Ações do Credit Suisse caem 10% na Europa em meio à reestruturação e preocupações de capital

LinkedIn

As ações do Credit Suisse caíram quase 10% na sessão da manhã na Europa, depois que o Financial Times informou que os executivos do banco suíço estão conversando com seus principais investidores para tranquilizá-los em meio a crescentes preocupações com a saúde financeira do banco suíço.

O Credit Suisse também é negociado na B3 através do ticker (BOV:C1SU34).

Um executivo envolvido nas negociações disse ao Financial Times que as equipes do banco estavam se envolvendo ativamente com seus principais clientes e contrapartes no fim de semana, acrescentando que estavam recebendo “mensagens de apoio” dos principais investidores.

Em comunicado à CNBC na segunda-feira, o banco disse que fornecerá atualizações sobre sua revisão de estratégia quando divulgar seus resultados do terceiro trimestre em 27 de outubro.

“ Seria prematuro comentar sobre quaisquer resultados potenciais antes disso”, disse.

Os spreads dos credit default swaps (CDS) do banco, que fornecem aos investidores proteção contra riscos financeiros como a inadimplência, subiram acentuadamente na sexta-feira. Eles seguiram relatos de que o credor suíço está procurando levantar capital, citando um memorando de seu presidente-executivo, Ulrich Koerner.

As ações negociadas em Nova York (NYSE:CS) caíram cerca de 60% no ano.

“Confio que você não está confundindo nosso desempenho diário do preço das ações com a forte base de capital e posição de liquidez do banco”, disse o CEO em um memorando separado.

O FT disse que o executivo negou relatos de que o credor suíço havia abordado formalmente seus investidores sobre a possibilidade de levantar mais capital e insistiu que o Credit Suisse “estava tentando evitar tal movimento com o preço de suas ações em baixas recordes e custos de empréstimos mais altos devido a rebaixamentos de classificação”.

O banco disse à Reuters que está em processo de revisão de estratégia que inclui potenciais desinvestimentos e vendas de ativos.

O Credit Suisse também está conversando com investidores para levantar capital com vários cenários em mente, disse a Reuters, citando pessoas familiarizadas com o assunto dizendo que inclui uma chance de que o banco possa sair “em grande parte” do mercado norte-americano.

O mais recente do Credit Suisse sinaliza um “período difícil” à frente, mas pode levar a uma mudança na direção do Federal Reserve dos EUA, disse John Vail, estrategista-chefe global da Nikko Asset Management na segunda-feira.

“O lado positivo no final deste período é o fato de que os bancos centrais provavelmente começarão a ceder algum tempo, já que a inflação está baixa e as condições financeiras pioram drasticamente”, disse Vail. “Não acho que seja o fim do mundo.”

“Lutamos para ver algo sistêmico”, disseram analistas do Citi em relatório sobre o possível “impacto de contágio” nos bancos americanos por “um grande banco europeu”. Os analistas não citaram o Credit Suisse.

“Entendemos a natureza das preocupações, mas a situação atual é noite e dia a partir de 2007, pois os balanços são fundamentalmente diferentes em termos de capital e liquidez”, disse o relatório, referindo-se à crise financeira que se desfez em 2007.

“Acreditamos que as ações dos bancos americanos são muito atraentes aqui”, disse o relatório.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário