Charles Schwab pagará US$ 187 milhões para liquidar acusações da SEC sobre taxas indevidas de Robo-advisor

LinkedIn

Charles Schwab (NYSE:SCHW) concordou em pagar US$ 187 milhões para encerrar uma investigação da SEC sobre supostas taxas ocultas cobradas pelo consultor robótico da empresa, Schwab Intelligent Portfolios, de acordo com um anúncio da agência na segunda-feira (13).

A Charles Schwab também é negociada na B3 através do ticker (BOV:SCHW34).

“Robo-advisor” é uma abreviação de um serviço de investimento digital que usa algoritmos para julgar como alocar o dinheiro dos indivíduos entre classes de ativos, como ações, títulos e dinheiro.

De março de 2015 a novembro de 2018, a Schwab não divulgou aos clientes que seu consultor-robô alocava fundos “de uma maneira que suas próprias análises internas mostravam que seria menos lucrativa para seus clientes na maioria das condições de mercado”, afirmou a SEC.

Como parte do acordo, três subsidiárias da Schwab – Charles Schwab & Co., Charles Schwab Investment Advisory e Schwab Wealth Investment Advisory – concordaram em pagar uma multa civil de US$ 135 milhões e um adicional de US$ 52 milhões em reembolso e juros aos clientes afetados.

Em um comunicado divulgado na segunda-feira, Schwab não admitiu nem negou as alegações e disse que a empresa está “satisfeita em deixar isso para trás”.

“Acreditamos que resolver o assunto desta forma é do melhor interesse de nossos clientes, empresa e acionistas, pois nos permite manter o foco em ajudar nossos clientes a investir no futuro”, segundo o comunicado. “Como sempre, estamos comprometidos em ganhar a confiança de nossos clientes todos os dias e trabalhamos diligentemente para manter os mais altos padrões de conduta profissional em toda a nossa organização.”

Robô-conselheiros estão ficando mais populares. Eles começaram a aparecer por volta de 2008, durante o advento do iPhone e uma cultura digital ascendente. Eles podem em breve deter mais de US$ 1 trilhão da riqueza dos americanos.

A dinâmica delineada pela SEC deveu-se a um “cash drag” não divulgado nas carteiras de clientes da Schwab, disse a agência.

O dinheiro geralmente rende retornos mais baixos do que as ações, por exemplo, durante períodos de baixas taxas de juros e um mercado de ações em alta, como foi a tendência direcional ao longo de 2015-2018.

Schwab anunciou que as alocações de caixa dos clientes eram determinadas por uma rigorosa metodologia de portfólio que buscava retornos ótimos, de acordo com a SEC. Mas os dados da empresa mostraram que as alocações de caixa levariam os clientes a ganhar menos dinheiro pela mesma quantidade de risco na maioria das circunstâncias, disse a SEC.

A empresa lucrava ao transferir dinheiro para um banco afiliado, emprestando o dinheiro e embolsando a diferença entre os juros do empréstimo que recebeu e os juros em dinheiro que pagou aos clientes do consultor-robô, de acordo com a SEC.

“A conduta de Schwab foi flagrante, e a ação de hoje envia uma mensagem clara aos consultores de que eles precisam ser transparentes com os clientes sobre taxas ocultas e como essas taxas afetam os retornos dos clientes”, disse Gurbir S. Grewal, diretor da divisão de fiscalização da SEC, na segunda-feira.

No entanto, Schwab destacou que seu Schwab Intelligent Portfolios Service permite que os investidores optem por não pagar uma taxa de consultoria em troca de permitir que a empresa retenha alguns recursos em dinheiro.

A empresa disse que “não esconde o fato de que nossa empresa gera receita pelos serviços que prestamos” e acha que o caixa é um “componente fundamental de qualquer estratégia de investimento sólida em diferentes ciclos de mercado”.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário