Dólar fecha em alta, após releitura do Fed, medos da inflação e da recessão

LinkedIn

A lua de mel dos mercados com o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) não durou nem 24 horas. Depois de celebrar ontem a fala do presidente da instituição, Jerome Powell, que tirou do radar uma alta de 0,75 pontos-base da taxa básica em junho, investidores bateram hoje em retirada de ativos de risco e correram para se abrigar no dólar diante do ressurgimento do fantasma da estagflação global.

A combinação de aperto monetário nos Estados Unidos mesmo que ao ritmo de 0,50 ponto por reunião – aliada a dados decepcionantes da atividade na China e na Alemanha – despertam temores de desaceleração abrupta da atividade mundial em meio a uma inflação ainda em níveis elevados. O PMI composto da China – que persiste na política de lockdown para conter a Covid – recuou de 43,9 em março para 37,2 em abril – segunda maior queda da serie histórica. Os gargalos de oferta provocados pela guerra na Ucrânia, que parece longe de um desfecho, e os efeitos colaterais das sanções do Ocidente à Rússia também pesam.

A moeda americana experimentou um forte movimento global de valorização. O índice DXY – que mede o desempenho do dólar frente a seis divisas fortes – trabalhou na maior parte do dia em alta superior a 1% e chegou flertar com os 104,000 pontos ao correr até a máxima de 103,942 pontos. Quem mais apanhou foi a libra, com perdas superiores a 2% ante o dólar. O Banco da Inglaterra (BoE) subiu os juros em 25 pontos-base, como esperado, mas alertou para pressões inflacionárias adicionais e passou a prever retração da economia do Reino Unido em 2023. As divisas emergentes caíram em bloco. O rand sul-africano amargou as perdas mais pesadas, da ordem de 3%. A taxa da T-note de 10 anos, o principal ativo do mundo, voltou a se situar acima de 3%, tendo atingido 3,10% na máxima.

A economista Cristiane Quartaroli, do Banco Ourinvest, afirma que, a despeito de Powell ter afastado uma alta de 0,75 ponto porcentual da taxa básica americana em junho, o mercado se pergunta se o BC americano não vai “precisar em algum momento” promover um ajuste monetário mais agressivo para conter a inflação. “Estamos vendo um movimento de correção em relação a ontem. Os juros dos Treasuries estão subindo bastante e isso impacta de forma negativa as moedas emergentes”, afirma.

No mercado doméstico de câmbio, a corrida pela divisa começou já no início dos negócios, com o dólar abrindo em alta de quase 1%, na casa de R$ 4,95. A barreira dos R$ 5,00 foi superada ainda pela manhã e, no início da tarde, a divisa correu até máxima a R$ 5,0584 (+3,16%) no início da tarde. No fim do dia, com moderação do ritmo de alta da moeda americana no exterior, o dólar à vista era cotado a R$ 5,0165, em alta de 2,30%. No acumulado do ano, as perdas ainda são de dois dígitos (-10,03%).

Para o estrategista-chefe da Inv, Rodrigo Natali, após “erros sucessivos do Fed em diagnosticar a resistência da inflação”, o mercado já não tem tanta confiança de que o BC americano vai conseguir pôr os preços nos trilhos sem uma alta mais agressiva dos juros e consequente desaceleração da atividade. “Essa disparada das taxas dos Treasuries é um claro sinal de que o mercado vê a necessidade de o Fed ir mais rápido. A aposta em alta da taxa em 0,75 ponto, que havia desaparecido ontem após a fala do Powell, voltou com força”, diz Natali.

Em meio à onda global de fuga do risco, eventuais impactos da perspectiva de continuidade do aperto monetário no Brasil, que, em tese, é benéfica para o real, ficaram em segundo plano. Após elevar a taxa Selic ontem em 1 ponto porcentual, para 12,75%, o Copom deixou a porta aberta para alta adicional em junho.

Algumas casas reviram a expectativa para o tamanho total do ciclo após a decisão do Copom. O UBS BB, por exemplo, elevou a previsão da taxa Selic terminal de 12,75% para 13,25%, com alta de 0,50 ponto porcentual em junho. A Renascença DTVM também elevou a projeção para a taxa básica de 12,75% para 13,25%. Já o Credit Suisse reiterou suam perspectiva de taxa Selic a 14%, com elevação de 0,75 ponto em junho e de 0,50 ponto em agosto.

Para Natali, da Inv., com dados positivos da balança comercial, taxa de juros interna elevada e bons resultados fiscais correntes, ainda há espaço para que o dólar volte a se situar abaixo dos R$ 5,00 no curto prazo. “Os mercados locais de bolsa e de renda fixa estão bem mais frágeis. O ‘trade’ mais atraente para os gestores ainda é de aposta na queda do dólar assim que diminuir um pouco o estresse lá fora”, afirma Natali.

Entre os indicadores do dia, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 8,148 bilhões em abril, abaixo da mediana de Projeções Broadcast, de US$ 9,630 bilhões. Foi, contudo, o segundo melhor resultado para o mês da série histórica, atrás apenas de abril do ano passado (US$ 9,963 bilhões). Em 2022, a balança acumula superávit de US$ 19,947 bilhões, crescimento de 10,5% em relação ao ano passado.

Data Compra Venda Variação Variação
2/05/2022 5,0717 5,0727 2,63% 0,13
3/05/2022  4,963 4,9635 -2,153% -0,1092
4/05/2022 4,9026 4,9036 -1,207% -0,0599
05/05/2022 5,016 5,0165 2,302% 0,1129

💵 Está pensando em viajar? Faça a conversão de moedas gratuitamente!

🇧🇷 – US$ 1 = R$ 5,01

🇪🇺 – US$ 1 = €$ 0,94

🇬🇧 – US$ 1 = £$ 0,80

Gráficos GRATUITOS na br.advfn.com

(Com informações da Broadcast, UOl e Agencia CMA)

Deixe um comentário