Moeda digital do Chile também deve funcionar offline, diz presidente do banco central

LinkedIn

A moeda digital emitida pelo Banco Central (CBDC) do Chile precisaria aceitar pagamentos offline, disse a presidente da autoridade monetária daquele país, Rosanna Costa, em um evento nesta terça-feira. Costa prometeu um documento de política sobre o assunto no final desta semana, mas acrescentou que nenhuma decisão final foi tomada sobre a emissão ou não de uma versão digital do peso chileno.

Uma pesquisa recente do Bank for International Settlements (BIS), organização de propriedade de bancos centrais, sugere que nove em cada 10 bancos centrais estão considerando emitir seus próprios ativos virtuais, em parte devido à concorrência do bitcoin, mas estão lidando com problemas de design para garantir acesso e privacidade.

A CBDC deve “operar online e offline”, disse Costa em um evento organizado pelo BIS, acrescentando que a tecnologia para fazê-lo “não é necessariamente eficiente no momento”.

O sistema deve “permitir que as autoridades rastreiem a transação mais tarde”, protegendo os dados pessoais, disse Costa.

O CBDC teria que coexistir e ser conversível com dinheiro e bancos comerciais, e ser seguro, disse Costa, acrescentando que projetos-piloto poderiam ser implementados após mais discussões com os setores público e privado ainda este ano.

Em jurisdições como a União Europeia, as autoridades estão considerando como equilibrar a capacidade de realizar transações discretas em dinheiro com a necessidade de rastrear finanças ilícitas e estão considerando oferecer meios privados de pagamento para pequenas compras. Gana também considerou disponibilizar seu CBDC offline.

Outros acham que o problema é uma perda de tempo e que os bancos centrais devem se concentrar em áreas onde os pagamentos agora são difíceis.

“Estamos indo na direção errada com CBDCs de varejo”, disse Ravi Menon, da Autoridade Monetária de Cingapura, no evento, argumentando que as redes de pagamento existentes são suficientes para atender às necessidades dos cidadãos comuns.

“O caminho que devemos seguir são os CBDCs por atacado para pagamentos internacionais”, acrescentou Menon, sugerindo que os bancos poderiam realizar grandes transações internacionais sem ferramentas tradicionais como o serviço de mensagens SWIFT, que ele chamou de “doloroso” e “arcaico”.

Os normatizadores internacionais apoiaram amplamente os movimentos para emitir CBDCs, mas temem que isso possa significar que os bancos centrais percam o poder de dizer aos cidadãos o que fazer com seu dinheiro.

“Em muitos países com instituições fracas, os cidadãos podem ter incentivos para tirar dinheiro do país”, disse Tobias Adrian, diretor do departamento de capital e mercado monetário do Fundo Monetário Internacional (FMI). “A grande maioria dos países tem algum tipo de controle de capital, e há evidências diretas e indiretas de que os ativos criptográficos são usados ​​para isso”.

O FMI disse recentemente que os países devem expandir suas leis para garantir que medidas como restrições a pagamentos no exterior incluam ativos criptográficos.

Com informações de CoinDesk

Deixe um comentário