Dólar fecha em alta, fortemente pressionado pelo cenário fiscal incerto e turbulento

LinkedIn

O dólar comercial fechou a sessão em R$ 5,5950, com alta de 1,35%. A moeda norte-americana foi fortemente pressionada pelo cenário fiscal incerto e turbulento, que continua a preocupar o mercado, que teme por uma quebra do teto de gastos por parte do governo.

Segundo a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, “a sensação é de um looping infinito, não conseguimos sair desse pesadelo fiscal”. Para a economista, as intervenções cada vez mais frequentes do Banco Central, que tem feito leilões de dólar para injetar liquidez no mercado, visam não apenas regular o câmbio, mas também arrefecer a inflação.

Abdelmalack enxerga nisso um subterfúgio fiscal: “Da maneira que isso está sendo feito, passa-se a impressão de tentar burlar as regras fiscais”, avalia. A economista considera que isso passa, ao mercado, uma sensação de “descomprometimento fiscal do governo, gerando dúvidas”.

Para o economista da Guide Investimentos, Victor Beyruti, “o Auxílio Emergencial está chegando ao fim – assim como o Auxílio Brasil está para começar -, mas é necessária uma contrapartida fiscal permanente. E isso está travado no Senado”. Na visão do economista, a equipe econômica é contra este movimento do governo, o que aumenta ainda mais as incertezas para 2022.

“Enquanto continuar esta situação, essa falta de visibilidade, é inevitável que haja um reflexo no câmbio”, pondera Beyruti, que alerta que com a chegada do final do ano, as incertezas sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios e reforma do imposto de renda “só aumentam”.

Beyruti acredita que o governo tem interesse na continuidade do auxílio devido à grande rejeição do eleitorado: “É a maior (rejeição) em um ano que antecede as eleições”, pontua.

De acordo com o boletim matinal da Correparti, “em Brasília o clima é tenso, com a ala política e aliados pressionando a equipe econômica para tocar a agenda eleitoral, enquanto (o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur) Lira já questiona a prevalência do teto de gastos em detrimento à população”.

É exatamente essa falta de comprometimento do governo com os gastos públicos que preocupa os mercados: “O aprofundamento dos riscos fiscais tem impacto direto sobre o dólar e consequentemente sobre a inflação”, analisa a Correparti.

Data Compra Venda Variação Variação
04/10/2021 5,446 5,4464 1,442% 0,0774
06/10/2021 5,4856 5,4861 0,018% 0,001
07/10/2021 5,5164 5,5174 0,571% 0,0313
08/10/2021 5,5151 5,5161 -0,024% -0,0013
11/10/2021 5,5366 5,5371 0,381% 0,021
13/10/2021 5,5081 5,5091 -0,506% -0,028
14/10/2021 5,5156 5,5161 0,127% 0,007
18/10/2021 5,52 5,5205 1,206% 0,0658
19/10/2021 5,5933 5,5938 1,328% 0,0733

💵 Está pensando em viajar? Faça a conversão de moedas gratuitamente!

🇧🇷 – US$ 1 = R$ 5,60

🇪🇺 – US$ 1 = €$ 0,85

🇬🇧 – US$ 1 = £$ 0,72

Gráficos GRATUITOS na br.advfn.com

(Com informações da TC, UOl e Agencia CMA)

Deixe um comentário