Inflação: IPC-S recua em quatro das sete capitais pesquisadas

LinkedIn

De acordo com os dados apresentados nesta terça-feira (19), pela FGV/IBREO, revela que o IPC-S de 15 de dezembro deste ano, registrou variação de 0,34%, 0,05 ponto percentual abaixo da taxa divulgada na ultima operação. De sete capitais pesquisadas, quatro registraram decréscimo em suas taxas de variação.

O indicador para a cidade de Salvador, registrou variação de 0,13%, na apuração realizada na segunda semana de dezembro de 2017. O resultado foi 0,12 ponto percentual inferior da primeira semana de dezembro, que foi de 0,25%.

Quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Transportes e Habitação, cujas taxas passaram de 1,14% para 0,59%, e de -0,30% para -0,52%.

Em Brasília, foi  registrado na apuração realizada na segunda semana de dezembro de 2017, o mesmo resultado divulgado na primeira semana de dezembro, 0,47%.

Nesta edição, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram aceleração em suas taxas de variação enquanto que quatro apresentaram desaceleração. Em sentido ascendente podemos destacar o grupo Educação, Leitura e Recreação cuja taxa passou de 1,86% para 2,33%, e em sentido descendente o destaque fica por parte do grupo Habitação, 0,22% para -0,19%.

Em Porto Alegre registrou variação de 0,36%, na apuração realizada na segunda semana de dezembro de 2017. O resultado foi 0,28 ponto percentual inferior ao divulgado na primeira semana de dezembro, que foi de 0,64%.

Nesta edição, seis das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Alimentação e Comunicação, cujas taxas passaram de 0,51% para -0,04%, e de -0,41% para -0,81%.

Na cidade do Rio de Janeiro registrou variação de 0,42%, na apuração realizada na segunda semana de dezembro de 2017. O resultado foi 0,14 ponto percentual  superior ao divulgado na primeira semana de dezembro, que foi de 0,28%.

Nesta edição, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram aceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Alimentação e Educação, Leitura e Recreação, cujas taxas passaram de -0,41% para 0,38%, e de 0,26% para 0,50%, respectivamente.

Na da cidade de São Paulo registrou variação de 0,43%, na apuração realizada na segunda semana de dezembro de 2017. O resultado foi 0,03 ponto percentual inferior ao divulgado na primeira semana de dezembro, que foi de 0,46%.

Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação: Habitação (0,87% para 0,59%),
Transportes (1,25% para 1,08%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,20% para 0,18%) e Educação, Leitura e Recreação (0,48% para 0,47%). Para cada um destes grupos
destacam-se os itens: tarifa de eletricidade residencial (1,57% para 0,07%), automóvel novo (0,23% para -0,03%), medicamentos em geral (-0,10% para -0,39%) e salas de espetáculo (1,14% para 0,23%), respectivamente.

Na a cidade de Recife (IPC-S/Recife) registrou variação de 0,13%, na apuração realizada na segunda semana de dezembro de 2017. O resultado foi 0,07 ponto percentual  inferior ao divulgado na primeira semana de dezembro, que foi de 0,20%.

Nesta edição, cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Habitação e Saúde e Cuidados Pessoais, cujas taxas passaram de 0,28% para -0,08%, e de 0,42% para 0,13%, respectivamente.

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal da cidade de Belo Horizonte registrou variação de 0,28%, na apuração realizada na quarta semana de novembro de 2017. O resultado foi 0,08 ponto percentual inferior ao divulgado na terceira semana de novembro, que foi de 0,20%.

Nesta edição, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram aceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Comunicação e Alimentação, cujas taxas passaram de -0,58% para 0,95% e de -0,52% para -0,34%, respectivamente.

 

Deixe um comentário