Aeroporto Internacional da Venezuela passará a aceitar pagamentos em Bitcoin

LinkedIn

Um grande aeroporto internacional da Venezuela está se preparando para começar a aceitar criptomoedas como Bitcoin (COIN:BTCUSD) como pagamento de passagens e outros serviços.

O Aeroporto Internacional Simón Bolívar está trabalhando para permitir que os pagamentos de criptomoedas cumpram os padrões da indústria local, informou a agência de notícias regional El Siglo no domingo. Também conhecido como Maiquetia, o aeroporto está localizado no centro de Caracas, capital da Venezuela.

De acordo com o diretor do aeroporto de Maiquetia, Freddy Borges, o aeroporto planeja aceitar muitas criptomoedas, incluindo Bitcoin (COIN:BTCBRL), Dash (COIN:DASHUSD) e a moeda digital venezuelana ligada ao petróleo, o Petro. Ele disse que a administração do aeroporto introduziria novas opções de pagamento em coordenação com a Superintendência Nacional de Criptomoedas de Ativos e Atividades Relacionadas da Venezuela.

A introdução de pagamentos em criptomoedas no aeroporto de Maiquetia marcaria o compromisso da empresa em avançar em direção aos padrões internacionais e impulsionar a adoção da moeda digital, observou Borges. Segundo o executivo, a opção de pagamento em criptomoedas beneficiaria turistas estrangeiros, inclusive da Rússia.

“Precisamos avançar nesses novos sistemas econômicos e tecnológicos para sermos acessíveis”, afirmou Borges.

A notícia chega em meio a Venezuela experimentando uma moeda digital de banco central (CBDC), com o banco central do país lançando o bolívar venezuelano digital em 1º de outubro.

Vários aeroportos e companhias aéreas ao redor do mundo têm explorado maneiras de introduzir pagamentos e funcionalidades baseadas em blockchain e criptomoedas nos últimos anos, fornecendo melhores opções para pagamentos em dinheiro e melhorando os serviços de verificação de clientes, incluindo resultados de testes COVID-19. Em março, a companhia aérea letã airBaltic começou a aceitar Ether (ETH) e Dogecoin (DOGE) como pagamentos de passagens após lançar pagamentos em criptomoedas em 2014.

Por Helen Partz

Deixe um comentário