Investidores retiram mais de US$ 7 bi do Tether, levantando novos temores sobre o apoio da stablecoin

LinkedIn

Investidores retiraram mais de US$ 7 bilhões do Tether desde que ele caiu brevemente de sua paridade com o dólar, levantando novas questões sobre as reservas que sustentam a maior stablecoin do mundo.

A oferta circulante do Tether caiu de cerca de US$ 83 bilhões há uma semana para menos de US$ 76 bilhões na terça-feira (17).

A chamada stablecoin deve sempre valer US$ 1. Mas na quinta-feira, seu preço caiu para 95 centavos em meio ao pânico com o colapso de um token rival chamado terraUSD.

A maioria das stablecoins é apoiada por reservas fiduciárias, a ideia é que elas tenham garantias suficientes caso os usuários decidam retirar seus fundos. Mas uma nova geração de stablecoins “algorítmicas” como terraUSD, ou UST, tenta basear seu dólar no código.

Anteriormente, o Tether afirmava que todos os seus tokens eram lastreados 1 para 1 por dólares armazenados em um banco. No entanto, após um  acordo  com o procurador-geral de Nova York, a empresa revelou que contava com uma série de outros ativos – incluindo papel comercial, uma forma de dívida de curto prazo sem garantia emitida por empresas – para apoiar seu token.

A situação colocou mais uma vez o assunto das reservas atrás da corrente sob os holofotes. Quando a Tether divulgou pela última vez sua divisão de reservas, o caixa representava cerca de US$ 4,2 bilhões de seus ativos. A grande maioria – US$ 34,5 bilhões – consistia em títulos do Tesouro não identificados com vencimento inferior a três meses, enquanto US$ 24,2 bilhões de suas participações eram em papel comercial.

Esses “atestados” produzidos pela Tether a cada trimestre são assinados pela MHA Cayman, uma empresa sediada nas Ilhas Cayman que tem apenas três funcionários, de acordo com seu perfil no LinkedIn.

A Tether enfrentou repetidos pedidos de uma auditoria completa de suas reservas. Em julho de 2021, a empresa disse à CNBC que produziria um em questão de “meses”. Ainda não o fez.

Respondendo a um usuário do Twitter que pediu ao Tether que divulgasse uma auditoria completa, Paolo Ardoino, diretor de tecnologia da empresa, insistiu que seu token estava “totalmente garantido” e resgatou US$ 7 bilhões nas últimas 48 horas.

“Podemos continuar se o mercado quiser, temos toda a liquidez para lidar com grandes resgates e pagar tudo de 1 para 1”, disse ele.

Em outro tweet, Ardoino disse que a Tether ainda está trabalhando em uma auditoria. “Esperamos que os reguladores estimulem mais empresas de auditoria a serem mais amigáveis ​​às criptomoedas”, disse ele.

A desestabilização de tokens que têm o único objetivo de manter um preço estável abalou os reguladores de ambos os lados do Atlântico. Na semana passada, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, alertou sobre os riscos para a estabilidade financeira se as stablecoins crescerem sem restrições pela regulamentação e instou os legisladores a aprovarem a regulamentação do setor até o final de 2022.

Na Europa, o presidente do Banco da França, François Villeroy de Galhau, disse que a turbulência nos mercados de criptomoedas recentemente deve ser tomada como um “despertar” para os reguladores globais. As criptomoedas podem atrapalhar o sistema financeiro se não forem regulamentadas, disse Villeroy – particularmente as stablecoins, que ele acrescentou serem “um pouco mal nomeadas”.

Enquanto isso, o membro do Conselho Executivo do Banco Central Europeu, Fabio Panetta, disse que stablecoins como tether são “vulneráveis ​​a corridas”, referindo-se a “corridas bancárias” em que os clientes fogem em massa de uma instituição financeira. A União Europeia está planejando colocar as stablecoins sob estrita supervisão regulatória com novas regras conhecidas como Markets in Crypto-assets Regulation, ou MiCA.

Frances Coppola, economista independente, explicou que são as exchanges de criptomoedas – e não os investidores de varejo – que estão retirando bilhões de dólares do Tether em transações no atacado. Para resgatar tethers por dólares no Tether, os clientes devem fazer uma retirada mínima de US$ 100.000, de acordo com o site da empresa.

“Seus clientes são realmente as exchanges”, disse Coppola. “Então as exchanges vendem tokens para traders, diletantes e pequenos investidores.”

O Tether é uma parte crucial do mercado de criptomoedas, facilitando bilhões de dólares em negociações todos os dias. Os investidores costumam estacionar seu dinheiro com o token em tempos de maior volatilidade nas criptomoedas.

Monsur Hussain, chefe de pesquisa de instituições financeiras da Fitch Ratings, disse que o Tether teria “poucas dificuldades” em vender suas participações em tesouraria.

Mas a origem dessas participações não é clara. Em uma entrevista recente ao Financial Times, o chefe de tecnologia da Tether se recusou a fornecer detalhes sobre suas participações no Tesouro, dizendo que a empresa “não quer dar nosso molho secreto”.

A ansiedade em torno do tether parece ter impulsionado a demanda por tokens rivais como o USDC da Circle e o BUSD da Binance, cujos respectivos valores de mercado aumentaram cerca de 8% e 4% na semana passada. Especialistas disseram que isso ocorre porque esses tokens são considerados “mais seguros” do que o tether.

Embora ainda não seja grande o suficiente para causar perturbações nos mercados monetários dos EUA, o Tether pode eventualmente atingir um tamanho em que possuir títulos do Tesouro dos EUA se torne “realmente assustador”, disse Carol Alexander, professora de finanças da Universidade de Sussex.

“Suponha que você desça a linha e, em vez de US$ 80 bilhões, tenhamos US$ 200 bilhões, e a maior parte disso em títulos líquidos do governo dos EUA”, disse ela. “Então, uma quebra de corda teria um impacto substancial nos mercados monetários dos EUA e apenas levaria o mundo inteiro à recessão.”

Com informações de CNBC

Deixe um comentário