Lojas Renner (LREN3): lucro líquido de R$ 257,9 milhões no 3T22, alta de 50%

LinkedIn

A varejista Lojas Renner registrou lucro líquido de R$ 257,9 milhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 50% em relação ao mesmo período de 2021.

A companhia explica que o lucro líquido indicador foi superior ao de um ano atrás, “em função da melhor geração operacional do segmento de varejo, da menor alíquota efetiva de IR&CS, beneficiada pelo maior valor deliberado de juros sobre o capital próprio, bem como por incentivos fiscais considerados como subvenção para investimento”.

A receita líquida consolidada foi de R$ 3,017 bilhões, uma alta de 14,8% em relação ao mesmo período de 2021. E reportou, porém, que na área de serviços financeiros, a inadimplência segue como ponto de atenção, mas disse que novas safras já apresentam melhor desempenho.

ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – ajustado foi de R$ 459,5 milhões, crescimento de 5%. As projeções Refinitiv eram de lucro de R$ 163,5 milhões, Ebitda de R$ 360,38 milhões e receita de R$ 3,074 bilhões.

Já o Ebitda avançou, parcialmente, pela melhora do lucro bruto, com a varejista diluindo parte do custo dos produtos vendidos (CPV).

“A margem bruta do varejo se manteve saudável, com evolução de 0,4 ponto percentual ante o mesmo trimestre do ano anterior e com trajetória de recuperação em direção a patamares pré-pandemia”, diz a Lojas Renner no documento publicado.

“Esta performance é decorrente dos ajustes parciais dos efeitos da inflação e câmbio nos preços de venda, bem como da correta composição dos estoques, com qualidade, idade e mix, refletindo a aceitação da coleção”.

As vendas digitais apresentaram forte ritmo de crescimento neste trimestre, com alta de 29,4% ante o mesmo período do ano anterior, totalizando um GMV de R$ 494,7 milhões, que representou 14,5% do GMV total da Companhia, com aumento de 2,2p.p. ante o 3T21. O marketplace, que atualmente conta com 466 e 337 sellers na Camicado e na Renner, respectivamente, foram destaque no período e, combinados, representaram 9,8% do GMV digital. Já os canais marketplace (Alameda Renner), Favoritos Renner, B2B e Whatsapp, juntos eles representaram cerca de 25% do GMV digital.

As despesas operacionais saltou 16,3% no ano, para R$ 1,01 bilhão, com a participação desta frente na receita aumentando levemente no ano, de 36,5% para 38,5%.

“Isso se deu, principalmente, por conta dos maiores níveis de Despesas Gerais e Administrativas, que refletem maiores investimentos no desenvolvimento dos pilares do ecossistema de moda e lifestyle, bem como aos gastos atrelados ao novo centro de distribuição de Cabreúva”, justifica a Lojas Renner. ” Por outro lado, a participação das Despesas com Vendas apresentou redução em razão dos maiores volumes vendidos no trimestre”, compensam.

No braço financeiro, a varejista registrou uma receita crescendo 46,1%, para R$ 366,3 milhões, mas viu também as perdas em créditos crescerem 216,8%, a R$ 236,9 milhões. O resultado líquido desse braço , com isso, caiu 74,5% na base anual, saindo de R$ 74,5 milhões para R$ 19 milhões.

A companhia menciona que a deterioração se deu devido ao cenário de crédito no Brasil. A carteira de crédito da Lojas Renner saltou 51,8% no ano, para R$ 5,6 bilhões.

O Resultado Financeiro Líquido foi negativo em R$ 0,1 milhão versus R$ 18,5 milhões também negativos no 3T21, principalmente pela posição de caixa líquido e pelo aumento da SELIC.

Apesar de as despesas financeiras terem avançado 83,8% na comparação, para R$ 240,6 milhões, por conta principalmente dos maiores gastos com juros, a empresa viu suas receitas financeiras saltarem 113,9%, por conta da variação cambial e rendimentos de aplicações.

A geração de fluxo de caixa livre foi de R$ 83,8 milhões, queda de 168,3% ante o caixa livre de R$ 252 milhões do terceiro trimestre de 2021.

Os investimentos foram maiores ante o 3T21, principalmente em razão do contínuo investimento nas frentes tecnológicas relacionadas ao desenvolvimento do ecossistema de moda e lifestyle.

As Depreciações e Amortizações totalizaram R$ 126,8 milhões no trimestre, 9,3% maior ante o 3T21, em função, notadamente, do aumento nos ativos relativos à sistemas de TI e da continuidade do plano de expansão de lojas. Já a Depreciação do Direito de Uso (IFRS 16) totalizou R$ 124,4 milhões, alta de 12,7%, em razão do aumento do número de lojas, bem como do efeito da inflação sobre aluguéis.

A Lojas Renner fechou setembro com um caixa líquido de R$ 998,6 milhões, ante R$ 2,4 bilhões no mesmo período de 2021.

Os resultados da Lojas Renner (BOV:LREN3) referente suas operações do terceiro trimestre de 2021 foram divulgados no dia 03/11/2022. Confira o Press Release completo!

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Reuters

Deixe um comentário