ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for pro Negocie como um profissional: Aproveite discussões em tempo real e ideias que movimentam o mercado para superar a concorrência.

IBC-Br: Economia brasileira retraiu levemente em Agosto de 2017

LinkedIn

O nível de atividade da economia brasileira aferido mensalmente pelo Banco Central (BC) caiu levemente no oitavo mês do ano. De acordo com a autoridade monetária, o IBC-Br teve retração de 0,38% em agosto de 2017, na comparação com o mês anterior, após a realização de ajustes sazonais. Nos oito primeiros meses do ano, este foi o terceiro mês de queda mensal da economia nacional.

Segundo os números divulgados pela autoridade monetária, o IBC-Br encerrou o oitavo mês de 2017 com 135,05 pontos. Com a realização dos ajustes sazonais, os valores apurados nos meses anteriores foram revisados:

  • de 135,62 para 135,57 em julho de 2017;
  • de 135,06 para 135,08 em junho de 2017;
  • de 134,32 para 134,45 em maio de 2017;
  • de 134,70 para 134,71 em abril de 2017;
  • de 134,44 para 134,50 em março de 2017;
  • de 134,99 para 135,04 em fevereiro de 2017;
  • de 133,08 para 133,27 em janeiro de 2017;
  • de 132,39 para 132,63 em dezembro de 2016;
  • de 132,61 para 132,89 em novembro de 2016;
  • de 132,53 para 132,81 em outubro de 2016;
  • de 132,82 para 133,09 em setembro de 2016;
  • de 132,80 para 133,11 em agosto de 2016;
  • de 133,64 para 133,79 em julho de 2016;
  • de 133,95 para 134,06 em junho de 2016;
  • de 133,78 para 133,84 em maio de 2016;
  • de 133,97 para 134,12 em abril de 2016;
  • de 133,79 para 133,92 em março de 2016;
  • de 134,82 para 134,92 em fevereiro de 2016; e
  • de 135,37 para 135,41 em janeiro de 2016.

Avaliando a variação mensal do indicador observado, ou seja, a oscilação de um mês para o outro sem a realização de ajustes sazonais, houve crescimento de 1,44% na economia brasileira entre julho e agosto de 2017, quando o indicador passou de 137,94 pontos (dado revisado) para 139,92 pontos.

Clique aqui e confira mais detalhes sobre o IBC-Br de Agosto de 2017.

Entenda o IBC-Br

O indicador do Banco Central é visto pelo mercado financeiro como uma antecipação do resultado do PIB. Ele é divulgado mensalmente pelo Banco Central, enquanto o PIB é divulgado a cada três meses pelo IBGE.

O IBC-Br serve de base para investidores e empresas adotarem medidas de curto prazo. Porém, não necessariamente reflete o resultado anual do PIB e, em algumas vezes, distancia-se bastante.

O indicador do BC leva em conta a trajetória das variáveis consideradas como bons indicadores para o desempenho dos setores da economia (agropecuária, indústria e serviços).

A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores, acrescida dos impostos sobre produtos. O PIB calculado pelo IBGE, por sua vez, é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país durante certo período.

Juros

O indicador é uma das ferramentas usadas pelo BC para definir a taxa básica de juros do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, a taxa Selic está em 8,25% ao ano e a estimativa do mercado é de que recue para 7% ao ano no fim de 2017.

Pelo sistema que vigora no Brasil, o BC precisa ajustar os juros para atingir as metas preestabelecidas de inflação. Quanto maiores as taxas, menos pessoas e empresas ficam dispostas a consumir, o que tende a fazer com que os preços baixem ou fiquem estáveis.

Para 2017 e 2018, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Desse modo, o IPCA, considerado a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 3% e 6%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

Gratuito - Quero ver a lista de criptomoedas - clique no banner

Deixe um comentário