Índice de confiança do consumidor subiu 5,4 pontos em setembro

LinkedIn

A confiança do consumidor subiu 5,4 pontos em setembro ante agosto, na série com ajuste sazonal, informou nesta segunda-feira (26) a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) ficou em 89,0 pontos, no maior nível desde janeiro de 2020, quando estava em 90,4 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 3,3 pontos.

“A confiança dos consumidores sobe pelo quarto mês consecutivo, influenciada pelas perspectivas mais otimistas em relação aos próximos meses, que pela primeira vez atingem os 100 pontos desde março de 2019”, disse em nota avalia Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das Sondagens do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV).

Segundo ela, o pode estar relacionado com a queda nas expectativas de inflação dos consumidores para os próximos 12 meses e um aumento do otimismo em relação ao mercado de trabalho.

A coordenadora afirma ainda que há um aumento na intenção de consumo, exceto para os consumidores de renda mais baixa, o que reflete ainda as dificuldades dessa classe. “Além disso, a proximidade das eleições tem um efeito potencializador dessas expectativas. É necessário ter cautela nesses resultados, considerando uma política monetária ainda restritiva e a possibilidade de desaceleração da atividade econômica, que reduziria a velocidade de recuperação do mercado de trabalho”, disse.

Expectativa positiva sobe

Em setembro, o Índice de Situação Atual (ISA) cresceu 1,6 ponto, para 73,3 pontos. O Índice de Expectativas (IE) subiu 7,6 pontos, para 100,2 pontos, maior nível desde dezembro de 2019.

A percepção sobre a situação econômica aumentou 2,5 pontos, para 82,3 pontos, maior nível desde fevereiro de 2020. A avaliação sobre a situação financeira da família cresceu 0,8 ponto, para 64,9 pontos, nível ainda baixo em termos históricos.

O quesito que mais contribuiu para a alta da confiança no mês foi o que mede o otimismo das famílias em relação à situação financeira nos próximos seis meses, com alta de 10,4 pontos, para 100,8 pontos.

O componente que mede a situação econômica como um todo avançou 6,1 pontos, para 115,4 pontos. A intenção de compra de bens duráveis teve elevação de 5,4 pontos, acumulando alta de 16,7 pontos nos dois últimos meses, para 84,4 pontos.

Renda mais alta

A análise por faixa de renda mostrou que o resultado positivo foi mais influenciado pelos consumidores com maior poder aquisitivo, cuja confiança se mantém acima dos 90 pontos, apontou a FGV.

O indicador de confiança avançou mais para as famílias com renda mensal entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600,00, com alta de 10,7 pontos para 98,3 pontos. Entre as famílias com renda mensal até R$ 2.100,00, o indicador subiu 1,3 ponto, para 76,3 pontos.

A Sondagem do Consumidor coletou entrevistas entre os dias 1º e 21 de setembro.

Deixe um comentário