Dow Jones saltou 250 pontos na quarta-feira; S&P 500 ficou estável e Nasdaq recuou arrastado pelo Netflix

LinkedIn

O mercado estava dividido na quarta-feira (20), com os traders avaliando uma série de resultados do primeiro trimestre. O Dow Jones subiu devido aos fortes ganhos da Procter & Gamble, enquanto o Nasdaq Composite foi arrastado para baixo por uma queda épica nas ações da Netflix.

O Dow Jones subiu 249,59 pontos, ou 0,71%. O S&P 500 ficou estável (-0,06%) em 4.459,45. O Nasdaq Composite caiu -1,22%, para 13.453,07, mas ainda está no ritmo de um ganho semanal.

A Netflix caiu 35% depois que seus resultados trimestrais mostraram uma perda de 200.000 assinantes no primeiro trimestre, sua primeira perda de assinantes relatada em mais de 10 anos. Esse foi o maior declínio desde 2004, e a empresa de streaming agora é a ação com pior desempenho no S&P 500 este ano, com queda de 63,1%. Os resultados trimestrais da empresa foram seguidos por uma onda de rebaixamentos por 10 analistas de Wall Street, que também citaram sua fraca orientação financeira.

A explosão da Netflix derrubou as ações de outras empresas de streaming. Disney caiu 5,5%, Roku e Warner Bros. Discovery perderam 6,1%. A Paramount perdeu 8,6%.

Também assustou os investidores de comprar outras ações de tecnologia antes dos lucros trimestrais. A Tesla, que deve divulgar lucros após o fechamento, caiu 4,9%. Amazon e Salesforce perderam mais de 2%.

Por outro lado, a Procter & Gamble ganhou 2,6% e ajudou a elevar o Dow Jones depois de relatar resultados melhores do que o esperado e aumentar sua orientação de receita para o ano inteiro. A IBM, outro componente do Dow Jones, subiu mais de 7,1% após uma superação nos lucros e receitas.

“As empresas até agora estão destacando a forte demanda em todo o setor, apesar das pressões da inflação e da cadeia de suprimentos”, disse Ross Mayfield, analista de estratégia de investimentos da Baird. “Embora esperemos que este ano continue volátil, a força dos lucros e o sentimento de baixa são um pano de fundo muito bom para um salto de curto prazo”.

Cerca de 12% das empresas do S&P 500 relataram lucros no primeiro trimestre até agora, com 80% desses nomes superando as expectativas dos analistas, de acordo com a FactSet. Mas a verdadeira história que está por trás da reação morna do mercado durante os lucros até agora é a falta de orientação corporativa.

Além dos lucros da empresa, os investidores também estavam de olho no rendimento do Tesouro dos EUA em 10 anos, que recuou na quarta-feira depois de atingir 2,94%, seu nível mais alto desde o final de 2018, na terça-feira.

“Parece haver alguma fadiga em torno do aumento das taxas e da discussão sobre a inflação”, disse Sylvia Jablonski, CEO e diretora de investimentos da Defiance ETFs. “O mercado provavelmente precificou no futuro os aumentos das taxas, a inflação provavelmente está chegando ao pico e acho que há algum sentimento positivo em torno da temporada de lucros”.

Jablonski também observou que o consumidor ainda é forte, com gastos e US$ 2 trilhões em economia, e as corporações continuam mostrando força no poder de precificação e em seus balanços.

“Embora o crescimento possa desacelerar, este ano ainda pode estar pronto para um retorno de meio dígito no S&P”, acrescentou Jablonski. “Os investidores podem estar fazendo um balanço disso e aplicando dinheiro em vez de travar perdas em dinheiro devido à inflação. Se os níveis de P/L continuarem a parecer razoáveis ​​nesses níveis, e os lucros chegarem, isso pode ser o catalisador para um pivô de segundo semestre positivo”.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário