Se foi o Facebook que paralisou, por que as ações do Twitter caíram ontem?

LinkedIn

A plataforma de mídia social Twitter (NYSE:TWTR) caiu 5,8% nas negociações de Wall Street em 4 de outubro para fechar em US$ 58,39, depois que uma grande paralisação global atingiu o Facebook (FB, FBOK34) e suas subsidiárias, Instagram e WhatsApp.

Mais tarde, as ações do Twitter se recuperaram modestamente no after-market e subiram 1,1% no horário de negociação estendido.

O Twitter também é negociado na B3 através do ticker (TWTR34). Nas negociações de segunda-feira, as ações do twitter negociadas na B3 caíram mas se recuperaram ao longo do dia, encerrando o dia com uma ligeira queda de R$ 0,04 centavos. Na abertura da B3 de terça-feira (05), as ações do Twitter estão em alta de 0,13%, subindo R$ 0,21 centavos, a um último preço de R$ 161,27 reais, no momento da escrita.

Os usuários migraram para o Twitter

O Facebook sofreu uma paralisação de quase seis horas na segunda-feira. Seus 3,5 bilhões de usuários não conseguiram enviar ou receber mensagens por meio de suas mídias sociais e serviços de mensagens WhatsApp, Instagram e Messenger. O Facebook disse que uma alteração na configuração com defeito foi a principal causa da interrupção.

Como resultado da interrupção, vários usuários mudaram para o Twitter em busca de atualizações e motivos para a interrupção global inesperada.

O Twitter foi bombardeado com tweets de usuários que incluíam reclamações, piadas e memes. Em resposta, a empresa enviou um tweet dizendo “Olá, literalmente a todos”, como se gostasse da atenção desviada para seu aplicativo.

Na verdade, em um dos tweets, o CEO do Twitter, Jack Dorsey, postou “Quanto?” em uma resposta a um tweet que mencionou que o domínio Facebook.com agora está à venda.

Eventualmente, o Facebook também recorreu ao uso de sua página oficial no Twitter para atualizar seus usuários sobre a indisponibilidade, por não poder usar sua própria plataforma. O porta-voz do Facebook, Andy Stone, postou em sua conta pessoal e também na página oficial do Facebook no Twitter, dizendo: “Estamos cientes de que algumas pessoas estão tendo problemas para acessar nossos aplicativos e produtos”.

Instagram e WhatsApp logo seguiram o exemplo e postaram atualizações semelhantes em suas respectivas contas oficiais do Twitter.

Investidores não impressionados

No entanto, as ações do Twitter continuaram caindo, como vem fazendo desde 1º de outubro. Isso é parcialmente em resposta às duas avaliações de analistas mais recentes, ambas om classificação Sell.

Em 13 de setembro, o analista Eric Sheridan do Goldman Sachs deu ao Twitter uma classificação de Venda e um preço-alvo de US$ 60 (2,8% de potencial de alta). O analista tem uma “visão seletivamente positiva” sobre o setor de internet dos Estados Unidos. No entanto, em relação ao Twitter, o analista acredita que a recuperação da publicidade já está precificada nos níveis atuais.

Da mesma forma, em 23 de agosto, o analista da Arete Research Rocco Strauss reiterou uma classificação de Venda, chamando o Twitter de o ponto mais fraco entre as várias plataformas de rede social. Ele aumentou o preço-alvo da empresa de US$ 30 para US$ 33, implicando em uma queda de 43,5%. O analista está cético sobre o Twitter atingir sua meta de vendas de US$ 7,5 bilhões em 2023.

Além disso, a paralisação de ontem do Facebook pode ter reforçado a impressão dos investidores sobre o Twitter como a escolha de último recurso nas plataformas de mídia social. É verdade que mais pessoas recorreram ao Twitter ontem, mas isso aconteceu apenas porque o Facebook e suas subsidiárias não estavam disponíveis para uso.

A maioria dos analistas que avaliam o Twitter também não se impressiona com as perspectivas da empresa. De acordo com o consenso de classificação de analistas, as ações da TWTR estão avaliadas como Hold. De 23 classificações de analistas, existem 6 recomendações Buys, 13 Holds e 4 Sells. O preço-alvo médio dos analistas no Twitter de US$ 71,38 implica um potencial de alta de 22,3% em relação aos níveis atuais.

Deixe um comentário