Vasco da Gama lança coleção de NFTs para relembrar pioneirismo na luta contra preconceito racial

LinkedIn

As criptomoedas estão cada vez mais presentes no mundo do futebol, seja através dos fan tokens ou através de colecionáveis digitais sob a forma de tokens não fungíveis (NFTs). Agora, como parte da celebração por seu pioneirismo na luta contra o racismo, no Dia da Consciência Negra o Vasco da Gama anunicou o lançamento de uma coleção de NFTs para relembrar os 12 jogadores que deram o pontapé inicial para superação do preconceito racial no futebol brasileiro.

Os cinco NFTs da coleção “Espelho… de 1924 para o futuro” são fruto de uma parceira com a BrasilNFT, empresa especializada no desenvolvimento de projetos baseados na tecnologia blockchain, e serão comercializados na plataforma da exchange Binance, a partir de 26 de novembro, informa o site TecMundo. O preço dos colecionáveis não foi divulgado.

O projeto foi concebido por Helio Ricardo Rainho, Etnógrafo e Mestre em História e Bens Culturais, e as peças foram criadas pelo artista visual Juan Calvet. As cinco artes digitais conectam a ancestralidade africana à ficção científica através de uma estética afrofuturista. As peças podem ser visualizadas na galeria de NFTs do clube carioca.

Luta histórica e pluaralidade (Juan Calvet). Fonte: Vasco NFT.

Em 1923, o Vasco da Gama foi campeão carioca com uma equipe que ficou conhecida como os “Camisas Negras”. O apelido faz alusão à camisa do clube, mas tinha também um componente de preconceito racial, pois o time contava com jogadores pretos, mulatos e operários em seu elenco, algo muito raro na época.

O título de 1923 poderia ter sido o marco inaugural da superação do preconceito racial no futebol brasileiro, mas, no ano seguinte, os demais clubes cariocas criaram uma nova liga municipal e exigiram que o Vasco excluísse os 12 jogadores pretos do seu elenco para poder integrá-la.

Como resposta, o então presidente do clube, José Augusto Prestes, publicou uma carta em protesto contra a atitude dos rivais. A versão original do documento que ficou conhecido com “Resposta histórica” é um dos primeiros manifestos antirracistas da sociedade brasileira e, hoje, está exposto na sala de troféus do clube.

De acordo com o clube, esta será apenas a primeira coleção de tokens não fungíveis com a marca do Vasco da Gama. Neste momento, já está em desenvolvimento o Projeto Coração Infantil, em que crianças do mundo todo poderão participar enviando desenhos com a temática de futebol e amizade. Peças selecionadas serão transformadas em uma nova série de colecionáveis.

O Vasco da Gama tem sido um dos principais adeptos ao desenvolvimento de projetos baseados em tecnologia blockchain do futebol brasileiro. O Vasco Token, baseado em recompensas atreladas a vendas de ex-jogadores do clube contempladas pelo Mecanismo de Solidariedade da FIFA,  já gerou dividendos aos seus detentores por três vezes ao longo deste ano.

Por Caio Prati Jobim

Deixe um comentário