Espanha se pinta como a resposta para o problema energético russo da Europa

LinkedIn

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, disse que seu país – e o sul da Europa de forma mais ampla – poderia fornecer uma resposta ao déficit no fornecimento de gás da Rússia, já que a região procura dobrar as sanções contra Moscou.

“A Espanha e, eu diria, o sul da Europa, terão a chance de fornecer uma resposta a essa dependência energética da energia fóssil da Rússia”, disse Sanchez no Fórum Econômico Mundial em Davos na segunda-feira (24).

Sanchez destacou que a Espanha representa 37% da capacidade total de regaseificação da União Européia — onde o gás natural liquefeito volta a ser o produto final do gás natural. Ele também disse que a Península Ibérica, ocupada por Espanha e Portugal, abriga cerca de metade do armazenamento de GNL da UE.

“Esta guerra também nos deu uma lição muito importante, que é que energia renovável, hidrogênio, eficiência energética não é apenas um grande aliado para países e economias enfrentarem os esforços de mudança climática, mas também neste cenário geopolítico muito complexo e muito incerto que nos fornecerá também meios para aumentar nossa resiliência e autonomia”, acrescentou.

Os preços da energia dispararam este ano, com o ataque da Rússia na Ucrânia desestabilizando os mercados e as nações ocidentais impuseram sanções a Moscou. Os preços do hub holandês TTF, referência europeia para o comércio de gás natural, mais do que triplicaram entre 16 de fevereiro e 7 de março, quando a Rússia lançou a invasão não provocada de seu vizinho.

A questão da segurança energética – e os preços crescentes da energia – tem estado na frente e no centro do debate político na Espanha, com Madri sendo uma das capitais mais expressivas sobre a necessidade de uma ação europeia para reduzir os preços para os consumidores.

Juntamente com o vizinho Portugal, a Espanha introduziu um limite temporário para o preço do gás natural e do carvão – uma medida que os diferencia da maior parte do resto da UE.

Sanchez disse que o mercado de energia da UE não está apto a responder à crise atual. “Este é apenas o começo de uma grande reflexão que precisamos enfrentar a nível europeu”, disse ele.

A Espanha irritou a Argélia no início deste ano depois que Madri decidiu reexportar gás para o Marrocos, em meio a um impasse diplomático entre as duas nações do norte da África que compartilham uma fronteira terrestre.

Sánchez descartou na segunda-feira a ideia de que a Espanha esteja substituindo a Rússia por outro fornecedor instável, a Argélia, que ameaçou fechar os fluxos de gás para Madri devido ao seu acordo com o Marrocos.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário