ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Crescimento Modesto na LVMH Sinaliza Desafios para o Setor de Luxo

LinkedIn

Em janeiro, Bernard Arnault, CEO e fundador da LVMH, expressou satisfação com a perspectiva de crescimento de 8% a 10% para a divisão de moda e artigos de couro do grupo para este ano. No entanto, uma expansão nesse patamar agora parece improvável. A unidade, liderada por gigantes como Louis Vuitton e Dior, registrou um aumento de apenas 2% nas vendas orgânicas, o menor crescimento desde 2016, excluindo o período de contração durante a pandemia.

Essa desaceleração surge após três anos de sucesso contínuo, e embora o resultado possa ter sido pior, ele destaca uma questão preocupante: se até mesmo o maior grupo de luxo do mundo enfrenta dificuldades para aumentar as vendas, os desafios para o restante do setor podem ser ainda mais formidáveis.

No geral, as vendas do grupo LVMH, ajustadas por movimentos cambiais e fusões e aquisições, cresceram 3% no trimestre encerrado em 31 de março, um resultado que está alinhado com as expectativas dos analistas. Este primeiro trimestre costuma ser complicado; por exemplo, no mesmo período de 2023, a reabertura da China após as restrições da covid-19 impulsionou uma corrida dos consumidores chineses por produtos de alta qualidade, enquanto que nos Estados Unidos e na Europa, apesar de alguns percalços, os resultados ainda eram considerados satisfatórios.

Em particular, as vendas de artigos de moda e couro para consumidores da China continental e no exterior cresceram quase 10% no primeiro trimestre de 2024, com o Japão se destacando devido ao iene fraco, que tornou os produtos mais acessíveis para compras no exterior.

Apesar de um desempenho decente, impulsionado por consumidores VIP e de classe média, ainda não está claro se os consumidores chineses podem reassumir a liderança no consumo de artigos de luxo. Nos Estados Unidos, os compradores ainda estão enfrentando pressões inflacionárias, o que é uma má notícia, especialmente porque a inflação parece persistente.

A divisão de vinhos e destilados da LVMH também viu uma queda de 12% nas vendas orgânicas, afetada pela cautela dos varejistas americanos em reabastecer estoques de conhaque, dado o declínio no consumo de bebidas caras, e por comemorações moderadas do Ano Novo Chinês.

No entanto, a situação da LVMH ainda parece mais promissora do que a de seus concorrentes, como a Kering, que está lutando para revitalizar a Gucci, e a Burberry, que tenta implementar uma mudança de direção criativa enquanto eleva sua marca.

Apesar dos desafios, o aumento de mais de 20% nas ações da LVMH desde meados de janeiro até agora reflete um otimismo do mercado. Este otimismo é alimentado pela expectativa de que o primeiro semestre deste ano represente o ponto mais baixo da demanda por luxo, com os investidores à procura de sinais de recuperação, especialmente nos EUA e qualquer melhoria no turismo de chineses na Europa.

Os mercados de ações estão próximos de recordes de alta, e o bitcoin ainda está em ascensão, embora abaixo do pico de março. Os preços dos relógios no mercado secundário também estão se estabilizando, o que pode ser um indicador crucial para o setor.

Por ora, esses aspectos positivos ainda parecem distantes, e os investidores estão se agarrando aos comentários de Arnault de que o setor está caminhando para uma estabilização, e não para uma queda abrupta. No entanto, essa estabilização ainda está longe de ser uma certeza.

Deixe um comentário