ADVFN Logo

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Registration Strip Icon for discussion Cadastre-se para interagir em nossos fóruns de ativos e discutir com investidores ideias semelhantes.

Representante da Microsoft revela que parcerias com Google limitaram o crescimento do Bing

LinkedIn

A Apple (NASDAQ:AAPL) e várias outras empresas de smartphones optaram por não entrar em acordos de partilha de receitas que beneficiariam o Bing da Microsoft (NASDAQ:MSFT), escolhendo, ao invés disso, manter o Google da Alphabet (NASDAQ:GOOGL) como o mecanismo de busca predefinido, conforme revelado por Jonathan Tinter, vice-presidente da Microsoft, em um recente julgamento antitruste nos Estados Unidos.

A Apple, Microsoft e Alphabet também são negociadas na B3 através do ticker (BOV:AAPL34), (BOV:MSFT34) e (BOV:GOGL34), respectivamente.

Este julgamento, movido pelo Departamento de Justiça dos EUA contra o Google, alega que o Google paga aproximadamente 10 bilhões de dólares por ano a fabricantes de smartphones e operadoras de telefonia móvel para assegurar a predominância de seu mecanismo de busca em dispositivos móveis. O governo sustenta que tal prática evidencia o abuso do poder monopolista do Google no mercado de buscas e em certos segmentos de publicidade.

Durante o seu depoimento, Tinter afirmou que o Bing tem enfrentado dificuldades para se tornar o mecanismo de busca padrão em smartphones comercializados nos Estados Unidos, o que resultou em serviços de busca de qualidade inferior devido à sua menor escala. Ele ainda esclareceu que, na última década, não houve qualquer smartphone Android ou Apple vendido nos EUA com o Bing como mecanismo de busca padrão, apesar das tentativas da Microsoft de propor acordos financeiramente vantajosos aos parceiros.

A discussão no tribunal também abordou se a preferência pelo Google em detrimento do Bing se devia a questões financeiras ou à inferioridade percebida do serviço de busca da Microsoft. Foi destacado um estudo de 2010 realizado pela Keystone Strategies, que constatou que muitos usuários que experimentaram o Bing acabaram por abandoná-lo rapidamente.

Um representante legal do Google ressaltou a baixa retenção de usuários pelo Bing, afirmando que a maioria dos novos usuários do Bing mobile deixa de utilizá-lo após um único dia de atividade. Tinter, no entanto, não corroborou totalmente essa afirmação.

Deixe um comentário

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

Support: (11) 4950 5808 | suporte@advfn.com.br