Os desafios mais difíceis para criptomoedas estão à frente, não no espelho retrovisor

LinkedIn

Com mais de US$ 1 trilhão em valor de criptomoeda eliminado desde a grande máxima de 2021, muitos investidores podem ficar tentados a entrar na órbita da criptomoeda a um preço potencialmente atraente e mais baixo.

Afinal, reduções dramáticas anteriores nas avaliações de criptomoedas foram seguidas por um crescimento explosivo – e toda essa volatilidade pode ser justificada como o processo de descoberta de preços esperado de uma importante nova classe de ativos.

No entanto, os riscos mais profundos para o investimento em criptomoedas podem estar à frente, e não no espelho retrovisor. Os investidores que contemplam uma alocação de longo prazo para criptomoedas devem permanecer cautelosos por cinco razões principais.

1. O retorno ajustado ao risco do Bitcoin foi ‘normal’

Depois de uma primeira década deslumbrante, o bitcoin se tornou um adolescente um tanto problemático. Em seus primeiros dias, o bitcoin (BINA:BTCUSDT) tinha uma correlação quase zero com amplas ações e commodities, proporcionando o potencial para uma verdadeira diversificação de portfólio.

No entanto, à medida que o investimento em criptomoedas se tornou mais popular, e especialmente desde 2020, a correlação do bitcoin com ações e títulos dos EUA aumentou acentuadamente e permaneceu consistentemente positiva.

Isso pode ser bom se o bitcoin oferecer retornos ajustados ao risco espetaculares como compensação. Infelizmente, evidências empíricas recentes mostram o contrário: desde 2018, o retorno ajustado ao risco do bitcoin tem sido bastante normal em comparação com ações e títulos.

2. As propriedades de ‘porto seguro’ da criptografia permanecem não comprovadas

Apesar de todo o hype como ouro digital, as criptomoedas falharam em demonstrar “porto seguro” ou propriedades de combate à inflação quando confrontadas com a volatilidade real do mercado ou o primeiro surto real de inflação séria nos mercados desenvolvidos.

Entre 2010 e 2022, o bitcoin registrou 27 episódios de rebaixamentos de 25% ou mais. Em comparação, ações e commodities registraram apenas um cada. Mesmo na liquidação do mercado relacionada à pandemia de março de 2020, o bitcoin sofreu rebaixamentos significativamente mais profundos do que as classes de ativos convencionais, como ações ou títulos.

Da mesma forma, enquanto o fornecimento fixo de bitcoin – codificado em seu blockchain – pode implicar uma resistência à degradação monetária, nos episódios recentes de inflação global elevada, o bitcoin forneceu proteção limitada à inflação com preços caindo mesmo com picos de inflação nos EUA, Reino Unido e Europa.

3. As criptomoedas entram em conflito com os objetivos ESG

As criptomoedas permanecem profundamente problemáticas do ponto de vista ambiental, social e de governança, ou ESG. Isso é verdade mesmo que a transição da prova de trabalho para a prova de participação que a plataforma de software baseada em blockchain ethereum está liderando reduza o enorme consumo de energia que sustenta a mineração e validação de criptografia.

Ambientalmente, o bitcoin – que representa mais de 40% do valor atual do mercado de criptomoedas – continuará a usar um processo de validação em que uma única transação requer energia suficiente para alimentar uma casa média por dois meses.

Socialmente, a promessa de inclusão financeira das criptomoedas também parece exagerada, com a riqueza criptográfica tão desigualmente distribuída quanto a riqueza convencional e com serviços simples de pagamento por telefone, como M-Pesa no Quênia ou os pilotos de remessas internacionais do Grameen Bank em Bangladesh já fornecendo uma plataforma digital para famílias desbancarizadas — sem a necessidade de uma nova moeda ou infraestrutura de pagamento.

O mais preocupante para investidores com objetivos ESG, no entanto, são os problemas de governança com criptomoedas cujas estruturas descentralizadas e anonimato as tornam especialmente atraentes para atividades ilícitas, lavagem de dinheiro e evasão de sanções.

O aumento do comércio entre rublo e criptomoedas após sanções à Rússia após a guerra na Ucrânia sugere que a evasão de sanções financeiras não é apenas uma preocupação teórica. A manipulação de mercado é outra área de preocupação da governança, especialmente com influenciadores de criptomoedas de celebridades que podem fazer com que os preços de mercado subam ou despenquem impunemente.

4. Stablecoins ‘podem ser redundantes’

Mesmo deixando de lado a recente implosão da stablecoin Terra, o universo sobrevivente das stablecoins enfrenta um risco potencialmente existencial: elas podem se tornar redundantes quando as moedas digitais do banco central, também chamadas de CBDCs, se tornarem comuns. Isso ocorre porque um dólar digital, euro ou libra esterlina forneceria toda a funcionalidade das stablecoins – mas com quase nenhum risco de liquidez ou crédito.

Em outras palavras, mesmo que as stablecoins se transformassem de seu status atual como fundos não regulamentados do mercado monetário (com transparência limitada ou auditoria de reservas) em tokens digitais regulamentados, elas não trariam nenhum benefício sobre as CBDCs. É importante ressaltar que essas moedas digitais do banco central podem não ser uma perspectiva distante. A China já lançou uma moeda eletrônica conhecida como yuan digital, ou e-CNY.

O Fed divulgou um estudo há muito aguardado sobre um dólar digital no início de 2022, e o BCE compartilhará suas descobertas sobre a viabilidade de um euro digital em 2023.

5. A regulamentação de retalhos cria incerteza

Por fim, a falta de regulamentação clara e uniforme sobre criptomoedas – dentro e entre países – cria uma tremenda incerteza para investidores de longo prazo. Ainda não está claro nos EUA, por exemplo, quando uma criptomoeda se enquadra na estrutura regulatória de um título sujeito aos regulamentos da Securities and Exchange Commission e quando é considerado um ativo ou commodity como bitcoin e Ether reivindicaram.

De fato, em alguns países, as criptomoedas estão enfrentando uma proibição total. A proibição abrupta da China de todo o comércio e mineração de criptomoedas em 2021 é um exemplo proeminente, mas não o único. Os reguladores também estão preocupados com as falhas notáveis ​​​​e repetidas na infraestrutura de suporte à mineração e comércio de criptomoedas – outra área em que permanece uma incerteza regulatória significativa.

É claro que o impulso, a especulação no varejo e o “medo de perder oportunidade” podem continuar a aumentar o preço de curto prazo do bitcoin, ether e outras criptomoedas. Mas há nuvens escuras suficientes no horizonte das criptomoedas que os investidores de longo prazo podem querer observar cuidadosamente do lado de fora para entender melhor o fato versus a ficção e o valor verdadeiro versus o hype da mídia social antes de decidir como, onde e se investir no ecossistema cripto.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário