ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for pro Negocie como um profissional: Aproveite discussões em tempo real e ideias que movimentam o mercado para superar a concorrência.

Ibovespa sobe 0,44%, impulsionado pelos papéis preferenciais da Petrobras

LinkedIn

O Ibovespa encerrou em alta nesta terça-feira,, com leitura positiva de analistas sobre um acordo da estatal para encerrar disputa judicial envolvendo dívidas tributárias, cujos termos finais vieram melhores que o previsto.

O Índice Bovespa (Ibovespa), que reflete o desempenho médio das cotações das principais ações de empresas negociadas na BM&FBOVESPA, é formado pelas ações com maior volume negociado nos últimos meses.

De olho também em entrevista do presidente Luiz Inacio Lula da Silva (PT), em entrevista à rádio CBN pela manhã, e na expectativa por decisão do Copom, do Banco Central, amanhã, o Ibovespa encerrou em alta de 0,41%, aos 119.631 pontos. O volume de negócios ficou em R$ 18,3 bilhões, abaixo da média de 50 pregões.

Investidores reagiram às falas de Lula, que não descartou nenhuma medida para ajuste das contas públicas, mas defendeu que há muitas desonerações para ´ricos´ e que o ajuste não seja feito em cima dos mais pobres. Lula também argumentou que a equipe econômica precisa apresentar a necessidade de cortes de despesas.

Na entrevista, Lula ainda atacou o presidente do BC, Roberto Campos Neto, dizendo que o comportamento da autarquia está “desajustado”, que o país não pode continuar com uma taxa de juros tão alta e que Campos Neto tem lado político e trabalha para atrapalhar o Brasil. Sem citar nomes, Lula disse que escolherá para chefiar o BC no futuro uma pessoa “madura, calejada, responsável”, e que não se submeta a “pressões do mercado”.

Os comentários de Lula vieram em paralelo ao início hoje do primeiro dia de reunião do Comite de Política Monetária (Copom) do BC, que anunciará amanhã decisão sobre a taxa básica de juros Selic. O mercado espera que o Copom mantenha o juro inalterado, interrompendo pela primeira vez o ciclo de alívio iniciado em agosto de 2023, mas operadores estarão de olho em se a decisão será unanime ou não.

Os vértices da curva de juros encerraram em movimento de “steepening”, com inclinação dos vértices longos e recuo dos curtos. Os contratos para vencimento em janeiro de 2025 recuaram 2,0 pbs, a 10,67%, ao passo que os de vencimento em janeiro de 2033 subiram 12 pbs, a 12,20%. Consenso do mercado indica manutenção da Selic em 10,50% na decisão de quarta, com operadores no aguardo do comunicado e votos para ter pistas sobre o futuro da política monetária.

Grande parte dos operadores projeta um placar unânime amanhã, mas considera que membros indicados pelo atual governo podem ter dificuldade para votar pela manutenção da taxa em 10,50% ao ano, na esteira do duro tom adotado por Lula. A chance de um Copom dividido, como ocorreu em maio, cresceu diante das pressões do presidente por mais queda do juro e pelos ataques a Campos Neto.

Os principais índices acionários de Wall Street encerram em alta, com as vendas no varejo para maio avançando 0,1% na base mensal, abaixo do consenso, de 0,2%, reforçando leitura, entre operadores, de espaço para corte de juros pelo Fed ao fim do ano. O mercado acionário não operará na quarta-feira, em razão de feriado de abolição da escravidão.

Os índices Dow Jones, S&P500 e o Nasdaq 100 avançaram 0,15%, 0,25% e 0,03%, respectivamente. Os Treasuries yields de dois e de dez anos operavam ao fim do dia em queda de 6,4 pontos-base e 6,6 pbs, a 4,706% e 4,215%, respectivamente. O índice Dólar DXY, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta de divisas, operava em queda de 0,06% a 105,27 pontos, ao fim da tarde.

No âmbito corporativo, destaque para as ações da Nvidia, que ultrapassou a Microsoft em termos de valor de mercado, tornando-se a empresa mais valiosa do mercado acionário norte-americano. A fabricante de chips já acumula uma valorização superior a 210% nos últimos doze meses, em meio ao crescente rali desencadeado em meados de 2023 pela Inteligência Artificial.

Operadores mostraram sólida demanda por Treasuries notes em leilão desta tarde, com Tesouro dos EUA colocando US$13,0 bilhões em leilão, com taxa de corte em 4,452%. O leilão sólido vem na esteira da sólida demanda reportada nos leilões de bonds de dez e notes de 30 anos na semana anterior, e horas após dados de vendas no varejo, que mostraram ligeira fadiga pelo consumidor.

O dado abaixo das expectativas é positivo para a narrativa de que o Federal Reserve deve iniciar em breve o ciclo de afrouxamento monetário, uma vez que a tendência de crescimento das vendas vem enfraquecendo à medida que os preços e a taxa de juros mais altos forçam as famílias a priorizarem itens essenciais, com redução de gastos discricionários.

Ainda assim, membros do Federal Reserve pregaram, em diferentes aparições públicas, estarem atrás de confirmações de que a inflação se encontra em trajetória sustentável de alívio, em conjunto com um alívio no mercado de trabalho, para lançarem mão de cortes de juros na economia americana. A diretora do Fed, Adriana Kugler, pontuou hoje acreditar que será apropriado cortar o juro em algum momento neste ano, caso a atividade se desenvolva conforme esperado.

Book de ofertas: a mais completa do mercado financeiro, acompanhe as ofertas de compra e venda de um ativo e todos os negócios realizados no dia.

Data Variação Pontuação Volume Financeiro
03/06/2024 -0,05% 122.031,58  R$ 20,9 bilhões
 04/06/2024 -0,19% 121.802,06  R$ 20,4 bilhões
05/06/2024 -0,32%  121.407,33 R$ 19,4 bilhões
06/06/2024 1,23% 122.898,80 R$ 18,7 bilhões
07/06/2024 -1,73% 120.767,19 R$ 21,6 bilhões
10/06/2024 -0,01% 120.759,51 R$ 16,4 bilhões
11/06/2024 0,73% 121.635,06 R$ 18 bilhões
12/06/2024 – 1,40% 119.936,02 R$ 25,6 bilhões
13/06/2024 -0,31% 119.567,53 R$ 18,3 bilhões
14/06/2024  0,08% 119.662,38 R$ 17,7 bilhões
17/06/2024 -0,44% 119.137,86 R$ 17,3 bilhões
18/06/2024 0,41% 119.630,44 R$ 18,3 bilhões

DESTAQUES DO IBOVESPA – (pregão à vista)

  • ALTAS IBOVESPA

CSNA3: +9,32% a R$ 13,02
BRFS3: +5,28% a R$ 19,15
CMIN3: +3,70% a R$ 5,04
MRFG3: +3,24% a R$ 10,52
PETR4: +3,22% a R$ 35,93

  • BAIXAS IBOVESPA

CVCB3: -5,94% a R$ 1,90
AZUL4: −5,22% a R$ 8,53
BBDC4: −4,78% a R$ 12,35
BBDC3: −3,94% a R$ 10,97
TOTS3: −3,20% a R$ 29,34

Confira o ranking completo de todos os papéis negociados na B3.

  1. 💥 Confira os destaques corporativos de hoje 💥

    3R Petroleum (RRRP3) e Enauta (ENAT3)

    A Enauta e a 3R Petroleum não obtiveram quórum necessário para instalar Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para avaliar a proposta de combinação de negócios. Saiba mais…

    Azevedo & Travassos (AZEV3/AZEV4)

    A Azevedo & Travassos informou que a subsidiária integral da Companhia, Azevedo & Travassos Petróleo, assinou contrato de compra e venda da totalidade das quotas da empresa Phoenix Óleo e Gás. Saiba mais…

    Cogna (COGN3)

    A Cogna informou que fará a amortização antecipada facultativa de 98% do valor nominal unitário e da remuneração das debêntures da 1ª emissão da Somos Sistemas de Ensino. A liquidação será em 28/6.

    CSN (CSNA3)

    As ações da CSN disparam mais de 10% após a vitória da empresa no Superior Tribunal de Justiça (STJ) em litígio bilionário da companhia contra o grupo ítalo-argentino Ternium. Às 13h37 (horário de Brasília), os papéis CSNA3 subiam 10,24%, a R$ 13,12. Saiba mais…

    Enauta (ENAT3)

    A Enauta anunciou a emissão de 2,1 milhões em debêntures, ao preço unitário de R$ 1 mil, totalizando oferta de R$ 2,1 bilhões. Saiba mais…

    Energisa (ENGI11)

    A Energisa não tem interesse numa eventual aquisição da Amazonas Energia, mesmo após o governo federal editar uma medida provisória que flexibiliza metas regulatórias para permitir a reestruturação da distribuidora, disse o presidente da companhia, Ricardo Botelho, ao Valor. Saiba mais…

    Light (LIGT3)

    A 3ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro homologou o plano de recuperação judicial da Light, aprovado em maio pela Assembleia Geral dos Credores. Saiba mais…

    Lojas Marisa (AMAR3)

    A Lojas Marisa anunciou o adiamento da divulgação dos resultados do primeiro trimestre, que estavam previstos para hoje. Saiba mais…

    Oi (OIBR3/OIBR4)

    A Oi informou que a Corte de Falência dos Estados Unidos do Distrito Sul de Nova York proferiu na última segunda-feira (17) decisão deferindo medida para conferir plenos efeitos e eficácia ao plano de recuperação judicial (RJ) da operadora nos EUA. Saiba mais…

    Petrobras (PETR3/PETR4)

    A Petrobras anunciou que terá um impacto de R$ 11,9 bilhões no lucro líquido do segundo trimestre por conta de adesão da companhia a um acordo para encerrar disputa tributária envolvendo Cide, PIS e Cofins entre os anos de 2008 e 2013. Saiba mais…

    Sabesp (SBSP3)

    A decisão do governo do Estado de São Paulo em incluir no processo de privatização da Sabesp um mecanismo para proteger minoritários contra ofertas hostis, uma “poison pill”, desagradou algumas empresas interessadas em ser acionistas de referência da companhia, apurou o Valor. Saiba mais…

    O empresário Nelson Tanure colocou na mesa o estudo para entrar no processo competitivo pela Sabesp, na oferta que resultará em sua privatização, apurou o Valor. Saiba mais…

    São Martinho (SMTO3)

    O Grupo São Martinho, um dos maiores produtores de açúcar e etanol do Brasil, registrou lucro líquido de R$ 1,476 bilhão na recém-encerrada safra 2023/24, o que corresponde a um aumento de 45,3% em comparação com a temporada anterior 2022/23 (R$ 1,016 bilhão) e “equivalente ao registrado na safra 2021/22, o maior de nossa história”, informou a companhia em relatório. A receita líquida da companhia aumentou 4,2% entre as duas safras, de R$ 6,643 bilhões para R$ 6,922 bilhões, recorde histórico da empresa. Saiba mais…

    Vale (VALE3)

    A Vale afirmou que o processo de sucessão de seu presidente é executado em conformidade com o estatuto social, as políticas corporativas da companhia, o regimento interno do Conselho de Administração e a legislação aplicável. Saiba mais…

    (Com informações da TC Mover e Momento B3)

Deixe um comentário