União Europeia está em formulação para propor proibição de mineração de criptomoedas

LinkedIn

A União Europeia (UE) está elaborando regulamentos que podem resultar na proibição da mineração proof-of-work de criptomoedas nos 27 estados membros da união.

A proposta faz parte da próxima legislação de Mercados de Criptoativos (MiCA) da UE que regerá a regulamentação de criptomoedas na UE. De acordo com a CoinDesk, um rascunho do pacote MiCA em discussão inclui uma disposição que proibiria a mineração proof-of-work no sindicato.

A notícia vem em meio à crescente preocupação em toda a UE com o impacto ambiental causado pela mineração de criptomoedas, o mecanismo de consenso de uso intensivo de energia empregado por criptomoedas, incluindo Bitcoin e Ethereum.

Europa

Em novembro do ano passado, a autoridade de supervisão financeira da Suécia – Finansinspektionen – pediu a proibição da mineração de criptomoedas.

“A Suécia precisa da energia renovável visada pelos produtores de criptoativos para a transição climática de nossos serviços essenciais, e o aumento do uso pelos mineradores ameaça nossa capacidade de cumprir o Acordo de Paris”, disse o regulador na época.

“A mineração de ativos criptográficos com uso intensivo de energia deve, portanto, ser proibida”.

Essas mesmas preocupações foram seguidas pelo vice-presidente da Autoridade Europeia de Valores Mobiliários e Mercados, Erik Thedeen. Thedeen também atua como diretor geral da Finansinspektionen da Suécia.

Em janeiro, ele disse ao Financial Times que a mineração de Bitcoin se tornou uma questão “nacional” para a Suécia.

“Precisamos ter uma discussão sobre a mudança da indústria para uma tecnologia mais eficiente. O setor financeiro e muitas grandes instituições agora estão ativas nos mercados de criptomoedas e têm responsabilidades [ambientais, sociais e de governança]”, disse ele.

Mineração de Bitcoin e o meio ambiente

De acordo com a Universidade de Cambridge, a rede Bitcoin consome cerca de 120 terawatts-hora de eletricidade por ano. Isso é mais consumo de eletricidade anualmente do que a maioria dos países do mundo.

A Universidade de Cambridge também descobriu (em setembro de 2020) que apenas 39% da rede Bitcoin era alimentada por energia renovável. Usando esses números, pesquisas anteriores conduzidas pela Decrypt descobriram que as emissões anuais de gases de efeito estufa da rede Bitcoin eram amplamente equivalentes a cerca de 60 bilhões de libras de carvão queimado.

No entanto, a preocupação agora está se estendendo além da falta relatada da rede de fontes de energia renovável.

Alguns críticos do Bitcoin têm a mesma visão que a Finansinspektionen, argumentando que o uso de energia renovável para minerar criptomoedas é uma grave má alocação de recursos valiosos.

“Eu venho dizendo há muito tempo que você não pode desperdiçar recursos de forma sustentável – usar energias renováveis ​​para mineração de criptomoedas não é solução”, disse Alex de Vries, fundador da Digiconomist.

Com infomações de Decrypt

Deixe um comentário