China Evergrande fica inadimplente, enquanto algumas agências de classificação se calam

LinkedIn

A incorporadora imobiliária China Evergrande ficou inadimplente esta semana enquanto a maioria das instituições permaneceu em silêncio.

No final da quinta-feira (9), a Fitch Ratings disse que a Evergrande não havia confirmado o pagamento de sua última obrigação de dívida, gerando um calote. As ações da incorporadora foram negociadas com 1% de queda na sexta-feira. O composto de Xangai caiu 0,2%.

Os problemas de Evergrande vieram à tona em meio a uma regulamentação rígida sobre o mercado imobiliário, enquanto os investidores se preocupavam com o impacto na economia chinesa. A empresa tem um total de US$ 300 bilhões em passivos, com US$ 19 bilhões em títulos offshore denominados em dólares americanos – o máximo de qualquer desenvolvedor chinês.

Até segunda-feira, Evergrande havia pago os juros na última hora para se manter à tona.

“Já devíamos ter chamado isso de padrão técnico há muito tempo, mas ninguém ousou”, disse Alicia Garcia-Herrero, economista-chefe da Natixis para a Ásia-Pacífico, na sexta-feira.

“A China não está deixando isso claro porque não há pressão para deixar isso claro”, disse ela. “As agências deveriam estar pressionando. Alguns investidores pressionaram. Ninguém quer rotular isso porque não quer arcar com as consequências. Todos estão tentando aumentar o que podem obter com isso”.

Não colocar o rótulo oficial de “calote” na Evergrande permite que a empresa reestruture sua dívida a um custo menor, disse ela.

A S&P Global Ratings não fez uma declaração na tarde de sexta-feira, e referiu no seu relatório de terça-feira dizendo que “o calote parece inevitável para Evergrande”. A Moody’s, outra agência de classificação, não fez declarações.

A declaração de inadimplência da Fitch se baseia na suposição da empresa de que dois pagamentos de juros não foram pagos antes do término do período de carência na segunda-feira, disse a agência de classificação de risco. Ele rebaixou o rating da Evergrande para “inadimplência restrita”, o que significa que o desenvolvedor ainda não encerrou as operações, nem mesmo iniciou procedimentos formais, como pedido de falência.

Nenhuma outra menção

O silêncio geral em torno da inadimplência de Evergrande ocorre quando as autoridades chinesas fazem declarações públicas na semana passada sobre os esforços para administrar a situação do desenvolvedor.

Em 3 de dezembro, a Evergrande, listada em Hong Kong, alertou em um arquivamento que não poderia garantir o cumprimento de suas obrigações financeiras e planejou “se envolver ativamente com os credores offshore” sobre a reestruturação da dívida. A empresa disse que recebeu uma demanda dos credores para pagar cerca de US$ 260 milhões.

Mais tarde naquele dia, o governo local da província de Guangdong, onde o incorporador está sediada, disse que se reuniu com o fundador da Evergrande, Xu Jiayin. A província acrescentou que enviou um grupo de trabalho à empresa para supervisionar a gestão de riscos.

O presidente do Banco Popular da China, Yi Gang, disse em um discurso na quinta-feira que a situação de Evergrande é um “evento de mercado”, a ser tratado de acordo com os princípios e a lei do mercado.

“Nossa visão sobre a situação de Evergrande é que, em última análise, é um desenvolvimento extremamente saudável, porque precisa haver um … precedente [trabalhado] para as empresas reestruturarem seus passivos para que seja um mercado de crédito verdadeiramente funcional”, Jason Brady, presidente e CEO da Thornburg Investment Management, disse em uma teleconferência na quarta-feira.

O mercado imobiliário é observado de perto, já que ele e outros setores relacionados respondem por cerca de um quarto da economia chinesa, de acordo com a Moody’s.

O que é mais importante para a economia da China é a capacidade da Evergrande de completar apartamentos que já foram vendidos aos consumidores, disse Garcia-Herrero de Natixis. Ela espera que, com a ajuda de Pequim, haja um impacto longo e prolongado sobre o crescimento, em vez de um choque agudo dos problemas dos incorporadores imobiliários.

Do lado dos mercados financeiros, ela disse que as repercussões são limitadas porque a dívida da Evergrande é principalmente detida por “indivíduos de alto patrimônio líquido, [que] estão segurando Evergrande até o vencimento, até o ponto de reestruturação”.

Fontes: CNBC, WSJ, FX empire, FX Street, Reuters, The Street, TipRanks

Deixe um comentário