Por que a Apple quer mudar sua base da China para a Índia e o Vietnã?

LinkedIn

Vencida pelos problemas de produção na China resultantes das rigorosas medidas anti-Covid de Pequim, a gigante global de tecnologia Apple (NASDAQ:AAPL) disse a alguns de seus fabricantes contratados que deseja buscar cada vez mais produção fora da China, de acordo com um relatório do WSJ.

A Apple também é negociada na B3 através do ticker (BOV:AAPL34).

Entre os próximos melhores concorrentes, a maior empresa de tecnologia da informação do mundo em receita, está considerando outros países do Sudeste Asiático, como Índia e Vietnã, como um possível centro de fabricação.

Notavelmente, a fabricante do iPhone já possui seus locais de produção nos dois países, que, assim como a China, também possuem uma vantagem de alta população e um baixo custo-benefício.

Por que a Mudança?

De acordo com o Wall Street Journal, uma série de problemas na China, incluindo bloqueios em Xangai e os desafios de fornecimento resultantes, ameaçaram a produção da Apple.

Além disso, Pequim se absteve de criticar a Rússia por sua invasão da Ucrânia, o que deixou a comunidade global desapontada.

Em abril, a empresa alertou que o ressurgimento da Covid-19 poderia impactar negativamente as vendas no valor de US$ 8 bilhões no trimestre atual.

De acordo com analistas, mais de 90% dos produtos da Apple, incluindo iPhones, iPads e laptops MacBook, têm sua base de fabricação na China.

A razão para a forte dependência da China é impulsionada por uma série de benefícios importantes que incluem o menor custo de produção na China em relação aos EUA, uma rede robusta de fornecedores de peças principais e uma força de trabalho exemplar e qualificada.

No entanto, a produção de muitas grandes corporações foi severamente atingida pelos bloqueios em Xangai e outras cidades como parte da política anti-Covid da China.

Na verdade, esta não é a primeira vez que a Apple faz um esforço para reduzir sua dependência da China. Mesmo antes da pandemia da Covid-19 estourar no início de 2020, a empresa expressou seus planos de construir capacidades de fabricação fora da China.

Consenso de Wall Street

Em 20 de maio, o analista da Wedbush, Daniel Ives, reiterou uma classificação de compra na Apple, com um preço-alvo de US$ 200 (potencial de valorização de 36,84%).

No geral, a ação AAPL tem uma classificação de consenso de compra forte (strong buy) com base em 21 classificações Buy e seis Hold. O preço-alvo médio da Apple de US$ 188,28 implica um potencial de alta de 36,84% em relação aos níveis atuais.

Deixe um comentário