5 tokens do metaverso com potencial de valorização que custam menos de US$ 0,1

LinkedIn

O metaverso era um setor da indústria blockchain que se encontrava em plena ascensão quando dezembro chegou impondo perdas gerais e irrestritas que retiraram aproximadamente US$ 500 bilhões da capitalização total do mercado de criptomoedas.

Como os tokens do metaverso vinham acumulando capital de forma consistente e continuada desde o final de outubro, foi natural que os investidores aproveitassem para realizar lucros, fazendo com que o setor registrasse perdas ainda mais severas do que outros segmentos da indústria.

Os três principais tokens vinculados ao metaverso, Axie Infinity (AXS), Decentraland (MANA) e The Sandbox (SAND) acumulam perdas de 31%, 34% e 32%, respectivamente, desde o início de dezembro. A título de comparação, Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH), as duas principais criptomoedas do mercado, registraram perdas de 18% no mesmo período.

Projetos promissores, ainda em desenvolvimento, com uma capitalização de mercado pequena, sofreram abalos ainda maiores. Aproveitar o momento de baixa para investigá-los e estudar seus casos de uso e verdadeiros potenciais pode gerar oportunidades interessantes de ganhos futuros.

Mas é sempre importante relembrar um dos mais importantes e subestimados mandamentos do mercado cripto: DYOR (do your own research) – faça a sua própria pesquisa.

1. UFO Gaming (UFO)

Autointitulado “metaverso dark”, o UFO Gaming (COIN:UFOOOUSD) é uma plataforma descentralizada de games baseada na blockchain do Ethereum que está construindo um ecossistema multi-chain para abrigar diversos jogos play-to-earn.

Seus desenvolvedores prometem buscar parcerias com empresas de games tradicionais para construir o que foi denominado UFO Mothership Gaming Launchpad. Algo como “Nave Mãe UFO para Lançamento de Games”.

Nesse metaverso, cada game será como um planeta independente. Assim como em suas contrapartes mais famosas hoje – The Sandbox e Decentraland -, a compra de terras no formato de NFTs é um elemento central da economia do “metaverso dark”. No futuro, esses terrenos poderão ser usados para construir a infraestrutura dos planetas, como lojas virtuais de NFT, galerias de colecionáveis e marketplaces para e compra e venda de NFTs nativos dos jogos.

O UFO Gaming tem dois diferenciais que justificam seu rápido crescimento desde o lançamento há quatro meses atrás. Ao contrário da maioria das plataformas GameFi, o UFO Gaming promete construir um metaverso 3D, visualmente mais complexo e envolvente do que a maioria dos projetos que existem hoje.

Outro motivo de atenção é que embora esteja baseado na blockchain do Ethereum, sua arquitetura multi-chain promete contemplar jogos de diversos gêneros e estilos baseados em outras redes de primeira e segunda camada.

O token nativo do UFO Gaming é o UFO e possuir algumas unidades dele é imprescindível para que os jogadores possam interagir com a plataforma. O UFO apresentou uma ação de preço similar a dos outros tokens do metaverso desde o anúncio de que o Facebook passaria a se chamar Meta, voltando o seu foco para a construção do metaverso.

Em 25 de novembro, o token nativo do UFO Gaming atingiu a máxima história de US$ 0,00005592 após uma alta de aproximadamente 300% em um mês. Desde então, ele entrou em tendência de baixa reproduzindo o comportamento macro do mercado e hoje está cotado a US$ 0,000037, cerca de 60% abaixo de seu recorde histórico de preço.

2. Starlink (STARL)

O Starlink (COIN:STARLUSD) é um metaverso que promete aos seus usuários aventuras individuais ou coletivas pelo cosmos através de jogos variados que prometem fazer a ponte entre a indústria de games tradicionais com a tecnologia blockchain e o modelo play-to-earn.

Assim como o UFO Gaming, o Starlink é concebido como uma plataforma de lançamento de jogos que vai abrigar um ecossistema completo para usuários e criadores vivenciarem experiências em jogos AAA. Sua equipe de designers e desenvolvedores reúne profissionais experientes, com passagens por estúdios como Disney, Lionsgate Entertainment, Lucasfilm, Pixar e o grupo LEGO.

Navegando no espaço do Starlink será possível visitar planetas, descobrir estações espaciais, construir e incrementar naves espaciais, conquistar e negociar ativos digitais sob a forma de NFTs.

O STARL Marketplace será um espaço para intercâmbio e comercialização de itens NFT utilizaddos nas aventuras no espaço virtual. Usuários poderão vender suas próprias criações, adquirir itens para customizar seus avatares, veículos espaciais e imóveis virtuais, e os exploradores poderão negociar os tesouros encontrados durante expedições pelo metaverso.

O $STARL é o token nativo do protocolo e é necessário para intermediar todas as transações realizadas na plataforma. Ele vinha em queda desde o final de novembro e o movimento descendente do mercado nos primeiros dias de dezembro aprofundou suas perdas.

No momento, ele está cotado a US$ 0,000037, amargando uma desvalorização intradiária de 3,37%.

3. Radio Caca (RACA)

Radio Caca (COIN:RACAUST) combina vários campos hypados de DeFi (finanças descentralizadas), NFTs e jogos play-to-earn em um metaverso em construção. Seus desenvolvedores são anônimos, mas contam com o apoio do gigante conglomerado de tecnologia chinês Tencent.

Além disso, Maye Musk, a mãe de Elon Musk, lançou uma coleção de NFTs  – Maye Musk Mistery Box – através da plataforma. Dentro das “caixas”, o usuário tem acesso a NFTs que desbloqueiam conteúdos no metaverso do jogo Universal Metaverse (USM), no qual o RACA é utilizado como moeda nativa.

Os desenvolvedores do projeto prometem que o Universal Metaverse será um universo 3D onde os usuários podem adquirir e cultivar terras, construir experiências em suas propriedades e criar ou participar de diversos jogos.

No início de novembro, a plataforma lançou seu marketplace. Em menos de um mês, o volume diário de negociação superava os US$ 100 milhões e as vendas totais somavam mais de US$ 3 bilhões, de acordo com uma reportagem da BSC News.

Também em novembro, o primeiro jogo NFT do RadioCaca foi lançado. “Metamon” atingiu rapidamente a marca de 50.000 usuários diários e hoje é o 19º colocado no ranking de games NFT do Dapp Radar. Além disso, o volume de transações na plataforma cresceu 215% nos últimos 30 dias.

Apesar disso, o RACA consolidou uma forte tendência de queda desde 14 de novembro, quando alcançou a máxima histórica de US$ 0,01189. Hoje, está cotado a US$ 0,002478, acumulando uma desvalorização de 79% nos últimos 30 dias. Com a capitalização de mercado reduzida a US$ 450,45 milhões, apenas nas últimas 24 horas o RACA desvalorizou-se em 21%.

 

4. DEAPCoin (DEP)

O The Digital Entertainment Asset Pte. Ltd (COIN:DEPUSD) é uma empresa sediada em Singapura que se posiciona como a precursora de uma nova cultura do entretenimento que combina diversão com incentivos econômicos a partir da tecnologia blockchain. Para isso, os desenvolvedores da plataforma afirmam ter criado um sistema para proteger a propriedade intelectual e os direitos autorais dos criadores.

O ecossistema da DEAP Coin é composto por uma plataforma de jogos e mangás no formato de NFT, intitulada “PlayMining”, cujo ideal é “jogue sua vida”, um marketplace exclusivo para negociação dos NFTs utilizados no “PlayMining”, e o DEP, o token de utilidade nativo da plataforma.

Em abril deste ano, o DEAP Coin contabilizava mais de 1 milhão de usuários registrados, sendo que a maioria deles é originária de países asiáticos. Especialmente Indonésia, Vietnã, Filipinas e Taiwan, mercados onde os jogos play-toearn são bastante populares.

As principais funções do DEP são intermediar as negociações realizadas no marketplace da plataforma, ser utilizada para o pagamento de taxas de transação e explorar os recursos de finanças descentralizadas oferecidos pelo protocolo.

O DEP também atingiu sua máxima histórica na última semana de novembro, quando bateu em US$ 0,09213. Desde então, recuou 56% e hoje está cotado a US$ 0,043425. Nas últimas 24 horas, no entanto, valorizou-se em 4,36%.

5. Bloktopia (BLOK)

Bloktopia (COIN:BLOKKUSD) é um metaverso construído sob a forma de um arranha-céu de 21 andares em homenagem ao suprimento total de 21 milhões de Bitcoins. A proposta dos criadores é que ele se torne um hub de experiências cripto através de ambientes imersivos em 3D e realidade virtual cuja estética remete ao clássico do cinema de ficção científica “Blade Runner – o caçador de andróides.”

A moeda nativa da plataforma, o BLOK, funciona como chave de acesso a esse metaverso futurista. Seus habitantes são conhecidos como Bloktopians. Os bloktopianos serão capazes de gerar receitas por meio da propriedade de imóveis, criação e participação em jogos play-to-earn, venda de publicidade, formação de redes de interesse comum e organizações autônomas descentralizadas (DAOs).

Assim como em Decentraland ou The Sandbox, a propriedade de espaços virtuais é o motor da economia de Bloktopia. Mais do que simplesmente um jogo, trata-se de um metaverso completo para socialização.

Com uma ação de preço diferente dos principais tokens do metaverso, o BLOK atingiu seu recorde histórico de preço ainda em outubro, logo depois da criação da Meta. Na ocasião chegou a estar cotado a US$ 0,1777. No entanto, em seguida recuou de forma constante até bater em US$ 0,06106 na madrugada desta terça-feira.

Ao longo do dia, o BLOK no momento registra uma baixa intradiária de -12,26%, cotado a US$ 0,061708.

 

As visões e opiniões expressas aqui são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as visões do Cointelegraph.com.br e ADVFN News. Cada movimento de investimento e negociação envolve risco, você deve conduzir sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

Por Caio Jobim

Deixe um comentário