ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for default Cadastre-se gratuitamente para obter cotações em tempo real, gráficos interativos, fluxo de opções ao vivo e muito mais.

Projeções distintas de Morgan Stanley e Goldman Sachs para política monetária do Fed até 2025

LinkedIn

Economistas da Morgan Stanley (NYSE:MS) projetam cortes acentuados na taxa de juros pelo Federal Reserve nos próximos dois anos, à medida que a inflação diminui. Enquanto isso, analistas do Goldman Sachs Group Inc. (NYSE:GS) preveem menos reduções e um início mais tardio.

O Morgan Stanley e o Goldman Sachs também são negociadados na B3 através dos tickers (BOV:MSBR34) e (BOV:GSGI34), respectivamente.

Conforme a equipe de pesquisa da Morgan Stanley, liderada pela economista-chefe dos EUA, Ellen Zentner, o banco central começará a reduzir as taxas em junho de 2024, seguido por cortes subsequentes em setembro e em cada reunião do quarto trimestre em diante. Essas reduções, de 25 pontos-base cada, levarão a taxa de política monetária a 2,375% até o final de 2025, conforme indicado no relatório de perspectivas de 2024 divulgado no domingo.

Por outro lado, o Goldman Sachs prevê a primeira redução de 25 pontos-base no quarto trimestre de 2024, seguida por um corte por trimestre até meados de 2026 — um total de 175 pontos-base, estabilizando as taxas na faixa de 3,5% a 3,75%. Essas previsões fazem parte de um relatório de perspectivas para 2024 do economista David Mericle, também publicado no domingo.

As projeções do Goldman Sachs estão mais alinhadas com as do próprio banco central. As projeções do Fed de setembro indicam dois cortes de um quarto de ponto para o próximo ano, com a taxa de política terminando 2025 em 3,9%, segundo as estimativas medianas dos formuladores de políticas. Os governadores do Fed e presidentes de bancos regionais atualizarão suas previsões na reunião do próximo mês.

A equipe da Morgan Stanley vê uma economia mais fraca que justifica uma maior magnitude de alívio monetário, embora não preveja recessão. Eles esperam que o desemprego atinja o pico de 4,3% em 2025, em comparação com a estimativa de 4,1% do Fed. O crescimento e a inflação também serão mais lentos do que os oficiais antecipam.

Aqui estão algumas das previsões de 2025 de Morgan Stanley e Goldman Sachs, comparadas com a mediana das projeções dos oficiais do Fed em setembro:

  • Taxa de fundos federais: Morgan Stanley – 2,375%, Goldman Sachs – 4,0%-4,25%, Federal Reserve – 3,9%
  • Taxa de desemprego: Morgan Stanley – 4,3%, Goldman Sachs – 3,6%, Federal Reserve – 4,1%
  • Variação no PIB real: Morgan Stanley – 1,4%, Goldman Sachs – 1,9%, Federal Reserve – 1,8%
  • Inflação do PCE básico: Morgan Stanley – 2,1%, Goldman Sachs – 2,2%, Federal Reserve – 2,3%

“Taxas altas por mais tempo causam um arrasto persistente, mais do que compensando o impulso fiscal e levando o crescimento de forma sustentável abaixo do potencial a partir do 3º trimestre de 2024”, disse o grupo de Zentner em seu relatório. “Mantemos nossa visão de que o Fed alcançará um pouso suave, mas o enfraquecimento do crescimento manterá vivos os temores de recessão.”

Os EUA devem evitar uma recessão, já que os empregadores mantêm os trabalhadores, mesmo com a desaceleração das contratações, afirmou a Morgan Stanley. Isso afetará a renda disponível e, consequentemente, o consumo, disseram eles.

A equipe também espera que o banco central comece a reduzir o aperto quantitativo em setembro, até encerrá-lo no início de 2025. Eles veem o Fed diminuindo os limites de redução dos Treasuries em US$ 10 bilhões por mês e continuando a reinvestir hipotecas em Treasuries.

O Goldman Sachs espera que o Fed mantenha taxas relativamente altas devido a uma taxa de equilíbrio mais alta, já que “os ventos contrários pós-crise financeira estão atrás de nós” e os déficits orçamentários maiores provavelmente persistirão e impulsionarão a demanda.

“Nossa previsão pode ser vista como um compromisso entre os oficiais do Fed que veem pouca razão para manter a taxa de fundos alta uma vez que o problema da inflação for resolvido e aqueles que veem pouca razão para estimular uma economia já forte”, escreveu Mericle, do Goldman.

Deixe um comentário