Yield farming: uma estratégia para gerar renda passiva com criptomoedas

LinkedIn

Investimentos em criptomoedas podem ir além da compra de um ou outro ativo digital na esperança de que ele se valorize gerando retornos exponenciais. Uma das maiores revoluções proporcionadas pela tecnologia blockchain é a forma como ela foi capaz de reinventar instrumentos financeiros tradicionais através das múltiplas funcionalidades dos protocolos DeFi.

yield farming é um dos mais poderosos instrumentos para geração de renda passiva com criptomoedas. A lógica é  semelhante à forma como se ganha juros sobre dinheiro depositado em uma conta de investimentos, como a poupança, ou uma aplicação de renda fixa.

Como em uma instituição financeira tradicional, o yield farming envolve o bloqueio de ativos por um determinado período de tempo, que pode ser pré-fixado ou variável, através de staking para receber juros ou outras recompensas.

Na prática, é um instrumento que incentiva os usuários a fornecer liquidez a determinados protocolos, como explicou em uma reportagem do Business Insider Jay Kurahashi-Sofue, vice-presidente de marketing da Ava Labs, a organização por trás do desenvolvimento da rede Avalanche, cujo ecossistema DeFi está em pleno desenvolvimento:

“Staking ocorre quando as plataformas de criptomoedas pegam os depósitos dos clientes e os emprestam para aqueles que buscam crédito. Os credores pagam juros, e aqueles investidores que realizaram os depósitos recebem uma proporção desses rendimentos e então a plataforma fica com o resto.”

A diferença é que os retornos tendem a ser muito maiores, mas não podem ser dissociados de riscos proporcionalmente grandes. O rendimento percentual anual – reduzido à sigla APY – de alguns protocolos pode chegar a três dígitos. Esse alto potencial de ganhos vem acompanhado de riscos em iguais proporções. Além da reconhecida volatilidade das criptomoedas, sujeitas a picos e vales extremos em suas cotações, há riscos associados a fraudes, ataques hackers e golpes.

No entanto, esta perigosa relação de risco-retorno é algo a que os investidores de criptomoedas já estão – ou deveriam estar – acostumados.

Em geral, a parte que toma os empréstimos realizam operações financeiras de alavancagem em busca de lucros proporcionados pelas variações dos preços dos ativos no mercado.

Contratos inteligentes

Operações de yield farming são realizada através de contratos inteligentes que formam pools de liquidez. Os investidores que realizam yield farming são “conhecidos como provedores de liquidez”, diz Brian Dechesare, ex-banqueiro de investimentos e CEO da plataforma financeira Breaking Into Wall Street. Basicamente, eles “emprestam seus fundos adicionando-os a um contrato inteligente.” Estes empréstimos são realizados por meio de um aplicativo descentralizado (dApp).

Os investidores que travam suas moedas em protoclos de yield farming, além dos juros ganham mais criptomoedas. Podem ser as mesmas moedas bloqueadas no staking ou outros ativos oferecidos como prêmio adicional.

E esté é o verdadeiro benefício do instrumento. Se essas moedas distribuídas como recompensa e aquelas que estão travadas, sobre as quais já se está recolhendo juros, se valorizam, o retorno do investidor aumentará muito mais do que se as mantivesse parada na carteira.

Esse processo movido a incentivos tem como objetivo garantir a liquidez e formar uma comunidade em torno de protocolos recém-lançados, pois estes dois elementos são fundamentais para sustentar o crescimento dos projetos no longo prazo.

Outro incentivo para o travamento de criptoativos em um determinado protocolo é a possibilidade de poder opinar nos rumos do seu desenvolvimento, participando das votações em que importantes decisões são colocadas em questão. Por isso, os tokens nativos dos protocolos também são chamados de tokens de governança.

As regras para participação variam de um protocolo a outro, mas a participação é garantida à comunidade. Este é um aspecto importante, pois é do interesse dos detentores de determinado ativo que as melhores escolhas e rumos sejam tomados pela equipe de desenvolvedores.

Nesse sentido, é muito similar ao papel que os acionistas têm em uma empresa tradicional. O staking “permite que as criptomoedas assumam [esta] importante característica dos mercados de capital”, afirma Daniel J. Smith, professor de economia no Instituto de Pesquisa de Economia Política da Middle Tennessee State University:

 “Esse aspecto transforma as criptomoedas em mais do que um mero investimento em algo semelhante a dinheiro em um portfólio e as transforma em um investimento de quase-capital”.

Riscos

Há diversos tipos de riscos associados ao yield farming e às finanças descentralizadas de forma geral. Os principais são:

Volatilidade

No caso do yield farming, os custos da volatilidade podem ser mais altos devido ao bloqueio dos ativos em staking. Ou seja, em caso de perdas massivas, os criptoativos não podem ser negociados para minimizar os prejuízos.

Fraude

Há o risco de investir em projetos ou esquemas fraudulentos e a consequente perda dos ativos investidos. De acordo com um relatório recém-publicado pela pela firma de gerenciamento de riscos Ellipitc, US$ 2 bilhões foram roubados diretamente de aplicativos descentralizados nos últimos dois anos.

Rug pulls

Literalmente uma puxada de tapete, este tipo de golpe se caracteriza pelo sumiço dos desenvolvedores de um protocolo depois de acumular uma boa quantidade de fundos dos investidores, que perdem o acesso aos fundos investidos e dificilmente conseguem identificar os responsáveis pelo crime.

Falhas no contrato inteligente

Os contratos inteligentes podem conter falhas, às vezes até deliberadamente para favorcer ataques, colocando os ativos dos investidores em risco. Contratos não auditados são mais suscetíveis a ataques ou golpes.

Perda Impermanente

A cotação de um determinado ativo pode aumentar ou diminuir enquanto está em staking, gerando ganhos ou perdas não realizadas. Esses ganhos ou perdas tornam-se permanentes quando as criptomoedas são destravadas. Se a perda for maior do que os rendimentos obtidos com o staking, caso os ativos estivessem disponíveis para negociação o prejuízo poderia ser menor.

Regulação

O setor DeFi é um dos principais alvos dos reguladores, especialmente nos EUA, onde a SEC (Comissão de Valores Mobiliários) já emitiu declarações de que que alguns ativos digitais são valores mobiliários e, portanto, devem se submeter à regulação.

“Sempre há risco ao usar aplicativos descentralizados”, diz Kurahashi-Sofue. E adverte:

 “É tudo uma questão de minimizar o risco o suficientemente para que você se sinta confortável em usá-los, com base em sua própria pesquisa. Os usuários devem sempre olhar para a equipe por trás do aplicativo, sua transparência e diligência com auditorias de segurança.”

Retorno

Embora o yield farming apresente uma gama variada de riscos, também pode ser lucrativo. O CoinMarketCap apresenta um ranking classificando diversos pools de liquidez em função do APY anual e diário. É fácil encontrar pools com APY anuais de dois dígitos e alguns com APYs de mais de mil pontos percentuais.

Porém, os riscos de perda impermanente podem fazer os investidores questionarem se o potencial retorno compensa o risco. “A lucratividade do yield farming, assim como o investimento em criptomoedas de forma geral, ainda é muito incerta e especulativa”, diz Smith. Ele acredita que o retorno potencial é sempre menor em comparação com o risco envolvido:

“O lucro também dependerá da quantidade de criptomoedas que o investidor pode travar. Para ser lucrativo, o yield farming requer milhares de dólares em fundos e estratégias de investimento extremamente complexas.”

À medida que as criptomoedas se tornam mais populares, os investidores também buscam outras formas de potencializar os rendimentos de seus portfólios. O yield farming, com suas promessas de lucros exponenciais pode parecer uma opção atrativa.

No entanto, alerta o vice-presidente de marketing do Ava Labs, é necessário entender como o instrumento funciona e compreender todos os riscos e oportunidades inerentes antes de se aventurar na área. E conclui:

 “Como tudo na vida, se algo é bom demais para ser verdade, provavelmente o é”.

Usuários DeFi já perderam US$ 10,5 bilhões com roubos e golpes em 2021.

Por Caio Prati Jobim

Deixe um comentário