ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for smarter Negocie de forma mais inteligente, não mais difícil: Libere seu potencial com nosso conjunto de ferramentas e discussões ao vivo.

UE finaliza texto legal para regulamentos de criptografia de referência sob o MiCA

LinkedIn

A União Europeia finalizou o texto completo de sua legislação histórica de Markets in Crypto Assets (MiCA). Oficialmente, o texto ainda está aberto a comentários, mas fontes informadas sobre as negociações disseram que está, na prática, finalizado.

Um rascunho vazado do projeto de lei datado de 20 de setembro pede aos aplicadores da UE que adotem uma abordagem de “substância sobre a forma” da lei, o que significa que suas disposições podem até se aplicar a alguns ativos classificados como tokens não fungíveis (NFT).

O MiCA, uma vez aprovado em lei, exigirá que os emissores de criptoativos publiquem white papers contendo roteiros técnicos, para que as plataformas se registrem nas autoridades, exija que os emissores de stablecoin mantenham capital e sejam gerenciados com prudência.

O novo rascunho também apresenta mudanças que podem indicar como a UE pode tratar stablecoins algorítmicos, que foram notavelmente excluídos do escopo do MiCA quando foi introduzido pela primeira vez em 2020. Stablecoins algorítmicos – semelhantes ao terraUSD (UST), que usava outra criptomoeda e um pouco de código para equilibrar seu preço e oferta – deve se enquadrar no escopo da regulamentação “independentemente de como o emissor pretende projetar o ativo criptográfico, incluindo o mecanismo para manter um valor estável”.

“Os oferentes ou pessoas que buscam admissão à negociação de ativos criptográficos algorítmicos que não visam estabilizar o valor dos ativos criptográficos por referência a um ou vários ativos devem, em qualquer caso, cumprir o Título II deste regulamento”, disse um considerando no projeto, referindo-se à seção da lei que estabelece requisitos para emissores de criptoativos.

Um considerando é um texto que introduz uma lei da UE e expõe a sua motivação. Embora não – ao contrário dos artigos substantivos do regulamento – juridicamente vinculativo, um considerando pode ser usado por supervisores e tribunais ao interpretar o alcance da legislação.

Um rascunho mais antigo também buscava limitar a emissão de stablecoins lastreadas em reservas de ativos que eram denominadas em uma “moeda de fora da UE” para introduzir “uma denominação mínima ou limitar o valor emitido”, que a indústria temia que bloqueasse a popularização stablecoins atreladas ao dólar americano como USDC fora do mercado da UE. O novo rascunho propõe que esta regra seja modificada para se aplicar a todos os emissores de stablecoins lastreadas em ativos, independentemente da moeda de denominação.

Os NFTs estão dentro ou fora?

As NFTs normalmente são projetadas para ter um identificador digital exclusivo que não pode ser copiado, trocado ou subdividido, mas o aumento de ativos fracionados – onde um conjunto de tokens fungíveis é emitido para representar uma NFT – vem chamando a atenção dos reguladores, pois podem se assemelhar títulos tradicionais.

Embora o rascunho vazado – discutido em uma série de reuniões técnicas após um acordo de 30 de junho – mostre que o MiCA não se aplica a NFTs que são genuinamente únicos e incapazes de serem negociados entre si, “a emissão de ativos criptográficos como não tokens fungíveis em uma grande série ou coleção devem ser considerados como um indicador de sua fungibilidade”, diz o texto final do compromisso em um considerando, mesmo que o emissor tenha dado um identificador único.

Os detalhes da disposição causaram preocupação no setor. A redação exata usada pode determinar se, na prática, o regulamento abrange a maior parte do mercado de NFT – como Bored Apes semelhantes, mas distintos, o que implica que emissores e plataformas de negociação seriam pegos por suas restrições.

Ao considerar a possibilidade de regular um determinado ativo, os reguladores nacionais e da UE “devem adotar uma abordagem de substância sobre forma sob a qual as características do ativo em questão devem determinar a qualificação, não sua designação pelos usuários”, acrescentou o texto.

Com informações de CoinDesk

Deixe um comentário