PIB Brasil 2018

Em 2018, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 1,1% frente a 2017, mantendo o mesmo patamar de crescimento do ano anterior, quando recuperou-se após retrações de 3,5% em 2015, e 3,3% em 2016. Neste ano, a economia brasileira apresentou crescimento na Agropecuária (0,1%), na Indústria (0,6%) e Serviços (1,3%). O PIB do Brasil totalizou R$ 6,8 trilhões em 2018.

PIB VALOR CORRENTE (R$)
Brasil    6.827,586 Bilhões
Agropecuária   297,770 Bilhões
Indústria 1.259,199 Bilhões
Serviços 4.276,146 Bilhões
Famílias 4.392,357 Bilhões
Governo 1.346,136 Bilhões
Investimento 1.080,553 Bilhões
 
O PIB per capita variou 0,3% em termos reais, alcançando R$ 32.747 em 2018. A taxa de investimento em 2018 foi de 15,8% do PIB, abaixo do observado em 2017 (15,0%). Já a taxa de poupança foi de 14,5% (ante 14,3% em 2017).

Frente ao 3º trimestre, na série com ajuste sazonal, o PIB brasileiro teve alta de 0,1% no 4º trimestre de 2018. Foi o oitavo resultado positivo consecutivo nesta comparação. A Agropecuária e os Serviços apresentaram variação positiva de 0,2%, enquanto a Indústria recuou (-0,3%).

Em relação ao 4º trimestre de 2017, o PIB cresceu 1,1% no último trimestre de 2018, o oitavo resultado positivo consecutivo, após onze trimestres de queda.  Agropecuária (2,4%) e Serviços (1,1%) cresceram, enquanto a Indústria caiu (-0,5%).

 

PIB Brasil – 4° Trimestre de 2018

O PIB brasileiro apresentou avanço de 0,1% na comparação do quarto contra o terceiro trimestre de 2018, levando-se em consideração a série com ajuste sazonal. É o oitavo resultado positivo consecutivo nesta base de comparação. A Agropecuária e os Serviços apresentaram variação positiva de 0,2%, enquanto a Indústria recuou 0,3%. Dentre as atividades industriais, a queda foi puxada pelas Indústrias de Transformação (-1,0%). Já as atividades de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (3,9%), as Indústrias Extrativas (1,9%) e a Construção (0,1%) apresentaram variações positivas. Nos Serviços, apenas Informação e comunicação (2,1%), Atividades imobiliárias (0,7%), Outras atividades de serviços (0,4%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,1%) tiveram variações positivas, enquanto as negativas vieram de Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-0,5%) Transporte, armazenagem e correio (-0,3%) e Comércio (-0,1%). Pela ótica da despesa, a Formação Bruta de Capital Fixo caiu 2,5%. A Despesa de Consumo do Governo registrou variação negativa de 0,3%. Já a Despesa de Consumo das Famílias (0,4%) apresentou variação positiva em relação ao trimestre imediatamente anterior. No que se refere ao setor externo, as Exportações de Bens e Serviços cresceram 3,6%, enquanto as Importações de Bens e Serviços caíram 6,6% em relação ao terceiro trimestre de 2018.

Quando comparado a igual período do ano anterior, o PIB avançou 1,1% no último trimestre de 2018, o oitavo resultado positivo consecutivo, após onze trimestres de queda nesta base de comparação. O Valor Adicionado a preços básicos cresceu 1,2% e os Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios subiram 0,5%. Dentre as atividades que contribuem para a geração do Valor Adicionado, a Agropecuária registrou crescimento de 2,4% em relação a igual período do ano anterior, influenciada pelo desempenho positivo da Pecuária e Produção florestal. A Indústria encolheu 0,5%, a retração foi puxada pela Construção (-2,2%), que já tem queda por dezenove trimestres consecutivos, e também pela queda nas Indústrias de Transformação (-1,5%). Esta última foi influenciada, principalmente, pela queda na fabricação de produtos alimentícios, fabricação de equipamentos de informática e fabricação de equipamentos de transporte. A atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (4,6%) apresentou alta junto às Indústrias Extrativas (3,9%), estas últimas foram puxadas, principalmente, pela extração de minério de ferro. O valor adicionado de Serviços subiu 1,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior, com destaque para a expansão de Atividades Imobiliárias (3,4%) e Informação e comunicação (2,5%) – atividade esta que inclui telecomunicações, atividades de TV, rádio e cinema, edição de jornais, livros e revistas, informática e demais serviços relacionados às tecnologias da informação e comunicação (TICs). Também houve resultado positivo para Transporte, armazenagem e correio (1,7%), Outras atividades de serviços (1,5%), Comércio (atacadista e varejista) (0,9%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,1%). Apenas as Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-0,5%) apresentaram queda. Entre os componentes da demanda interna, a Despesa de Consumo das Famílias e a Formação Bruta de Capital Fixo tiveram expansão na comparação com igual período do ano anterior, enquanto a Despesa de Consumo do Governo apresentou resultado negativo. No quarto trimestre de 2018, a Despesa de Consumo das Famílias cresceu 1,5%. Este resultado pode ser explicado pela melhora no comportamento dos indicadores de crédito para pessoa física, mercado de trabalho ao longo do período, além da queda das taxas de juros. A Formação Bruta de Capital Fixo teve expansão de 3,0% no quarto trimestre de 2018, o quinto resultado positivo consecutivo. Este avanço é justificado, principalmente, pelo crescimento tanto da produção interna quanto das importações de bens de capital, compensando o desempenho negativo da construção neste período. A Despesa de Consumo do Governo, por sua vez, caiu 0,7% em relação ao quarto trimestre de 2017. No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços subiram 12,0%, enquanto as Importações de Bens e Serviços avançaram em 6,0% no quarto trimestre de 2018. Dentre as exportações de bens, os maiores crescimentos ocorreram na agropecuária, extração e derivados de petróleo e outros equipamentos de transporte. O crescimento das importações de bens ocorre principalmente em outros equipamentos de transporte, produtos químicos e derivados do petróleo.

O PIB em 2018 teve crescimento de 1,1% em relação ao ano anterior. Em decorrência deste crescimento, o PIB per capita alcançou R$ 32.747, (em valores correntes) em 2018, um ligeiro avanço (em termos reais) de 0,3% em relação ao ano anterior. O PIB per capita é definido como a divisão do valor corrente do PIB pela população residente no meio do ano. O crescimento do PIB resultou da expansão de 1,1% do Valor Adicionado a preços básicos e da alta de 1,4% no volume dos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios. O avanço dos impostos reflete, principalmente, o crescimento em volume do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de 1,5%. Influenciaram positivamente também o aumento de 7,9% do Imposto de importação – acompanhando o crescimento das importações e de 4,1% do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados). O resultado do Valor Adicionado neste tipo de comparação refletiu o desempenho das três atividades que o compõem: Agropecuária (0,1%), Indústria (0,6%) e Serviços (1,3%). Após alcançar crescimento recorde no ano de 2017, a atividade Agropecuária registra variação positiva de 0,1% em 2018, decorrente, principalmente, do desempenho da agricultura. Segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA/IBGE), divulgado em fevereiro de 2019, alguns produtos da lavoura registraram crescimento de produção no ano de 2017, tendo como destaque as seguintes culturas: café (29,4%), algodão (28,4%), trigo (25,1%) e soja (2,5%). Por outro lado, algumas lavouras registraram variação negativa na estimativa de produção anual, como, por exemplo, milho (-18,3%), laranja (-10,7%), arroz (-5,8%) e cana (-2,0%). Cabe ressaltar que a estimativa para a Pecuária apontou um desempenho positivo dessa atividade no ano de 2018. Na Indústria, o destaque positivo foi o desempenho da atividade Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, que cresceu 2,3% em relação a 2017. Já o destaque negativo foi a Construção, que sofreu contração de -2,5%. As Indústrias de Transformação, por sua vez, avançaram 1,3% no ano. O resultado foi influenciado, principalmente, pelo crescimento, em volume, do Valor Adicionado de fabricação de veículos automotores, fabricação de papel e celulose, farmacêutica, metalurgia e máquinas e equipamentos. Indústrias Extrativas tiveram expansão de 1,0% em relação a 2017, que se manteve positiva pela alta da extração de minérios ferrosos. Todas as atividades que compõem os Serviços apresentaram variação positiva. Atividades imobiliárias avançou 3,1%, seguida por Comércio (2,3%), Transporte, armazenagem e correio (2,2%), Outras atividades de serviços (1,0%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,4%), Informação e comunicação (0,3%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade socials (0,2%).

PIB VALOR CORRENTE (R$) VARIAÇÃO TRIMESTRAL
VARIAÇÃO ANUAL
VARIACÃO ACUMULADA
Brasil    1.779,655 Bilhões 0,1% 1,1% 1,1%
Agropecuária   48,928 Bilhões 0,2% 2,4% 0,1%
Indústria 337,275 Bilhões -0,3% -0,5% 0,6%
Serviços 1.132,883 Bilhões 0,2% 1,1% 1,3%
Famílias 1.157,084 Bilhões 0,4% 1,5% 1,9%
Governo 381,975 Bilhões -0,3% -0,7% 0,0%
Investimento 283,392 Bilhões -2,5% 3,0% 4,1%

Comparando com os anos anteriores, nota-se que, após elevação de 6,5% no terceiro trimestre de 2008, o PIB começou a recuar em função dos efeitos decorrentes da crise econômica internacional até chegar à queda de 1,2% no terceiro trimestre de 2009. Após isso, voltou a acelerar e superou o patamar de crescimento observado no período pré-crise no terceiro trimestre de 2010 (7,5%). Em seguida, o PIB acumulado em quatro trimestres seguiu a trajetória de desaceleração no decorrer dos anos de 2011 e de 2012, voltando a acelerar apenas em 2013. Em 2014 observou-se nova desaceleração das taxas de crescimento do PIB no acumulado em quatro trimestres: a taxa foi de 3,2% no primeiro trimestre, 2,1% no segundo, 1,2% no terceiro e 0,5% no último trimestre do ano. A taxa no primeiro trimestre de 2015 (-0,7%) foi a primeira negativa desde o quarto trimestre de 2009. No segundo e terceiro trimestres do ano, o PIB voltou a sofrer contração nesta base de comparação, encerrando o ano com recuo de 3,5%. A trajetória descendente do PIB se manteve em todo o ano de 2016, que acumulou queda de 3,3%. Ao longo de 2017, as quedas foram diminuindo até voltarem ao terreno positivo no último trimestre do ano, quando houve um crescimento de 1,1%. Em 2018 as taxas se mantiveram próximas a esse patamar e o ano encerrou também com 1,1% de crescimento. Na análise da despesa, vale salientar a expansão de 4,1% da Formação Bruta de Capital Fixo, resultado positivo após uma sequência de 4 anos negativos. Em 2014, 2015, 2016 e 2017 a Formação Bruta de Capital Fixo registrou quedas de 4,2%, 13,9%, 12,1% e 2,5%, respectivamente. A Despesa de Consumo das Famílias teve expansão de 1,9% em relação ao ano, o que pode ser explicado pelo comportamento dos indicadores de inflação, juros, crédito, emprego e renda ao longo de todo o ano de 2018. A Despesa do Consumo do Governo, por sua vez, se manteve estável 0,0%. No âmbito do setor externo, as Exportações de Bens e Serviços cresceram 4,1%, enquanto as Importações de Bens e Serviços avançaram 8,5%. Entre os produtos e serviços da pauta de exportações, os maiores aumentos foram observados na agricultura, petróleo e gás, indústria automotiva e máquinas e equipamentos. Já entre as importações, as maiores altas foram observadas em refino de petróleo, materiais eletrônicos e equipamentos de comunicação e vestuário. O Produto Interno Bruto no ano de 2018 totalizou R$ 6.827,6 bilhões, sendo R$ 5.833,1 bilhões referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 994,5 bilhões aos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios. Considerando o Valor Adicionado das atividades no ano, a Agropecuária registrou R$ 297,8 bilhões, a Indústria R$ 1.259,2 bilhões e os Serviços R$ 4.276,1 bilhões. Entre os componentes da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias totalizou R$ 4.392,4 bilhões, a Despesa de Consumo do Governo R$ 1.346,1 bilhões e a Formação Bruta de Capital Fixo R$ 1.080,6 bilhões. A Balança de Bens e Serviços ficou superavitária em R$ 36,1 bilhões e a Variação de Estoque foi negativa em R$ 27,6 bilhões. A taxa de investimento no ano de 2018 foi de 15,8% do PIB, acima do observado no ano anterior (15,0%). A taxa de poupança foi de 14,5% em 2018 (ante 14,3% no ano anterior).

Taxa de Investimento 15,8%
Taxa de Poupança 14,5%

No resultado do ano de 2018, a Renda Nacional Bruta atingiu R$ 6.731,8 bilhões, contra R$ 6.439,7 bilhões em 2017. Nesta mesma base de comparação, a Poupança Bruta atingiu R$ 993,3 bilhões, contra R$ 937,0 bilhões no ano anterior. A Necessidade de Financiamento alcançou R$ 58,1 bilhões, contra R$ 47,2 bilhões no ano anterior. O aumento da Necessidade de Financiamento decorre, principalmente, da redução do saldo externo de bens e serviços (no montante de R$ 29,6 bilhões), e do decréscimo de R$ 17,6 bilhões na Renda Líquida de Propriedade Enviada ao Resto do Mundo.

  

PIB Brasil – 3° Trimestre de 2018

O PIB cresceu 0,8% na comparação do terceiro trimestre de 2017 contra o segundo trimestre do ano, levando-se em consideração a série com ajuste sazonal. A Agropecuária registrou crescimento de 0,7%, a Indústria teve variação positiva de 0,4% e os Serviços aumentaram em 0,5%. Dentre as atividades industriais, houve crescimento de 0,8% nas Indústrias de transformação. Tanto as Indústrias extrativas quanto a Construção tiveram variação positiva de 0,7%. O único resultado negativo ficou por conta de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (-1,1%). Nos Serviços, todos os setores apresentaram resultado positivo: Transporte, armazenagem e correio (2,6%); Comércio (1,1%); Atividades imobiliárias (1,0%); Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,4%); Informação e comunicação (0,2%); Outras atividades de serviços (0,2%); e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,1%). Pela ótica da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias teve expansão de 0,6% em relação ao trimestre imediatamente anterior, enquanto que a Formação Bruta de Capital Fixo cresceu em 6,6%. Já a Despesa de Consumo do Governo cresce 0,3%. No que se refere ao setor externo, as Exportações de Bens e Serviços tiveram expansão de 6,7%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços cresceram 10,2% em relação ao segundo trimestre de 2018.

Quando comparado a igual período do ano anterior, o PIB apresentou expansão de 1,3% no terceiro trimestre de 2018. O Valor Adicionado a preços básicos teve aumento de 1,3% e os Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios cresceram 1,3%. Dentre as atividades que contribuem para a geração do Valor Adicionado, a Agropecuária registrou crescimento de 2,5% em relação a igual período do ano anterior. Este resultado pode ser explicado, principalmente, pelo desempenho de alguns produtos da lavoura que possuem safra relevante no terceiro trimestre e pela produtividade, visível na estimativa de variação da quantidade produzida vis-à-vis a área plantada. Segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA/IBGE), divulgado no mês de novembro o crescimento na estimativa de produção anual e ganho de produtividade de culturas com safras relevantes nesse trimestre, como o café (26,6%), algodão herbáceo (28,4%) suplantou o fraco desempenho de culturas como, por exemplo, cana de açúcar (-2,2%), mandioca (-3,2%), laranja (-8,4%) e milho (- 17,9%). Cabe mencionar que as estimativas para Pecuária e Produção Florestal apontaram um desempenho positivo dessas atividades no período analisado. A Indústria registrou variação positiva de 0,8%. Nesse contexto, as Indústrias de transformação apresentaram crescimento de 1,6%. O seu resultado foi influenciado, principalmente, pelo aumento da fabricação de veículos; de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis; de celulose e papel; máquinas e equipamentos; indústria farmacêutica e produtos de metal. As Indústrias extrativas se expandiram em 0,7% em relação ao terceiro trimestre de 2017, puxadas pelo crescimento da extração de minérios ferrosos. A atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, por sua vez, registrou variação positiva de 0,5%. Já Construção apresentou redução no volume do valor adicionado: -1,0%, que é a décima oitava redução consecutiva nessa comparação. O valor adicionado de Serviços teve expansão de 1,2% na comparação com o mesmo período do ano anterior, com destaque para o crescimento de Atividades imobiliárias (3,2%), seguido por Transporte, armazenagem e correio (2,9%). Cresceram também: Comércio (1,6%), Informação e comunicação (1,1%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,0%), Outras atividades de serviços (0,6%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,1%). Pela ótica da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias registrou resultado positivo pelo sexto trimestre seguido: crescimento de 1,4%. Este resultado foi influenciado pelas circunstâncias de alguns indicadores macroeconômicos ao longo do trimestre como a menor taxa de juros, acesso ao crédito e um crescimento da massa salarial real em comparação com o terceiro trimestre de 2017. A Formação Bruta de Capital Fixo teve variação positiva de 7,8% no terceiro trimestre de 2018. A magnitude deste avanço é justificada pela incorporação de bens destinados à indústria de óleo e gás decorrente de modificações no regime REPETRO. No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços apresentaram crescimento de 2,6%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços aumentaram em 13,5% no terceiro trimestre de 2018. Dentre as exportações de bens, aqueles que registraram os maiores aumentos foram agropecuária; extração de petróleo e gás; e derivados do petróleo. Na pauta de importações de bens, os aumentos mais relevantes ocorreram em equipamentos de transportes; veículos automotores e produtos químicos.

O PIB no acumulado do ano até o terceiro trimestre de 2018 cresceu 1,1% em relação a igual período de 2017. Nesta base de comparação, Agropecuária apresentou variação negativa de 0,3%, enquanto que Indústria (0,9%) e Serviços (1,4%) registraram crescimento. Dentre as atividades da Indústria que registram resultado positivo nesta base de comparação foram Indústrias de transformação (2,3%) e Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (1,5%). Indústrias extrativas tivera variação nula e apenas a Construção (-2,6%) acumula queda. Nos Serviços houve crescimento: Atividades imobiliárias (3,0%); Comércio (2,8%); Transporte, armazenagem e correio (2,3%); Outras atividades de serviços (0,9%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade (0,3%). O único resultado negativo ficou por conta de Informação e comunicação (-0,4). Na análise da demanda interna, considerando o resultado acumulado do ano até setembro de 2018, a Formação Bruta de Capital Fixo e a Despesa de Consumo das Famílias cresceram, respectivamente, 4,5% e 2,0%. Já a Despesa de Consumo do Governo registrou variação de 0,3%. Analisando o setor externo, as Importações de Bens e Serviços apresentaram expansão de 9,4%, enquanto que as Exportações de Bens e Serviços cresceram 1,5%.

O PIB acumulado nos quatro trimestres terminados em setembro de 2018 apresentou variação positiva de 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Esta taxa resultou das elevações no Valor Adicionado a preços básicos (1,3%) e do nos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios (2,1%). O resultado do Valor Adicionado neste tipo de comparação decorreu dos seguintes desempenhos: Agropecuária (0,4%), Indústria (1,3%) e Serviços (1,5%). Dentre as atividades industriais, Indústrias de transformação (3,1%) e Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (1,1%) apresentaram crescimento. Indústrias extrativas tiveram variação nula e a Construção (-2,5%) sofreu contração. Já dentre os Serviços houve variação positiva em todos os setores. Comércio (3,3%); Atividades imobiliárias (2,8%); Transporte, armazenagem e correio (2,7%); Outras atividades de serviços (1,0%); Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,7%); Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade (0,4%); Informação e comunicação (0,1%). Considerando as taxas de crescimento acumulado nos últimos quatro trimestres para o PIB a preços de mercado, a partir de 1996, nota-se que, após elevação de 6,5% no terceiro trimestre de 2008, o PIB começou a recuar em função dos efeitos decorrentes da crise econômica internacional até chegar à queda de 1,2% no terceiro trimestre de 2009. Após isso, voltou a acelerar e superou o patamar de crescimento observado no período pré-crise no terceiro trimestre de 2010 (7,5%). Em seguida, o PIB acumulado em quatro trimestres seguiu a trajetória de desaceleração no decorrer dos anos de 2011 e de 2012, voltando a acelerar apenas em 2013. Em 2014 observou-se nova desaceleração das taxas de crescimento do PIB encerrando o ano em 0,5%. A taxa no primeiro trimestre de 2015 (-0,7%) foi a primeira negativa desde o quarto trimestre de 2009, alcançando -3,5% ao final do ano. O desempenho negativo de 2015 se repetiu em 2016 (-3,3%). Já nos três primeiros trimestres de 2017, o PIB apresentou diminuição na intensidade das quedas com taxas, respectivamente, de 2,0%, 1,0% e 0,1%. O quarto trimestre de 2017 apresentou o primeiro resultado positivo (alta de 1,1%), seguido pelo avanço de 1,3% 1,4% e 1,4% nos três trimestres de 2018. Na análise da despesa, a Formação Bruta de Capital Fixo teve expansão de 4,3% e a Despesa de Consumo das Famílias de 2,3%. A Despesa de Consumo do Governo apresentou variação positiva de 0,2%. Esta é a primeira vez em que todos os componentes da demanda interna apresentam resultado positivo desde o segundo trimestre de 2014. Já no âmbito do setor externo, as Exportações de Bens e Serviços (3,3%) e as Importações de Bens e Serviços (9,1%) cresceram.

PIB VALOR CORRENTE (R$) VARIAÇÃO TRIMESTRAL
VARIAÇÃO ANUAL
VARIACÃO ACUMULADA
Brasil    1.716,166 Bilhões 0,8% 1,3% 1,4%
Agropecuária   61,884 Bilhões 0,7% 2,5% 0,4%
Indústria 331,608 Bilhões 0,4% 0,8% 1,3%
Serviços 1.070,515 Bilhões 0,5% 1,3% 1,3%
Famílias 1.105,841 Bilhões 0,6% 1,4% 2,3%
Governo 323,676 Bilhões 0,3% 0,3% 0,2%
Investimento 289,188 Bilhões 6,6% 7,8% 4,3%

O Produto Interno Bruto no terceiro trimestre de 2018 totalizou R$ 1.716,2 bilhões, sendo R$ 1.464,0 bilhões referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 252,2 bilhões aos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios. Considerando o Valor Adicionado das atividades no trimestre, a Agropecuária registrou R$ 61,9 bilhões, a Indústria R$ 331,6 bilhões e os Serviços R$ 1.070,5 bilhões. Entre os componentes da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias totalizou R$ 1.105,8 bilhões, a Despesa de Consumo do Governo R$ 323,7 bilhões e a Formação Bruta de Capital Fixo R$ 289,2 bilhões. A Balança de Bens e Serviços ficou superavitária em R$ 4,6 bilhões e a Variação de Estoque foi negativa em R$ 7,1 bilhão.

Taxa de Investimento 16,9%
Taxa de Poupança 14,9%

A taxa de investimento no terceiro trimestre de 2018 foi de 16,9% do PIB, o que representa um aumento em relação àquela observada no mesmo período do ano anterior (15,4%). A taxa de poupança foi de 14,9% no terceiro trimestre de 2018, não houve variação comparando mesmo período de 2017.

 

PIB Brasil – 2° Trimestre de 2018

O PIB apresentou variação positiva de 0,2% na comparação do segundo trimestre de 2018 contra o primeiro trimestre de 2018, levando-se em consideração a série com ajuste sazonal. É o sexto resultado positivo após oito quedas consecutivas nesta base de comparação. A Agropecuária permaneceu estável (0,0%), a Indústria teve queda de 0,6% e os Serviços, variação positiva de 0,3%. Na Indústria, houve expansão de 0,7% na atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e de 0,4% nas Indústrias Extrativas. Já as Indústrias de Transformação (-0,8%) e Construção (-0,8%) recuaram no trimestre. Nos Serviços, apresentaram crescimento as atividades de Informação e comunicação (1,2%), Atividades imobiliárias (1,2%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,7%) e Outras atividades de serviços (0,7%). Já as atividades de Transporte, armazenagem e correio (-1,4%), Comércio (-0,3%), e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,2%) apresentaram recuo. Pela ótica da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias (0,1%) e a Despesa de Consumo do Governo (0,5%) tiveram variação positiva. Já a Formação Bruta de Capital Fixo recuou 1,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior. No que se refere ao setor externo, as Exportações de Bens e Serviços tiveram contração de 5,5%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços recuaram 2,1% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

Quando comparado a igual período do ano anterior, o PIB cresceu 1,0% no segundo trimestre de 2018, o quinto resultado positivo consecutivo nesta base de comparação. O Valor Adicionado a preços básicos teve variação positiva de 1,0% e os Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios avançaram em 1,6%. Dentre as atividades que contribuem para a geração do Valor Adicionado, a Agropecuária registrou variação negativa de 0,4% em relação a igual período do ano anterior. Este resultado pode ser explicado, principalmente, pelo desempenho de alguns produtos da lavoura que possuem safra relevante no segundo trimestre e pela produtividade, visível na estimativa de variação da quantidade produzida vis-à-vis a área plantada, conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA/IBGE - julho 2018), divulgado no mês de agosto. Entre os produtos com safra no 2º trimestre que apresentaram queda na estimativa de produção anual, destacam-se: milho (-16,7%), arroz (-7,3%) e mandioca (-3,2%). Por outro lado, as culturas de soja, café e algodão registraram variações positivas na estimativa de produção anual: 1,2%; 23,6% e 24,5%, respectivamente. Cabe ressaltar que, com exceção do café e algodão, as demais culturas destacadas apontaram perda de produtividade. A Indústria teve expansão de 1,2%. Nesse contexto, as Indústrias de Transformação apresentaram crescimento de 1,8%. O seu resultado foi influenciado, principalmente, pelo crescimento da produção veículos; equipamentos de informática; derivados do petróleo; bebidas; metalurgia; máquinas e equipamentos e móveis. A Construção segue apresentando resultados negativos na comparação contra igual período do ano anterior, recuando 1,1% no segundo trimestre do ano. Na direção oposta, as Indústrias Extrativas cresceram 0,6%, resultado do recuo da extração de petróleo e gás natural, compensada pelo aumento da extração de minérios ferrosos. A atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, por sua vez, registrou expansão de 3,1%, favorecida pelo aumento do consumo de energia elétrica e por bandeiras tarifárias mais favoráveis no segundo trimestre de 2018 em comparação com às vigentes no segundo trimestre de 2017. O valor adicionado de Serviços cresceu 1,2% na comparação com o mesmo período do ano anterior, com destaque para o avanço de 3,0% das Atividades imobiliárias. Também apresentaram resultado positivos as atividades de Comércio – atacadista e varejista – (1,9%), Transporte, armazenagem e correio (1,1%), Outras atividades de serviços (0,9%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,6%), Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,5%) e Informação e comunicação (0,4%). No segundo trimestre de 2018, a Despesa de Consumo das Famílias teve expansão 1,7%. Este foi o quinto trimestre seguido de avanço na Despesa de Consumo das Famílias na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. O resultado positivo pode ser explicado pelo comportamento dos indicadores de crédito para pessoa física, bem como das taxas de inflação e de juros mais baixas que as registradas no segundo trimestre de 2017. A Formação Bruta de Capital Fixo avançou 3,7% no segundo trimestre de 2018, o terceiro resultado positivo depois de quatorze trimestres de recuo. Este aumento é justificado pelo aumento da importação e produção de bens de capital, já que a construção manteve desempenho negativo. A Despesa de Consumo do Governo teve avanço de 0,1% em relação ao segundo trimestre de 2017. No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços apresentaram queda de 2,9%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços se expandiram em 6,8% no segundo trimestre de 2018. Dentre as exportações de bens, a redução é explica, principalmente, pela queda dos produtos de metalurgia, têxteis, extração de petróleo e gás, produtos químicos e produtos alimentícios. Na pauta de importações de bens, os aumentos mais relevantes ocorreram em veículos, metalurgia, produtos farmacêuticos e máquinas e equipamentos.

O PIB acumulado nos quatro trimestres terminados em junho de 2018 apresentou aumento de 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Esta taxa resultou do avanço de 1,3% do Valor Adicionado a preços básicos e de 2,6% nos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios. O resultado do Valor Adicionado neste tipo de comparação decorreu dos seguintes desempenhos: Agropecuária (2,0%), Indústria (1,4%) e Serviços (1,4%). Dentre as atividades industriais, as Indústrias de Transformação (3,5%), Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (1,0%) e Indústrias Extrativas (0,3%) apresentaram crescimento. A Construção sofreu contração de 2,4%. Dentre os Serviços, destaque para Comércio, que avançou 3,7%. Também cresceram Transporte, armazenagem e correio (2,5%), Atividades imobiliárias (2,5%), Outras atividades de serviços (1,0%), Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,3%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,1%). Já Informação e comunicação (-1,1%) recuaram. Na análise da despesa, a Formação Bruta de Capital Fixo avançou 2,6% e a Despesa de Consumo das Famílias teve expansão de 2,3%. Já a Despesa de Consumo do Governo recuou de 0,4%. Este é o terceiro trimestre em que observamos avanço da Despesa de Consumo das Famílias e o primeiro de crescimento na Formação Bruta de Capita Fixo, enquanto a Despesa de Consumo do Governo continuou recuando. Já no âmbito do setor externo, as Exportações de Bens e Serviços avançaram 4,7%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços apresentaram crescimento de 7,1%.

PIB VALOR CORRENTE (R$) VARIAÇÃO TRIMESTRAL
VARIAÇÃO ANUAL
VARIACÃO ACUMULADA
Brasil    1.693,269 Bilhões 0,2% 1,0% 1,4%
Agropecuária   89,601 Bilhões 0,0% -0,4% 2,0%
Indústria 308,107 Bilhões -0,6% 1,2% 1,4%
Serviços 1.052,677 Bilhões -0,2% 1,2% 1,4%
Famílias 1.063,421 Bilhões 0,1% 1,7% 2,3%
Governo 332,954 Bilhões 0,5% 0,1% -0,4%
Investimento 271,382 Bilhões -1,8% 3,7% 2,6%

O Produto Interno Bruto no segundo trimestre de 2018 totalizou R$ 1.693,3 bilhões, sendo R$ 1.450,4 bilhões referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 242,9 bilhões aos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios.

Considerando o Valor Adicionado das atividades no trimestre, a Agropecuária registrou R$ 89,6 bilhões, a Indústria R$ 308,1 bilhões e os Serviços R$ 1.052,7 bilhões. Entre os componentes da despesa, a Despesa de Consumo das Famílias totalizou R$ 1.063,4 bilhões, a Despesa de Consumo do Governo R$ 333,0 bilhões e a Formação Bruta de Capital Fixo R$ 271,4 bilhões. A Balança de Bens e Serviços ficou superavitária em R$ 16,6 bilhões e a Variação de Estoque foi positiva em R$ 8,9 bilhões.

Taxa de Investimento 16,0%
Taxa de Poupança 16,4%

A taxa de investimento no segundo trimestre de 2018 foi de 16,0% do PIB, abaixo do observado no mesmo período do ano anterior (15,3%). A taxa de poupança foi de 16,4% no segundo trimestre de 2018 (ante 15,7% no mesmo período de 2017).

 

PIB Brasil – 1° Trimestre de 2018

No primeiro trimestre de 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,4% em relação ao quarto trimestre de 2017, na série com ajuste sazonal. Esta foi a quinta alta nessa comparação, após oito trimestres consecutivos de queda. Na comparação com igual período de 2017, o PIB apresentou crescimento de 1,2%. No acumulado dos quatro trimestres terminados no primeiro trimestre de 2018, o PIB teve avanço de 1,3% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

PIB VALOR CORRENTE (R$) VARIAÇÃO TRIMESTRAL
VARIAÇÃO ANUAL
VARIACÃO ACUMULADA
Brasil    1.641,110 Bilhões 0,4% 1,2% 1,3%
Agropecuária   93,946 Bilhões 1,4% -2,6% 6,1%
Indústria 291,651 Bilhões 0,1% 1,6% 0,6%
Serviços 1.015,037 Bilhões 0,6% 1,5% 1,0%
Famílias 1.046,311 Bilhões 0,5% 2,8% 2,1%
Governo 305,454 Bilhões -0,4% -0,8% -0,6%
Investimento 263,155 Bilhões 0,6% 3,5% -0,1%

Em valores correntes, o PIB no primeiro trimestre (período entre janeiro e março) de 2018 totalizou R$ 1,641 trilhão. 

Taxa de Investimento 16,0%
Taxa de Poupança 16,3%

A taxa de investimento no primeiro trimestre de 2018 foi de 16,0% do PIB, abaixo da observada no mesmo período do ano anterior (15,6%). A taxa de poupança foi de 16,3%, ante 15,7% no mesmo período de 2017.

Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P: V:br D:20191023 00:25:18