Pfizer e BioNTech afirmam que a dose de reforço fornece alto nível de proteção contra a variante Ômicron

LinkedIn

Três doses da vacina da Pfizer (NYSE:PFE) e da BioNTech (NASDAQ:BNTX) fornecem um alto nível de proteção contra a variante Ômicron, anunciaram as empresas na quarta-feira (08).

A Pfizer e a BioNTech também são negociadas na B3 através dos tickers (BOV:PFIZ34) e (BOV:B1NT34), respectivamente.

Uma injeção de reforço da vacina aumenta a proteção do anticorpo 25 vezes em comparação com a série inicial de duas doses, de acordo com um estudo laboratorial preliminar. Uma terceira dose mostra habilidades de combate ao vírus comparáveis ​​à proteção fornecida por duas doses contra a cepa original do vírus.

“Embora duas doses da vacina ainda possam oferecer proteção contra doenças graves causadas pela cepa Ômicron, é claro a partir desses dados preliminares que a proteção é melhorada com uma terceira dose de nossa vacina”, disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em uma declaração conjunta com a BioNTech.

“Garantir que o maior número possível de pessoas esteja totalmente vacinado com as duas primeiras séries de doses e um reforço continua sendo o melhor curso de ação para prevenir a disseminação da Covid-19”, disse Bourla.

As empresas disseram que duas doses da vacina mostraram uma redução significativa na capacidade dos anticorpos de direcionar e neutralizar a Ômicron, embora ainda possam proteger contra doenças graves. A Pfizer e a BioNTech esperam ter uma vacina que tem como alvo específico a variante Ômicron disponível até março de 2022.

Os dados vêm depois de um pequeno estudo preliminar de laboratório feito por cientistas sul-africanos que descobriu que o Ômicron evitou a proteção fornecida pelos anticorpos em um grau significativo em amostras de sangue coletadas de indivíduos totalmente vacinados com a vacina Pfizer-BioNTech.

Bourla disse na terça-feira que o Ômicron parece causar sintomas mais leves, mas parece se espalhar mais rápido e pode levar a mais mutações no futuro.

“Não acho que seja uma boa notícia ter algo que se espalha rapidamente”, disse Bourla ao The Wall Street Journal durante uma entrevista na Cúpula do Conselho de CEOs do jornal. “Se espalhar rápido significa que chegará a bilhões de pessoas e poderá ocorrer outra mutação. Você não quer isso”.

Embora os cientistas acreditem que o Ômicron se espalhe mais rápido, eles disseram que mais dados são necessários para determinar a gravidade da doença causada pela variante.

“Teremos um bom entendimento, digamos antes do final do ano, o que exatamente isso significa para a manifestação clínica”, disse Bourla em referência à variante omicron na terça-feira.

Deixe um comentário