ADVFN Logo

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Registration Strip Icon for discussion Cadastre-se para interagir em nossos fóruns de ativos e discutir com investidores ideias semelhantes.

Blockchain aumenta o valor dos direitos de mídia para NFL, NBA e todos os esportes

LinkedIn

Ligas e conferências esportivas tradicionalmente contam com acordos em massa com plataformas de mídia centralizadas como ESPN, Fox, CBS, NBC e TNT para maximizar o valor de seus direitos de mídia. Mais recentemente, algumas das plataformas tecnológicas, como a Amazon e Apple estão entrando na briga para disputar esses direitos.

A tecnologia Blockchain tem o potencial de revolucionar a forma como os direitos esportivos são administrados pela NFL, NBA, MLB e todos os proprietários de mídia esportiva. Ao alavancar os recursos de segurança e descentralização do blockchain, as micro transações podem ser feitas com mais eficiência, envolver os fãs da maneira mais personalizada e permitir novos fluxos de receita em um mundo cada vez mais direto ao consumidor (DTC).

Com o surgimento da tecnologia de streaming e a crescente demanda por experiências mais personalizadas, as ligas já estão incorporando uma abordagem mais DTC em sua estratégia. A NBA e a MLB lançaram ofertas de DTC e a NFL no ano passado lançou o NFL+, uma coleção de jogos que podem ser transmitidos ao vivo. Em cada caso, essas ofertas de DTC estão sujeitas a acordos de mídia abrangentes com as “plataformas” de mídia que geralmente envolvem direitos exclusivos para transmissão de jogos.

Por exemplo, depois que a NBA vende os direitos exclusivos de mídia de uma lista de seus jogos para a ESPN e a TNT, ela oferece os jogos restantes DTC em pacotes a granel. No entanto, à medida que entramos na próxima fase da evolução da mídia esportiva, a tecnologia blockchain mudará a forma como valorizamos e vendemos mídia.

O comissário da NBA, Adam Silver, declarou publicamente que cada momento de cada jogo da NBA tem um valor potencialmente diferente. Por exemplo, um jogo sem sentido na classificação tem menos valor do que dois contendores disputando o primeiro lugar na Conferência ou Divisão. Em um nível mais micro, um jogo fechado é mais valioso do que um blowout e o último minuto de um jogo importante, fechado ou de playoff tem ainda mais valor. As implicações de tudo isso são que partes dos jogos podem ser vendidas por meio de microtransações minuto a minuto usando preços dinâmicos. Esta oportunidade recém-descoberta fará com que as ligas repensem suas estratégias de direitos de mídia da mesma forma que fizeram quando o cabo surgiu como uma opção adicional e/ou alternativa à televisão aberta.

Relevante para esse desenvolvimento, a NBA tem lutado com um dilema: seu público jovem de fãs cobiçados pelos anunciantes costuma consumir clipes e destaques nas mídias sociais em vez de assistir às transmissões ao vivo. Como o tamanho da audiência determina o tamanho das taxas de direitos pagas pelas emissoras, caberia à NBA (ou outras ligas) vender certa programação em massa para plataformas de mídia, mas reter a capacidade de ir direto ao consumidor em jogos que não são abrangidos pelo acordo e reservam-se o direito de vender jogos individuais ou, pelo menos, partes de jogos. Essas microtransações, alimentadas por blockchain, podem ser mais atraentes para esse público mais jovem que tem apetite por consumir conteúdo personalizado de formato curto.

A natureza e o alcance dessas microtransações serão objeto de intensas negociações com essas plataformas de mídia porque elas alegarão que seu público será canibalizado. No entanto, esse é o mesmo argumento usado quando a transmissão ao vivo foi introduzida e estou confiante de que essas negociações serão resolvidas por meio de alguma forma de compromisso.

Supondo que a liga reteve esses direitos, os torcedores podem definir um alerta para automatizar a compra se for um ‘jogo fechado’ ou parar de visualizar/pagar se for uma explosão. Imagine poder comprar apenas os jogos da NFL que têm seus jogadores de fantasia no jogo no domingo, em vez de comprar o ingresso de domingo.

Essa mesma estratégia de blockchain pode ser usada pelas ligas para aumentar o envolvimento dos fãs e a monetização em suas transmissões, criando novas experiências de visualização para uma nova geração de fãs de esportes. Um exemplo é a criação de transmissões interativas que consistem em chamadas em tempo real para ações como “cunhagem ao vivo”, onde os códigos QR aparecem na tela em momentos-chave e os fãs podem responder a perguntas triviais para ganhar prêmios ou fazer compras por meio de NFTs. Isso pode encorajar os fãs a assistir ao vivo e se qualificar para ganhar coisas ou comprar “momentos mintable” quando testemunharem uma jogada incrível. Imagine receber um NFT POAP (comprovante de comparecimento) por testemunhar Stephen Curry tornar o jogo vencedor com 0,6 no relógio. Isso é algo que vale a pena passar para seus filhos.

Com informações de Forbes/Leonardo Armando

Deixe um comentário

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

Support: (11) 4950 5808 | suporte@advfn.com.br