Foi encerrado nesta sexta-feira (7) o leilão da plataforma P-32, unidade do sistema de produção que foi utilizada pela Petrobras na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. A proposta vencedora foi feita pela Ecovix, proprietária do Estaleiro Rio Grande (ERG), e pela Gerdau, produtora de aço brasileira, que unirão forças para os trabalhos de descomissionamento da estrutura.

Na parceria estabelecida entre as duas empresas, a Ecovix receberá a plataforma no ERG, maior dique seco da América Latina, onde ocorrerá o desmantelamento das estruturas, em trabalhos que devem se estender por 12 meses. Na sequência, a Gerdau utilizará a sucata metálica gerada como matéria-prima para produção de aço em suas usinas de Charqueadas (RS) e Sapucaia do Sul (RS). Outros materiais serão enviados para descarte seguro, com praticamente 100% da unidade sendo reciclada.

A previsão é de que os trabalhos de desmantelamento se iniciem entre 90 e 120 dias após o leilão desta sexta. Em Rio Grande, a expectativa é da geração de 250 vagas de emprego para o processo.

“Essa será a maior unidade marítima já desmantelada no Brasil e um marco para inserir o país e a Petrobras (BOV:PETR3) (BOV:PETR4) no processo de reciclagem verde e responsável”, celebra Robson Passos, diretor-presidente do Grupo Ecovix.

Nos últimos anos, a empresa vem diversificando suas atividades, com destaque para os reparos de embarcações — foram sete desde a retomada dos serviços navais, em 2021. Neste momento, está no dique a sonda ODN l, da Ocyan, que passa por revisão geral nos sistemas, pintura, manutenção, serviços de tubulação, entre outros.

“A vitória no leilão é, também, uma grande oportunidade para a Ecovix reforçar sua atuação no desmantelamento — existem 26 outras unidades a serem desmobilizadas pela Petrobras”, enfatiza Robson.

A Gerdau (BOV:GGBR3) (BOV:GGBR4) é a maior recicladora de sucata metálica da América Latina, transformando mais de 1 1 milhões de toneladas do material em aço anualmente, e cerca de 71% do aço produzido pela companhia é proveniente do processo de reciclagem.

“Essa iniciativa é pioneira na indústria brasileira do aço e contribuirá para que a empresa siga sendo uma referência na produção de aço com baixa pegada de carbono. Uma das fontes de geração de sucata metálica é o desmantelamento de plataformas como a P-32 e de navios, o que permite com que um volume importante destes materiais seja retirado dos mares brasileiros e transformados em novos produtos de aço, uma vez que o aço é um item infinitamente e 100% reciclável”, afirma Carlos Vieira, diretor de matéria-prima e florestas da Gerdau.

Atualmente, a Gerdau possui uma das menores médias de emissão de gases de efeito estufa (CO2e), de 0,89t de C02e por tonelada de aço, o que representa aproximadamente a metade da média global do setor, de 1,91t de C02e por tonelada de aço (worldsteel). Para 2031, a meta da Gerdau é diminuir as emissões de carbono para 0,83t de por tonelada de aço.

Informações Portos e Navios
GERDAU PN (BOV:GGBR4)
Gráfico Histórico do Ativo
De Mar 2024 até Abr 2024 Click aqui para mais gráficos GERDAU PN.
GERDAU PN (BOV:GGBR4)
Gráfico Histórico do Ativo
De Abr 2023 até Abr 2024 Click aqui para mais gráficos GERDAU PN.