações – o que, na Binance, é algo que os usuários fazem com frequência.

A Binance cortou recentemente a alavancagem máxima que os clientes podem assumir em futuros – derivativos financeiros que obrigam os investidores a comprar um ativo a um preço acordado em uma data posterior – para 20 vezes, de um limite anterior de 125 vezes.

O Binance não foi a único corretora de criptomoedas a enfrentar a interrupção de seu serviço em 19 de maio. Os usuários da Coinbase também não conseguiram acessar seu site temporariamente. O Bitcoin despencou até 30%, para quase US$ 30.000 naquele dia. Desde então, ele se recuperou para US$ 45.790.

Sem sede

Changpeng “CZ” Zhao, chefe de Binance, disse anteriormente que a bolsa não tem sede oficial. Isso torna extremamente difícil para os investidores descobrir como e onde levar a empresa aos tribunais.

Um grupo de traders de criptomoedas espera mudar isso. Com a ajuda da Liti Capital, uma firma de private equity pouco conhecida que fornece financiamento de litígios, espera-se que cerca de 1.000 pessoas se juntem a procedimentos de arbitragem em Hong Kong para pedir indenização à Binance.

Binance é “a primeira empresa que já cresceu para qualquer tamanho em qualquer setor – muito menos o setor financeiro – onde não há regulamentação”, disse David Kay, diretor de investimentos da Liti Capital. “Eles não têm casa, não têm sede, não têm escritório.”

“O único lugar onde Binance disse ter jurisdição é em um tribunal de arbitragem internacional de Hong Kong”, acrescentou Kay. “Esta será a maior arbitragem internacional de consumo da história.”

Kay disse que a Liti Capital começou a trabalhar no caso Binance depois de receber um telefonema de Aija Lejniece, uma advogada independente que trabalhava com um grupo de comerciantes de criptografia na França. A Lejniece é especializada em casos de arbitragem internacional.

Os termos de uso da Binance dizem que qualquer disputa legal deve ser resolvida por meio de arbitragem no Centro Internacional de Arbitragem de Hong Kong. Os procedimentos de arbitragem, ao contrário dos processos de ação coletiva, visam resolver disputas fora dos tribunais.

O formato torna mais difícil para o consumidor médio fazer uma reclamação, disse Kay, já que os reclamantes têm de pagar taxas de arbitragem e custos adicionais – por exemplo, viajar para Hong Kong. Individualmente, isso poderia custar a cada reclamante cerca de US$ 65.000. Para cobrir esses custos, a Liti Capital prometeu fornecer um mínimo de US$ 5 milhões em financiamento.

White & Case, um escritório de advocacia com sede em Nova York, foi contratado para representar os reclamantes. Abby Cohen Smutny e Darryl Lew, dois sócios da White & Case baseados em Washington, DC, servirão como seus advogados.

Repressão

A criptografia, uma indústria nascente, ainda não é regulamentada. Embora algumas empresas no espaço, como a Coinbase, tenham procurado construir relacionamento com os reguladores, a Binance e muitas outras operam principalmente fora do alcance das regras estabelecidas.

Isso não passou despercebido pelos reguladores, que estão correndo para acompanhar as inovações em serviços financeiros. Duas preocupações principais com a criptografia são a falta de proteção para os consumidores e o risco de lavagem de dinheiro e outras atividades ilícitas.

Binance, em particular, atraiu a atenção de autoridades em vários países. A Autoridade de Conduta Financeira da Grã-Bretanha proibiu recentemente a subsidiária da empresa no Reino Unido depois de descobrir que ela não atendia aos requisitos de combate à lavagem de dinheiro. Enquanto isso, vigilantes financeiros no Japão, Canadá e Itália emitiram avisos dizendo que a Binance não tem autoridade para operar nos países.

Para piorar os problemas de Binance, a empresa perdeu seu chefe nos Estados Unidos, Brian Brooks, que antes era chefe interino do Gabinete de Controladoria da Moeda, um regulador bancário dos Estados Unidos.

A empresa, que foi fundada por Zhao na China há quatro anos, disse recentemente que estava se preparando para se tornar uma instituição regulamentada, com planos de obter licenças em várias jurisdições e estabelecer sedes regionais. Zhao disse que está disposto a deixar a bolsa para entregar o bastão a alguém com mais experiência regulatória.

Tradução de Ryan Browne da CNBC

Deixe um comentário