Presidente do McDonald’s nos EUA diz que lei de fast-food da Califórnia visa injustamente grandes redes

LinkedIn

O presidente do McDonald’s (NYSE:MCD) dos Estados Unidos criticaram publicamente na quarta-feira (31) um projeto de lei histórico da Califórnia que daria ao estado mais controle sobre os salários dos trabalhadores de fast-food, dizendo que visa injustamente as grandes redes.

O McDonald’s também é negociado na B3 através do ticker (BOV:MCDC34).

As declarações de Joe Erlinger, presidente do McDonald’s nos EUA, vêm depois que o Senado do estado da Califórnia aprovou no início desta semana um projeto de lei que daria a um conselho de 10 pessoas autoridade para aumentar o salário mínimo do setor para até US$ 22 por hora para redes com mais de 100 locais em todo o país. O piso salarial atual da Califórnia é de US$ 15,50 por hora. O conselho também teria autoridade para estabelecer condições de segurança.

Os defensores do projeto dizem que ele capacitará os trabalhadores de fast-food e ajudará a resolver problemas do setor, como condições inseguras de trabalho, falta de fornecimento de benefícios, ou o não pagamento de horas extras aos funcionários. Mas o FAST Act enfrenta forte oposição da indústria de restaurantes, que teme o impacto nos restaurantes da Califórnia e o exemplo que estabelece para outros estados.

“Isso impõe custos mais altos em um tipo de restaurante, enquanto poupa outro. Isso é verdade mesmo que esses dois restaurantes tenham a mesma receita e o mesmo número de funcionários”, escreveu Erlinger em uma carta postada no site da empresa na quarta-feira.

Por exemplo, Erlinger disse que um franqueado do McDonald’s com dois locais estaria sujeito à conta, já que faz parte de uma grande rede nacional. Mas ele disse que o dono de 20 restaurantes que não fazem parte de uma rede estaria isento.

“Os aumentos salariais agressivos não são ruins… Mas se é essencial aumentar os salários dos trabalhadores de restaurantes e proteger seu bem-estar – e é – todos os trabalhadores de restaurantes não deveriam se beneficiar?” escreveu Erlinger.

É raro o McDonald’s falar publicamente contra a legislação estadual, embora a rede tenha pressionado seus franqueados a fazer lobby contra o projeto da Califórnia. Quase 10% dos restaurantes do McDonald’s nos EUA estão localizados na Califórnia, de acordo com a Citi Research.

O McDonald’s opera apenas cerca de 5% de seus mais de 13.000 locais nos EUA. Seus franqueados operam o resto, mas a rede geralmente faz lobby em seu nome. Em 2019, o McDonald’s disse à National Restaurant Association que não se oporia mais a aumentos federais, estaduais ou locais do salário mínimo.

Outras empresas de restaurantes também estão lutando contra a conta. Registros estaduais mostram que o Chipotle Mexican Grill (CMG, C1MG34), Chick-fil-A, Yum Brands (YUMR34), Restaurant Brands International (QSR), estão entre as redes que vêm gastando dinheiro para pressionar os legisladores da Califórnia a se oporem à legislação.

A National Restaurant Association, um grupo do setor, também gastou pelo menos US$ 140.000 para combater a conta, de acordo com registros da Califórnia. A presidente da organização, Michelle Korsmo, disse em comunicado que 45% dos operadores de restaurantes da Califórnia relatam que as condições de negócios estão piores hoje do que há três meses.

“O FAST Act não vai atingir seu objetivo de proporcionar um ambiente melhor para a força de trabalho, vai forçar os resultados que nossas comunidades não querem ver”, disse ela.

Uma versão mais rigorosa do FAST Act que tornaria franqueadores como o McDonald’s responsáveis ​​pelas violações trabalhistas de seus franqueados foi aprovada na Assembleia Estadual da Califórnia. Mas o número de mudanças feitas na versão do Senado significa que o projeto de lei será votado novamente na assembléia ou reconciliado antes de chegar à mesa do governador Gavin Newsom.

Newsom não indicou se vai assinar ou vetar o projeto de lei, embora seu Departamento de Finanças se oponha à versão inicial do projeto.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário