Boa noite, Investidor! 13 de dezembro

LinkedIn

Confira o que aconteceu hoje e afetou o Mercado Financeiro.

Para saber o que aconteceu antes da abertura do mercado, confira o nosso Bom dia, Investidor!

Empresas

Petrobras (PETR3) (PETR4) – O Cade e a Petrobras firmaram um acordo para encerrar a investigação em que a estatal é suspeita de oferecer benefícios contratuais para a Rede Cascol, revendedora de combustíveis do Distrito Federal. Agora, o contrato com a revendedora será encerrado, sem o pagamento de multa.

Copel (CPLE3) (CPLE6) – A Copel anunciou que arrecadou R$ 489,1 milhões com a venda das ações da Sanepar (SAPR4). Cada unit foi vendida por R$ 55,20.

Oi (OIBR3) (OIBR4) – A Oi apresentou o seu plano de recuperação judicial, no qual até 75% do capital da empresa será entregue aos boldholders para renegociar a dívida de R$ 64 bilhões. Com essa proposta, a dívida da empresa cairia para R$ 29 bilhões.

Ecorodovias (ECOR3) –  A Ecorodovias fechou um contrato com a Multilog para vender 100% do capital social da Elog. O valor total do negócio soma R$ 90 milhões, com liquidação em 84 parcelas mensais, iguais e sucessivas, corrigidas pela atualização do CDI, a partir da data do fechamento. O Cade ainda precisa aprovar a transação.

BR Malls (BRML3) – Os executivos da empresa estão confiantes de que a economia irá se recuperar em 2018 e a inadimplência de lojistas cairá. A BR Malls também reduzirá gradualmente os descontos aos lojistas no curto prazo, mas só voltará ao nível pré-crise de 2% no médio ao longo prazo.

Iguatemi (IGTA3) – A agência de classificação de riscos Fitch Ratings elevou na última terça-feira (12), o Rating Nacional de Longo Prazo da Iguatemi, de AA+ para AAA, com a perspectiva estável. A elevação, segundo a Fitch, reflete a manutenção de resultados operacionais sólidos e a estrutura conservadora de capital da companhia.

Recomendações 

Ultrapar (UGPA3)/Benndorf Research – A Benndorf confirmou a recomendação atrativa no longo prazo para os ativos da Ultrapar, com preço alvo nos R$ 80,00. Para isso, é preciso que a empresa rompa os R$ 74,00. O stop ainda é nos R$ 67,50 e a realização parcial dos lucros é na casa dos R$ 79,00.

MRV (MRVE3)/BTG Pactual – O banco recomendou a compra da MRV Engenharia, com preço-alvo de R$ 17,00 em 12 meses.

Oi (OIBR3) (OIBR4)/Credit Suisse – Após a divulgação do plano de Recuperação Judicial, os analista do Credit Suisse assumiram uma postura neutra, com preço-alvo de R$ 2,30 para OIBR4 e de R$ 2,70 para OIBR3.

Política

Ao longo do dia, o PSDB decidiu fechar a questão a favor da Reforma da Previdência, mas não definiram uma punição para o parlamentar que não apoiar a medida. O atual presidente da legenda, Geraldo Alckmin, afirmou a decisão foi “praticamente unânime”, o que deixa clara a posição do partido. O líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli, também disse que mais da metade da bancada já está disposta a apoiar a Reforma e que o fechamento da questão está incentivando mais deputados a também votarem a favor.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que iria definir entre hoje e amanhã (14) se a proposta seria votada na semana que vem, mas que para isso, seria necessário que a base aliada garantisse um margem segura para a aprovação. Porém, ele também disse que não se importava se a Reforma fosse votada em 2018. “Tenho dúvida. Para mim, tanto faz. Acho que o tema não sai da pauta. Pode votar agora ou depois. Dá no mesmo. O importante é ter os votos”, declarou.

Já no final da tarde, o líder do governo no Senado, Romero Jucá, anunciou que a Reforma da Previdência só será votada em fevereiro de 2018. Ele alegou que a decisão já estava “conversada” com os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Eunício Oliveira. A proposta será votada de forma “casada”, ou seja, o Senado votará a matéria logo após a Câmara concluir a votação.

A declaração derrubou a bolsa, que caiu 1,22%, fechando o pregão com Ibovespa cotado a 72,914,34 pontos.

Logo após, o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro, disse que o acerto final sobre a votação só seria definido amanhã, após o presidente Michel Temer voltar de São Paulo, onde está realizando uma cirurgia urológica. Ribeiro alegou que “não está definido” o adiamento da medida. O líder do governo no Congresso, André Moura, também afirmou que não recebeu nenhuma informação sobre a votação acontecer apenas em 2018 e que “estamos em viés de alta, com números muito próximos do que precisamos para aprovar a proposta. Vamos seguir trabalhando para fazer a discussão amanhã e votar na próxima semana”.

Deixe um comentário