Minerva Foods (BEEF3): lucro líquido de R$ 424,7 milhões no 2T22, alta de 264%

LinkedIn

A Minerva Foods registrou lucro líquido de R$ 424,7 milhões no segundo trimestre de 2022 (2T22), alta de 264% na base anual.

A receita líquida subiu 34,7%, para R$ 8,47 bilhões. Com isso, a margem Ebitda (Ebitda sobre receita) foi a 9,2%, um avanço de 0,5 ponto percentual (p.p.) na base de comparação com igual período de 2021.

No acumulado do ano, a receita liquida contabilizou R$ 15,7 bilhões, um aumento de 29,9% quando comparado ao mesmo período de 2021. Nos últimos doze meses encerrados em junho de 2022, a receita líquida consolidada totalizou R$ 30,6 bilhões, uma forte expansão de 33,3% ante o mesmo período de 2021 e patamar recorde para a Companhia.

Ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – totalizou R$ 778 milhões, representando uma alta de 42,8% na comparação anual, com margem de 9,2%.

As despesas com vendas representaram 7,2% da receita líquida, e as despesas gerais e administrativas, 2,9%.

O abate total no período subiu para 1 milhão de cabeças, em comparação com o total de 869 mil no mesmo período do ano passado. Segundo a Minerva, o crescimento foi impulsionado pela forte demanda por proteína bovina no mercado internacional, além da crescente disponibilidade de animais prontos para o abate, em particular no Brasil.

O resultado financeiro líquido da Companhia foi negativo em R$ 262,1 milhões. Vale destacar, como resultado da nossa política de gerenciamento de riscos, obtivemos um resultado positivo de R$ 201,3 milhões nos instrumentos financeiros de proteção cambial, fundamentais na proteção do nosso balanço nesse cenário de elevada volatilidade.

A geração de caixa livre alcançou R$ 415,7 milhões no segundo trimestre de 2022. O frigorífico também encerrou o 2T22 com uma posição de caixa de R$ 6,2 bilhões e com o indicador Dívida Líquida/Ebitda dos últimos doze meses em 2,3 vezes.

No segundo trimestre de 2022, o volume consolidado de abate totalizou 1,036 milhão de cabeças, um crescimento de aproximadamente 19% tanto na base anual quanto na base trimestral. Para os 6 primeiros meses do ano, o abate somou 1,910 milhão de cabeças de gado, alta de 10,4% quando comparado ao mesmo período de 2021.

“O crescimento do abate é impulsionado pela forte demanda por proteína bovina no mercado internacional, além da crescente disponibilidade de animais prontos para o abate, em particular, no Brasil”, aponta.

A companhia ainda destacou que, no 2T22, “manteve-se como a principal exportadora de carne bovina do continente. O market share da Companhia nas exportações da América do Sul foi de aproximadamente 20% no período”.

As exportações, no 2T22, geraram receita de R$ 6,4 bilhões, expansão de 36,5% na comparação com o mesmo período de 2021 e de 18,8% ante o 1T22. Na primeira metade do ano, as exportações atingiram R$ 11,7 bilhões, alta de 33% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Nos últimos doze meses encerrados em junho de 2022, a receita de exportação totalizou R$ 22,2 bilhões, forte crescimento de 35,3%.

“O crescimento da performance do mercado externo é explicado principalmente pela forte demanda internacional por carne bovina, em particular no mercado asiático, que combinada com a escassa oferta da proteína beneficia os países exportadores da América do Sul”, destaca.

A performance do mercado externo na operação Brasil, totalizou 71% da receita bruta no 2T22 e 68% nos últimos doze meses encerrados em junho. Já nas operações ex-Brasil (Argentina, Colômbia, Paraguai e Uruguai) as exportações representaram 75% da receita bruta tanto no trimestre como nos últimos doze meses até o segundo trimestre.

A receita bruta do mercado interno alcançou R$ 2,6 bilhões, alta de 29,5% quando comparado ao 2T21 e crescimento de 14,5% ante o trimestre anterior. No LTM2T22, a receita bruta do mercado interno totalizou R$ 10,2 bilhões, expansão de 29,4% na comparação com o LTM2T21.

Os investimentos totalizaram R$ 179 milhões no 2T22. Desse montante, cerca de R$ 103,8 milhões foram destinados à manutenção e R$ 75,2 milhões foram utilizados para expansão.

A Minerva encerrou o 2T22 com uma dívida líquida de R$ 6,6 bilhões, crescimento de 24,4% na comparação anual, e com uma posição de caixa de R$ 6,2 bilhões. Assim, o indicador Dívida Líquida/Ebitda no final do segundo trimestre estava em 2,3x, patamar inferior ante os períodos anteriores, segundo a companhia.

Os resultados da Minerva Foods (BOV:BEEF3) referentes suas operações do segundo trimestre de 2022 foram divulgados no dia 11/08/2022. Confira o Press release na íntegra!

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão

Deixe um comentário