Dólar fecha em alta, impactado por temor de desaceleração mais forte na China e aos índices positivos dos Estados Unidos

LinkedIn

O dólar fechou em R$ 5,2660, com alta de 0,67%. Esta elevação deve-se ao temor de uma desaceleração mais forte na China e aos índices positivos dos Estados Unidos. No âmbito interno, as já habituais incertezas fiscais continuam preocupando o mercado e enfraquecendo o real.

Para o economista da Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi, “os números ruins do varejo chinês, somados à notícia de que a Evergrande gigante incorporadora chinesa – está em moratória, apontam a desaceleração da China”.

Em contrapartida, os indicadores nos Estados Unidos são animadores: “As vendas no varejo foram muito fortes, apesar da variante Delta. Isso é um indicativo de que talvez o FED antecipe o tapering (remoção de estímulos)”, pontua Borsoi.

Já no cenário interno, as preocupações fiscais – como os precatórios – começam a fazer par para o ressurgimento de um ambiente político conturbado: “A carta do Bolsonaro começa a perder força, como foi visto na devolução da MP das fake news pelo (presidente do Senado, Rodrigo) Pacheco e na convocação da ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Valle, para depor na CPI da Covid”, enfatiza Borsoi.

Segundo o economista da Renascença Corretora, Daniel Queiroz, “as preocupações fiscais têm deixado o mercado receoso, e isso não traz alívio há algum tempo. A leitura do mercado é que faltam ações efetivas. A paciência está se esgotando”, enfatiza.

De acordo com o head da Tesouraria do Travelex Bank, Marcos Weigt, “o aumento do varejo nos Estados Unidos é algo mais pontual (+0,7 em agosto ante julho, enquanto as expectativas eram de -0,8%) – assim como a queda do preço do minério de ferro – sem grandes impactos no câmbio”.

Por outro lado, Weigt vê um real bem resiliente, com pequenas oscilações nas últimas semanas, com exceção dos dias 8 e 9 de setembro, datas que envolveram os impactos do discurso do presidente no Dia da Independência e a carta do chefe do executivo, respectivamente.

“O fundamento é de um real ainda bastante desvalorizado, mas este movimento de taxas de juros é benéfico para a moeda brasileira”, fala Weigt, referindo-se à Selic (taxa básica de juros), que deve sofrer aumento de 100 pontos percentuais na próxima semana.

Apesar disso, a parte fiscal ainda continua sendo o maior entrave ao real: “A questão fiscal continua sem direção, cada hora surge uma proposta”, pontua o Weigt. Ele ainda ressalta que, resolvendo estas celeumas, o dólar tende a cair com mais força até o final de 2021.

Acompanhe as altas e baixas do dólar nos últimos dias:

Data Compra Venda Variação Variação
02/09/2021 5,1827 5,1832 -0,033% -0,0017%
03/09/2021 5,184 5,1845 0,025% 0,0013%
06/09/2021 5,1762 5,1767 -0,15% -0,0078
08/09/2021 5,3251 5,3261 2,886% 0,1494
09/09/2021  5,2258 5,2273 -1,855% -0,0988
10/09/2021  5,266 5,267 0,761% 0,0398%
13/09/2021 5,2231 5,2236 -0,826% -0,0435
14/09/2021 5,2568 5,2573 0,645% 0,0337
15/09/2021 5,2365 5,2375 -0,377% -0,0198
16/09/2021 5,2645 5,2655 0,535% 0,028%

💵 Está pensando em viajar? Faça a conversão de moedas gratuitamente!

🇧🇷 – US$ 1 = R$ 5,26

🇪🇺 – US$ 1 = €$ 0,84

🇬🇧 – US$ 1 = £$ 0,72

Gráficos GRATUITOS na br.advfn.com

(Com informações da TC, UOl e Agencia CMA)

Deixe um comentário