INPC sobe 0,77% em outubro e bate 10,33% em 12 meses

LinkedIn

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que calcula a inflação para famílias mais pobres, com renda de até cinco salários mínimos, subiu 0,77% em outubro, 0,26 ponto percentual  acima do resultado de 0,51% de setembro. O índice, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) acumulou no ano 9,07%, bem acima dos 5,02% de igual período de 2014. Considerando os últimos 12 meses, INPC está em 10,33%, bem próximo dos 9,90% relativos aos 12 meses até setembro. Em outubro de 2014 o INPC havia sido de 0,38%.

Alimentos pressionam

Os produtos alimentícios pesaram bastante na alta do custo de vida das famílias mais pobres, com alta de 0,80% em outubro, enquanto em setembro a elevação havia sido de 0,16%. O grupo dos custos não alimentícios teve variação 0,76% em outubro, acima dos 0,66% de setembro.

Brasília lidera altas no mês

Entre as regiões, a maior inflação foi a de Brasília (1,83%) onde as tarifas dos ônibus urbanos aumentaram 23,08%, refletindo o reajuste de 33,34% a partir de 20 de setembro. O menor índice foi o de Belo Horizonte (0,41%) onde o item ônibus urbano apresentou queda de 4,86% em virtude da revogação, em 17 de setembro, do reajuste de 9,68%, concedido em 08 de agosto. Em 25 de outubro, porém, o reajuste voltou a ser aplicado.

São Paulo sobe 10,23% no ano e 11,28% em 12 meses

Em São Paulo, o INPC subiu 0,89% em outubro, ante 0,69% em setembro. O índice já acumula 10,23% no ano, a segunda maior do país, perdendo apenas para os 11,40% de Curitiba. Em 12 meses, o INPC acumula alta em São Paulo de 11,28%, só perdendo também para Curitiba, com 12,60%, e Goiânia, 12,15%.

O INPC, calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília. Para cálculo do índice do mês foram comparados os preços coletados no período de 29 de setembro a 27 de outubro de 2015 (referência) com os preços vigentes no período de 28 de agosto a 28 de setembro de 2015 (base).

Deixe um comentário