INDICADORES: Resumo Econômico para quarta-feira

LinkedIn

Acompanhe o resumo da agenda econômica desta quarta- feira (04/03) e que está direcionando o mercado global. O destaque é o PIB do Brasil.

ÁSIA

No Brasil será apresentado o Fluxo Cambial

Na China, os dados do PMI de fevereiro sinalizaram a primeira redução da atividade comercial no setor de serviços da China registrada devido a restrições implementadas para conter o recente surto de coronavírus. Empresas de todos os setores relataram o efeito prejudicial que o vírus estava causando na economia por meio do fechamento de empresas e restrições de viagens, com o total de novos pedidos também caindo em um ritmo recorde.

Restrições à viagem também afetaram a capacidade das empresas de contratar trabalhadores, levando a uma queda renovada no número de funcionários.  Consequentemente, os pedidos em atraso de trabalho aumentaram substancialmente.

Ao mesmo tempo, a confiança dos negócios caiu para uma pesquisa baixa em fevereiro. Vários membros do painel foram mais cautelosos com suas previsões devido a um maior grau de incerteza no mercado decorrente do surto de coronavírus.

Ajustado por fatores sazonais, incluindo o Ano Novo Chinês, o índice caiu mais de 25 pontos de 51,8 em janeiro para 26,5 em fevereiro. Isso marcou um acentuado declínio na atividade comercial, que também foi o primeiro registrado desde que a pesquisa começou, há mais de 14 anos. A grande maioria dos membros do painel identificou o surto do coronavírus como o principal fator de redução de atividade, com as empresas enfrentando prolongado fechamento de empresas após o Ano Novo Chinês e restrições estritas de viagem. Os números são do Caixin.

EUROPA

Na Eurozona, o PMI da IHS Markit Composto de Saída permaneceu inalterado na leitura anterior registrando um nível de 51,6. Isso foi uma melhoria em 51,3 de janeiro e sinalizou a expansão mais forte da economia do setor privado da Zona do Euro em seis meses. Um crescimento ligeiramente mais forte foi suportado por um ganho sólido e mais firme na atividade do setor de serviços, juntamente com uma contração mais fraca da produção industrial. Embora os produtores de bens registrem uma queda na produção pelo décimo terceiro mês consecutivo, o grau em que a produção caiu foi o mais fraco desde maio de 2019.

Na Eurozona, o Índice de Atividade de Negócios de Serviços da IHS Markit melhorou para 52,6 em fevereiro, ante 52,5 no mês anterior. O crescimento está registrado há mais de seis anos e meio, embora a expansão mais recente tenha permanecido mais lenta que a média nesse período. Taxas semelhantes de expansão foram observadas em toda a região, com exceção da Irlanda, as atividades aumentaram em um ritmo considerável que foi o mais acentuado em mais de dois anos.

Países classificados por PMI composto:

Irlanda 56,7, alta em 17 meses; France 52,0 (flash: 51.9) máximo de dois meses; Espanha 51,8, máxima de dois meses; Alemanha 50,7 (flash: 51,1), baixa em dois meses; e Itália 50,7, alta em quatro meses.

Na Europa, em janeiro de 2020, em comparação com dezembro de 2019, o volume do comércio varejista, ajustado sazonalmente, subiu 0,6% na Zona do Euro (EA19) e 0,5% na UE27, segundo estimativas do Eurostat, o escritório de estatística da União Europeia. Em dezembro de 2019, o volume do comércio varejista diminuiu 1,1% na EA19 e 1,0% na União Europeia. Em janeiro de 2020, em comparação com janeiro de 2019, o índice de vendas a retalho ajustado ao calendário aumentou 1,7% na área do euro e 2,1% na UE27.

No Reino Unido, os prestadores de serviços registraram outro aumento nos negócios e de novos trabalhos em fevereiro, o que aumentou os sinais de recuperação da demanda dos clientes desde as eleições gerais no final do ano passado. Os entrevistados da pesquisa comentaram com frequência sobre uma maior disposição para gastar e o lançamento de novos projetos que foram adiados antes do Brexit.

No entanto, a pesquisa mais recente indicou que a atividade comercial, novos pedidos e empregos aumentaram a taxas mais baixas do que em janeiro. Havia uma série de relatórios citando um impacto negativo nas vendas com o surto de coronavírus, principalmente para clientes nos mercados externos.

A perda de impulso para novos negócios também contribuiu para a queda mais acentuada de pedidos em atraso desde setembro do ano passado. Ajustado pelas influências sazonais, o índice IHS Markit / CIPS de Serviços PMI registrou 53,2 em fevereiro, para permanecer acima do valor crucial de 50,0 pelo segundo mês consecutivo. A leitura mais recente caiu de 53,9 em janeiro, mas ainda é a segunda mais alta desde setembro de 2018.

Na Alemanha, de acordo com a rotatividade provisória de dados no comércio varejista em janeiro de 2020, em termos reais, 1,8% e em termos nominais, 3,0% maior que em janeiro de 2019. O número de dias abertos à venda foi de 26 em janeiro de 2020 e em janeiro de 2019. Quando ajustado pelas variações calendário e sazonal, o faturamento de janeiro de 2020 foi em termos reais 0,9% e em termos nominais 1,2% superior a dezembro de 2019.

Na Alemanha, o PMI da IHS Markit, com ajuste sazonal, para a Atividade de Negócios de Serviços, ficou em 52,5 em fevereiro, abaixo da máxima de cinco meses em 54,2 em janeiro e sua menor leitura desde novembro do ano passado. Apesar da desaceleração geral, cinco dos seis subsetores de serviços monitorados pela pesquisa ainda registraram crescimento na atividade comercial. A única exceção foi  transporte e armazenamento, que de fato foi a categoria com pior desempenho durante a maior parte do ano passado.

Na Espanha, o principal Índice de Atividades de Negócios permaneceu confortavelmente acima da marca de 50,0 em fevereiro, estendendo o período atual de crescimento para pouco menos de seis anos meio. No entanto, escorregando pelo segundo mês consecutivo em relação à alta recente de dezembro, em 52,1 em fevereiro (janeiro: 52,3), o índice sinalizou uma taxa de expansão que foi a mais fraca desde novembro de 2013. Os dados são do IHS/Markit.

Na Itália, as empresas de serviços registraram um aumento adicional na atividade comercial durante fevereiro, estendendo a atual sequência de crescimento para nove meses. Além disso, a expansão foi a mais rápida desde outubro do ano passado, com o volume de encomendas subindo à taxa mais rápida em quatro meses. Sinais de melhora da demanda levaram as empresas a contratar mais funcionários e a criação de empregos acelerou a um ritmo moderado. Enquanto isso, os preços de venda caíram pelo sétimo mês consecutivo, quando os participantes do painel responderam às pressões competitivas. O índice principal do relatório, o Índice de Atividade de Negócios, ajustado sazonalmente, ficou em 52,1 em fevereiro, ante a estimativa de 51,4. Os dados são do IHS Markit.

Na França, os dados do PMI de fevereiro apontaram para uma re-aceleração do crescimento da atividade no setor de serviços. A sólida expansão foi apoiada por um crescimento mais rápido de novos pedidos e um aumento acentuado no emprego. Em meio à melhoria das condições de demanda, as empresas foram capazes de aumentar os encargos médios de produção na taxa mais rápida por oito anos e meio. Enquanto isso, a positividade para as perspectivas de negócios de 12 meses subiu para o nível mais forte em dez meses. O PMI da IHS Markit, sazonalmente ajustado, ficou em 52,5 ante a estimativa de 52,6.

CANADÁ

No Canadá, a produtividade do trabalho das empresas caiu 0,1% no quarto trimestre, após registrar um ganho de 0,2% no terceiro trimestre. Esta foi a primeira queda em um ano. O produto interno bruto real (PIB) das empresas (-0,1%) caiu ligeiramente no quarto trimestre, após 13 trimestres consecutivos de crescimento. O declínio na produção foi resultado principalmente de uma queda nas empresas produtoras de bens (-0,6%), liderada pelo setor manufatureiro. O crescimento da produção de empresas produtoras de serviços (+ 0,4%) continuou, mas em ritmo mais lento do que no trimestre anterior. Os números são do Governo Canadense.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, as vagas de emprego no setor privado ficaram em 183 mil de janeiro a fevereiro, de acordo com o ADP National Employment Report. O relatório, que é derivado dos dados reais da folha de pagamento da ADP, mede a mudança no total de empregos privados não-agrícolas a cada mês, com ajuste sazonal e serve de base para os dados do governo medidos no Payroll. A estimativa era de 170 mil.

Nos Estados Unidos, os dados de fevereiro sinalizaram a primeira contração da atividade comercial do setor de serviços em quatro anos. A redução na produção resultou apenas de um aumento fracionário na demanda de clientes e de uma contração adicional em novos negócios do exterior, à medida que os clientes impediam de fazer pedidos em meio à incerteza econômica global e ao surto de coronavírus. Como resultado, a confiança das empresas permaneceu historicamente reduzida e o crescimento do emprego caiu para o mais fraco desde novembro passado.

Os esforços para atrair e reter clientes e um ritmo mais suave da inflação de preços de insumos levaram a um aumento mais lento dos encargos de produção. A taxa de inflação dos preços de venda diminuiu para um mínimo de três meses.

O Índice de Atividade de Negócios dos Serviços IHS Markit, ajustado sazonalmente, registrou 49,4 em fevereiro, inalterado em relação ao número ‘flash’, mas notavelmente abaixo dos 53,4 vistos no início do ano. A contração na produção foi apenas marginal em geral, mas foi a mais rápida em seis anos. As empresas atribuíram o declínio a condições de demanda doméstica menos robustas e uma queda adicional nas vendas de exportação.

Nos Estados Unidos, a atividade econômica no setor não-manufatureiro cresceu em fevereiro pelo 121º mês consecutivo, dizem os executivos de compras e suprimentos do país no mais recente ISM.

O NMI registrou 57,3%, o que é 1,8 ponto percentual maior que os 55,5% em janeiro, o que representa um crescimento contínuo do setor não manufatureiro, a uma taxa mais rápida.

O índice de atividades de negócios não manufatureiros caiu para 57,8%, 3,1 p.p abaixo da leitura de 60,9% em janeiro, refletindo o crescimento pelo 127º mês consecutivo.

O Índice de Novas Ordens registrou 63,1%, 6,9 p.p acima da leitura de 56,2% em janeiro.

O Índice de Emprego aumentou 2,5 p.p em fevereiro, para 55,6%, ante a leitura de 53,1% de janeiro.

A leitura de 50,8 é 4,7 p.p abaixo dos 55,5% de janeiro, indicando que os preços aumentaram em fevereiro pelo 33º mês consecutivo.

O NMI mostrou que 16 indústrias não manufatureiras registraram crescimento. O setor não-manufatureiro refletiu o crescimento contínuo em fevereiro.

Nos Estados Unidos serão apresentados os Estoques de Petróleo.

BRASIL

No Brasil, em 2019, o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 1,1% frente a 2018, após altas de 1,3% em 2018 e 2017, e de retrações de 3,5% em 2015 e 3,3% em 2016. Houve altas na Agropecuária (1,3%), na Indústria (0,5%) e Serviços (1,3%). O PIB totalizou R$ 7,3 trilhões em 2019.

O PIB per capita variou 0,3% em termos reais, alcançando R$ 34.533 em 2019. A taxa de investimento em 2019 foi de 15,4% do PIB, acima do observado em 2018 (15,2%). Já a taxa de poupança foi de 12,2% (ante 12,4% em 2018).

Frente ao 3º trimestre, na série com ajuste sazonal, o PIB teve alta de 0,5% no 4º trimestre de 2019.

A Indústria e os Serviços apresentaram variação positiva de 0,2% e 0,6%, respectivamente, enquanto a Agropecuária recuou (-0,4%).

O setor de serviços cresceu 1,3%, puxado por atividades de informação e comunicação (4,1%), atividades imobiliárias (2,3%), comércio (1,8%), outras atividades de serviços (1,3%), atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,0%) e transporte, armazenagem e correio (0,2%).

Deixe um comentário