Confira os Indicadores Econômicos desta terça-feira (06/10/2020)

LinkedIn

BRASIL

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) de setembro subiu 0,89%, ficando 0,34 ponto percentual (p.p.) acima de agosto quando o índice registrou taxa de 0,55%. Com este resultado, o indicador acumula alta de 3,13% no ano e 4,54% nos últimos 12 meses.

Em setembro o IPC-BR variou 0,82%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 3,62%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1, conforme tabela no Press Release.

Os preços do conjunto de alimentos básicos, necessários para as refeições de uma pessoa adulta durante um mês, pesquisadas em setembro. As maiores altas foram observadas em Florianópolis (9,80%), Salvador (9,70%) e Aracaju (7,13%), de acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Em São Paulo, a cesta custou R$ 563,35, com elevação de 4,33% na comparação com agosto. No ano, o preço do conjunto de alimentos subiu 11,22% e, em 12 meses, 18,89%. Segundo o estudo, com base na cesta mais cara (Florianópolis R$ 582,40), o salário mínimo necessário para adquirir os produtos deveria ter sido de R$ 4.892,75, o que corresponde a 4,68 vezes o mínimo vigente de R$ 1.045,00.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) projeta uma retração de 4,8% nas vendas para o Dia das Crianças, comemorado na próxima segunda-feira, dia 12 de outubro. Segundo os dados da pesquisa divulgada hoje (6) pela entidade, esta é a primeira retração depois de quatro anos, mas não é a pior já registrada, pois a queda em 2016 foi de 8,1%.

Para o presidente da CNC, José Roberto Tadros, dificuldades enfrentadas no mercado de trabalho, que registra desemprego em alta, aumento da informalidade e subutilização da força de trabalho, prejudicam as vendas deste ano.

O único setor com expectativa de crescimento para a data é o de hiper e supermercados, na comparação com o mesmo período de 2019, e devem movimentar R$ 4,4 bilhões, uma alta 3,2%. O segmento de brinquedo e eletroeletrônicos deve registrar queda de 2,5% ou R$ 1,3 bilhão; as livrarias e papelarias devem diminuir as vendas em 9,9% ou R$ 48,1 milhões; e lojas de vestuário e calçados esperam ter uma perda de 22,1% ou R$ 489 milhões.

A demanda por bens industriais no Brasil cresceu 5,9% em agosto, na comparação com julho, segundo dados divulgados hoje (6) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Quando a base de comparação é agosto do ano passado, porém, é constatada uma queda de 7,6% na demanda por bens industriais.

Segundo o Ipea, a demanda por bens de capital teve recuo de 0,2% ante julho, o que demonstra estagnação dessa categoria. Já os bens intermediários tiveram alta de 5,7%, e os bens de consumo duráveis, de 14,2%.

A pesquisa considera tanto os bens produzidos no país quanto os importados.

O Índice GfK-4E de atividade no varejo eletroeletrônico subiu 1,40% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal. Na comparação com agosto de 2019, sem ajuste, o índice registra alta de 43,80%, segundo informaram a GfK e a 4E Consultoria.

A metodologia do Índice GfK-4E de Atividade no Varejo Eletrônico procura replicar os processos de ponderação e deflação utilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na Pesquisa Mensal de Comércio (PMC).

ESTADOS UNIDOS

O déficit comercial dos EUA subiu em agosto para o nível mais alto em 14 anos.

O Departamento de Comércio informou na terça-feira que a diferença entre os bens e serviços que os Estados Unidos vendem e o que compra no exterior aumentou 5,9% em agosto, para US $ 67,1 bilhões.

O déficit politicamente sensível na troca de mercadorias com a China caiu 6,7%, para US $ 26,4 bilhões.

Até agora neste ano, os Estados Unidos registraram um déficit comercial de US $ 421,8 bilhões, um aumento de 5,7% em relação a janeiro-agosto de 2019. As exportações aumentaram 2,2%, para US $ 171,9 bilhões, mas as importações aumentaram mais – 3,2%, para US $ 239 bilhões.

Nos Estados Unidos, o número de vagas de emprego pouco mudou em 6,5 milhões no último dia útil de agosto e a taxa ficou em 4,4%, informou o Departamento do Trabalho.

As contratações pouco mudaram em 5,9 milhões em agosto. O total de separações diminuiu para 4,6 milhões. Dentro das separações, a taxa de demissões foi pouco alterada em 2,0%, enquanto a taxa de dispensas e caiu 1,0%. Este comunicado inclui estimativas do número e da taxa de vagas, contratações e separações para o setor não agrícola total, por setor e por quatro regiões geográficas.

Ao longo do mês, o número de vagas de emprego caiu para o total privado (-242 mil) e pouco mudou para o governo. As vagas de emprego diminuíram na construção (-68.000) e na informação (-25.000). O número de vagas de trabalho diminuiu na região Centro-Oeste.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, pediu na terça-feira um estímulo fiscal e monetário agressivo contínuo para uma recuperação econômica que, segundo ele, ainda tem “um longo caminho pela frente”. Isso poderia “levar a uma recuperação fraca, criando dificuldades desnecessárias para famílias e empresas” e impedir uma recuperação que até agora progrediu mais rapidamente do que o esperado.

Powell alertou que recuar agora com ajuda fiscal e monetária corre o risco de perder o ímpeto e provocar uma desaceleração adicional que não se pareceria com a induzida pelo governo que começou em fevereiro, mas sim uma desaceleração mais tradicional que seria mais difícil para se recuperar e piorar o hiato de riqueza dos EUA. Embora o Fed tenha cortado sua taxa de empréstimo de referência de curto prazo para quase zero e instituído uma série de programas de empréstimo e liquidez, o Congresso continua paralisado em fornecer mais ajuda.

“Embora os efeitos combinados das políticas fiscal e monetária tenham ajudado na recuperação sólida do mercado de trabalho até agora, ainda há um longo caminho a percorrer”, disse Powell.

O presidente Donald Trump disse na terça-feira (06) aos negociadores de seu governo para encerrar as negociações de estímulo ao coronavírus com os democratas até depois da eleição de 3 de novembro.

A declaração, se a Casa Branca a seguir, interromperá um esforço contínuo para enviar trilhões de dólares a mais em socorro aos americanos, enquanto o surto se espalha pelos EUA e a economia luta para se recuperar de paralisações relacionadas ao vírus. O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, falaram por uma hora sobre um pacote de ajuda na segunda-feira e planejaram falar novamente na terça-feira.

O presidente acrescentou que pediu ao líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, que “se concentrasse em tempo integral” na confirmação da indicada para a Suprema Corte, Amy Coney Barrett. Trump conversou com os líderes congressistas republicanos sobre os planos de estímulo no início do dia.

EUROPA
Na Alemanha, de acordo com os resultados provisórios do Instituto Federal de Estatística (Destatis), as novas encomendas reais (com ajuste de preço) subiram 4,5%, com ajuste de calendário em agosto de 2020 em comparação com julho de 2020. Em comparação com agosto de 2019, a queda, com ajuste de calendário, foi para -2,2%. Excluindo os pedidos principais, os novos pedidos reais na indústria (ajustados sazonalmente e pelo calendário) também subiram 4,5% do que no mês anterior. A crise coronavírus afetou o desenvolvimento na indústria há vários meses.

No Reino Unido, o índice de Atividade Total de Construção IHS Markit / CIPS do Reino Unido, sazonalmente ajustado, ficou em 56,8 em setembro, ante 54,6 em agosto. Qualquer valor acima de 50,0 indica crescimento da produção total da construção. A última leitura apontou para uma reaceleração na taxa da atividade e um forte aumento geral.

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, reforçou nesta terça-feira que a recuperação econômica na zona do euro será “incompleta, incerta e desigual”. “Temo que recuperação, em vez de em V, seja mais agitada”, alertou, durante evento virtual promovido pelo Wall Street Journal. Ela ainda repetiu que o BCE não tem uma taxa de câmbio, mas que está atento à recente escalada do euro.

Mostrando-se preocupada com a segunda onda de covid-19 na Europa, sobretudo em países como França e Espanha, a dirigente destacou que não haverá recuperação econômica completa antes do fim de 2022. Por isso, defendeu a permanência de acomodação monetária e fiscal neste durante a crise, sob diferentes estratégias de estímulo. “Mexer em taxa de juros não necessariamente funciona bem em um momento de crise”, ponderou.

ÁSIA

Na Austrália, o Grupo de Bancos da Nova Zelândia mostrou que o total de anúncios de emprego cresceu 7,8% para uma média de 118.424, quase o dobro de uma baixa de 63.565 em maio. Os anúncios saltaram todos os meses desde uma queda recorde de 53,2% em abril, quando ocorreu a primeira onda de bloqueios.

Na Austrália, o saldo ajustado sazonalmente sobre o excedente de bens e serviços diminuiu US$ 2.009 milhões para US$ 2.643 milhões em agosto. As exportações caíram US$ 1.431 milhões (4%) para US$ 32.638 milhões.  As importações aumentaram US$ 579 milhões (2%) para US$ 29.996 milhões.

Exportações de bens e serviços (créditos): queda de US$ 1.431 milhões (4%) nas exportações de bens e serviços para US$ 32.638 milhões, ajustados sazonalmente; queda de US$ 2.234 milhões (62%) em ouro não monetário; queda de US$ 140 milhões (3%) em serviços; aumento de US$ 577 milhões (3%) em bens não rurais; e aumento de US$ 366 milhões (12%) em bens rurais. Os dados são do Governo da Austrália

Deixe um comentário