Temporada de balanços do 3T20 começa em outubro; Veja o Calendário completo de todas as empresas listadas na B3

LinkedIn

A divulgação dos resultados do 3º trimestre de 2020 (3T20) das empresas listadas na Bolsa tem previsão para começar no dia 15 de outubro, com a divulgação da CSN.

Confira a previsão de divulgação dos resultados do 3t20

Empresa

Ativo

Próximo Balanço

SID NACIONAL

CSNA3

15/10/2020

CELPE

CEPE5

20/10/2020

AFLUENTE

AFLT3

20/10/2020

INDS ROMI

ROMI3

20/10/2020

ELEKTRO

EKTR4

20/10/2020

COSERN

CSRN3

20/10/2020

COELBA

CEEB3

20/10/2020

NEOENERGIA

NEOE3

20/10/2020

WEG

WEGE3

21/10/2020

HYPERA

HYPE3

23/10/2020

CIELO

CIEL3

27/10/2020

SMILES

SMLS3

27/10/2020

RAIA DROGASIL

RADL3

27/10/2020

LOCALIZA

RENT3

27/10/2020

LOJAS RENNER

LREN3

27/10/2020

PETROBRAS

PETR4

28/10/2020

EMBRAER

EMBR3

28/10/2020

TUPY

TUPY3

28/10/2020

MAGAZINE LUIZA

MGLU3

28/10/2020

MULTIPLAN

MULT3

28/10/2020

ODONTOPREV

ODPV3

28/10/2020

CESP

CESP6

28/10/2020

ENERGIAS BR

ENBR3

28/10/2020

GERDAU MET

GOAU4

28/10/2020

GERDAU

GGBR4

28/10/2020

SANTANDER BR

SANB11

28/10/2020

BRADESCO

BBDC4

28/10/2020

VALE

VALE3

28/10/2020

SUZANO HOLD

NEMO5

29/10/2020

SUZANO PAPEL

SUZB3

29/10/2020

USIMINAS

USIM5

29/10/2020

PETRORIO

PRIO3

29/10/2020

AREZZO CO

ARZZ3

29/10/2020

B2W DIGITAL

BTOW3

29/10/2020

FLEURY

FLRY3

29/10/2020

GRENDENE

GRND3

29/10/2020

LOJAS AMERICANAS

LAME4

29/10/2020

CIA HERING

HGTX3

29/10/2020

ISA CTEEP

TRPL4

29/10/2020

AMBEV S/A

ABEV3

29/10/2020

LOG Commercial

LOGG3

29/10/2020

PAGUE MENOS

PGMN3

29/10/2020

GOL

GOLL4

30/10/2020

DURATEX

DTEX3

30/10/2020

CELULOSE IRANI

RANI3

30/10/2020

PARANAPANEMA

PMAM3

30/10/2020

ITAU UNIBANCO

ITUB4

03/11/2020

KLABIN

KLBN11

03/11/2020

IOCHP-MAXION

MYPK3

03/11/2020

MARCOPOLO

POMO4

03/11/2020

MOVIDA

MOVI3

03/11/2020

MINERVA

BEEF3

03/11/2020

TIM

TIMP3

03/11/2020

PORTO SEGURO

PSSA3

03/11/2020

BB SEGURIDADE

BBSE3

03/11/2020

PROFARMA

PFRM3

04/11/2020

SÃO CARLOS

SCAR3

04/11/2020

BR PROPERT

BRPR3

04/11/2020

ECORODOVIAS

ECOR3

04/11/2020

ALPARGATAS

ALPA4

04/11/2020

ULTRAPAR

UGPA3

04/11/2020

ABC BRASIL

ABCB4

04/11/2020

PÃO DE AÇUCAR

PCAR3

04/11/2020

ALPER

APER3

04/11/2020

BANCO PAN

BPAN4

04/11/2020

PROFARMA DISTRIBUIDORA

DMVF3

04/11/2020

AZUL

AZUL4

05/11/2020

BRASKEM

BRKM5

05/11/2020

VALID

VLID3

05/11/2020

LIGHT SA

LIGT3

05/11/2020

BMG

BMGB4

05/11/2020

TRIUNFO PART

TPIS3

05/11/2020

WIZ S.A

WIZS3

05/11/2020

TENDA

TEND3

05/11/2020

IGUATEMI

IGTA3

05/11/2020

AES TIETÊ

TIET11

05/11/2020

JHSF PART

JHSF3

05/11/2020

SANEPAR

SAPR11

05/11/2020

ENGIE BRASIL

EGIE3

05/11/2020

BANCO DO BRASIL

BBAS3

05/11/2020

CELPA

CELP5

05/11/2020

EQTL PARA

EQPA3

05/11/2020

TECHNOS

TECN3

05/11/2020

BIOMM

BIOM3

06/11/2020

TEGMA

TGMA3

06/11/2020

M.DIAS BRANCO

MDIA3

06/11/2020

SLC AGRICOLA

SLCE3

06/11/2020

IRB BRASIL

IRBR3

09/11/2020

LOJAS MARISA

AMAR3

09/11/2020

VULCABRAS

VULC3

09/11/2020

OSX BRASIL

OSXB3

09/11/2020

POSITIVO TEC

POSI3

09/11/2020

LINX

LINX3

09/11/2020

OUROFINO S/A

OFSA3

09/11/2020

DIRECIONAL

DIRR3

09/11/2020

PORTOBELLO

PTBL3

09/11/2020

BRF S/A

BRFS3

09/11/2020

ITAUSA

ITSA4

09/11/2020

YDUQS

YDUQ3

09/11/2020

BURGUER KING BRASIL

BKBR3

10/11/2020

ENERGISA

ENGI11

10/11/2020

LOG IN

LOGN3

10/11/2020

BR BROKERS

BBRK3

10/11/2020

SANTOS BRASIL

STBP3

10/11/2020

DIMED

PNVL3

10/11/2020

ETERNIT

ETER3

10/11/2020

BANESTES

BEES3

10/11/2020

ENERGISA MT

ENMT3

10/11/2020

QUALICORP

QUAL3

10/11/2020

REDE ENERGIA

REDE3

10/11/2020

COMGÁS

CGAS5

10/11/2020

PETROBRAS BR

BRDT3

10/11/2020

CARREFOUR

CRFB3

10/11/2020

BTG PACTUAL

BPAC11

10/11/2020

ESTAPAR

ALPK3

10/11/2020

SINQIA

SQIA3

10/11/2020

CCR

CCRO3

11/11/2020

TECNISA

TCSA3

11/11/2020

METAL LEVE

LEVE3

11/11/2020

ROSSI RESID

RSID3

11/11/2020

TIME FOR FUN

SHOW3

11/11/2020

GAFISA

GFSA3

11/11/2020

PINE

PINE4

11/11/2020

ELETROPAR

LIPR3

11/11/2020

IHPARDINI

PARD3

11/11/2020

EUCATEX

EUCA4

11/11/2020

FRAS-LE

FRAS3

11/11/2020

UNIPAR

UNIP6

11/11/2020

EVEN

EVEN3

11/11/2020

SER EDUCACIONAL

SEER3

11/11/2020

TOTVS

TOTS3

11/11/2020

VIA VAREJO

VVAR3

11/11/2020

MRV

MRVE3

11/11/2020

ALUPAR

ALUP11

11/11/2020

TAESA

TAEE11

11/11/2020

ELETROBRAS

ELET3

11/11/2020

ALIANSCE SONAE

ALSO3

11/11/2020

BANRISUL

BRSR6

11/11/2020

ENAUTA

ENAT3

11/11/2020

RUMO S.A

RAIL3

11/11/2020

OI

OIBR3

12/11/2020

BR MALLS PAR

BRML3

12/11/2020

SARAIVA LIVR

SLED4

12/11/2020

CENTAURO

CNTO3

12/11/2020

MOURA DUBEAUX

MDNE3

12/11/2020

ALLIAR

AALR3

12/11/2020

SPRINGS

SGPS3

12/11/2020

INDUSVAL

IDVL4

12/11/2020

LUPATECH

LUPA3

12/11/2020

MELHOR SP

MSPA3

12/11/2020

LOCAMERICA

LCAM3

12/11/2020

METALFRIO

FRIO3

12/11/2020

MILLS

MILS3

12/11/2020

TERRA SANTA

TESA3

12/11/2020

LOPES BRASIL

LPSB3

12/11/2020

SANTANENSE

CTSA3

12/11/2020

RNI

RDNI3

12/11/2020

CR2

CRDE3

12/11/2020

MAESTRO LOCADORA

MSRO3

12/11/2020

UNICASA

UCAS3

12/11/2020

BANCO INTER

BIDI4

12/11/2020

ANIMA

ANIM3

12/11/2020

CSU CARDSYSTEM

CARD3

12/11/2020

KEPLER WEBER

KEPL3

12/11/2020

STARA

STTR3

12/11/2020

TRISUL

TRIS3

12/11/2020

RANDON PART

RAPT4

12/11/2020

ENEVA

ENEV3

12/11/2020

CYRELA REALT

CYRE3

12/11/2020

EZTEC

EZTC3

12/11/2020

SIMPAR

SIMH3

12/11/2020

BRADESPAR

BRAP4

12/11/2020

SABESP

SBSP3

12/11/2020

COSAN LOG

RLOG3

12/11/2020

CPFL ENERGIA

CPFE3

12/11/2020

SUL AMERICA

SULA11

12/11/2020

COPEL

CPLE6

12/11/2020

MARFRIG

MRFG3

12/11/2020

JBS

JBSS3

12/11/2020

B3

B3SA3

12/11/2020

C&A

CEAB3

12/11/2020

CPFL RENOVÁVEL

CPRE3

12/11/2020

COTEMINAS

CTNM4

12/11/2020

INTER CONSTRUTORA

INNT3

12/11/2020

NATURA

NTCO3

12/11/2020

VIVARA

VIVA3

12/11/2020

CEEE-D

CEED3

13/11/2020

PDG REALT

PDGR3

13/11/2020

COSAN

CSAN3

13/11/2020

RESTOQUE

LLIS3

13/11/2020

RENOVA

RNEW4

13/11/2020

FER HERINGER

FHER3

13/11/2020

OMEGA GER

OMGE3

13/11/2020

CEDRO

CEDO4

13/11/2020

VIVER

VIVR3

13/11/2020

HELBOR

HBOR3

13/11/2020

MMX MINER

MMXM3

13/11/2020

PRINER

PRNR3

13/11/2020

MUNDIAL

MNDL3

13/11/2020

BAHEMA EDUCAÇÃO

BAHI3

13/11/2020

CONSTRUTORA ADOLFO L

CALI4

13/11/2020

AÇO ALTONA

EALT4

13/11/2020

WLM

WLMM4

13/11/2020

CYRELA COMMERCIAL PROP

CCPR3

13/11/2020

FERBASA

FESA4

13/11/2020

BANCO MERCANTIL

BMEB4

13/11/2020

CELESC

CLSC4

13/11/2020

BRB BANCO

BSLI3

13/11/2020

CEEE-GT

EEEL3

13/11/2020

COPASA

CSMG3

13/11/2020

EQUATORIAL

EQTL3

13/11/2020

CEMIG

CMIG4

13/11/2020

BBM LOGÍSTICA

BBML3

13/11/2020

BANCO BANPARÁ

BPAR3

13/11/2020

BRQ

BRQB3

13/11/2020

GRAZZIOTIN

CGRA4

13/11/2020

COGNA

COGN3

13/11/2020

POMIFRUTAS

FRTA3

13/11/2020

GENERAL SHOP

GSHP3

13/11/2020

HERCULES

HETA4

13/11/2020

INEPAR

INEP4

13/11/2020

LIFEMED

LMED3

13/11/2020

IMC S/A

MEAL3

13/11/2020

MITRE REALTY

MTRE3

13/11/2020

NUTRIPLANT

NUTR3

13/11/2020

PLANO & PLANO

PLPL3

13/11/2020

FORJA TAURUS

TASA4

13/11/2020

DOMMO

DMMO3

14/11/2020

SMARTFIT

SMFT3

16/11/2020

INTERMEDICA

GNDI3

16/11/2020

HAPVIDA

HAPV3

16/11/2020

AMBIPAR

AMBP3

16/11/2020

ATMA

ATMP3

16/11/2020

CVC BRASIL

CVCB3

16/11/2020

PET MANGUINH

RPMG3

16/11/2020

CAMIL ALIMENTOS

CAML3

07/01/2021

BIOSEV

BSEV3

11/02/2021

BRASIL AGRO

AGRO3

10/05/2021

METAL IGUAÇU

MTIG4

HAGA

HAGA4

GUARARAPES

GUAR3

DASA

DASA3

PLASCAR PART

PLAS3

SANSUY

SNSY5

TEKA

TEKA4

HOTEIS OTHON

HOOT4

TELEBRAS

TELB4

MANGELS

MGEL4

MONT ARANHA

MOAR3

SP TURISMO

AHEB5

SPRINGER

SPRI3

PAR AL BAHIA

PEAB3

DOHLER

DOHL4

ESTRELA

ESTR4

HABITASUL

HBTS5

WETZEL

MWET4

IND CATAGUAS

CATA3

KARSTEN

CTKA3

ALIPERTI

APTI4

RECRUSUL

RCSL4

MERC INVEST

BMIN4

NORDON MET

NORD3

FERROVIA CENTRO ATL

VSPT3

TEKNO

TKNO4

INVEST BEMGE

FIGE3

DTCOM

DTCY3

BIC MONARK

BMKS3

MERCANTIL DO BRASIL

MERC4

PADTEC HOLDING

PDTC3

RIO SULENSE

RSUL4

BATTISTELLA

BTTL3

BANCO NORDESTE

BNBR3

PANATLANTICA

PATI3

BANESE

BGIP4

ALFA

RPAD6

BAUMER

BALM4

SCHULZ

SHUL4

ALFA FINANC

CRIV3

CELGPAR

GPAR3

JOSAPAR

JOPA3

SONDOTECNICA

SOND6

ALFA CONSORCIO

BRGE3

EMAE

EMAE4

ALFA INVEST

BRIV4

CASAN

CASN4

ODERICH

ODER4

COELCE

COCE5

AMPLA ENERG

CBEE3

JEREISSATI

JPSA3

WHIRLPOOL

WHRL4

GER PARANAP

GEPA4

CEG

CEGR3

AMAZONIA

BAZA3

TELEF BRASIL

VIVT4

METISA

MTSA4

ADVANCED-DH

ADHM3

ATOMPAR

ATOM3

AZEVEDO

AZEV4

EXCELSIOR

BAUH4

BARDELLA

BDLL4

BOA VISTA

BOAS3

BOMBRIL

BOBR4

CEB

CEBR3

COR RIBEIRO

CORR4

CRISTAL

CRPG5

SEG AL BAHIA

CSAB3

CURY

CURY3

ENCORPAR

ECPR3

ELEKEIROZ

ELEK4

GPC PART

GPCP3

IGB S/A

IGBR3

J B DUARTE

JBDU4

JOAO FORTES

JFEN3

LAVVI

LAVV3

QUERO-QUERO

LJQQ3

TREVISA

LUXM4

LOCAWEB

LWSA3

CEMEPE

MAPT4

MELNICK

MELK3

MINUPAR

MNPR3

NADIR FIGUEIREDO

NAFG4

PETZ

PETZ3

PPLA UNT

PPLA11

PORTO SUDESTE

PSVM11

PETTENATI

PTNT4

SÃO MARTINHO

SMTO3

GRUPO SOMA

SOMA3

TECNOSOLO

TCNO4

TEX RENAUX

TXRX4

Visão do mercado 2T20

Segundo a XP, 43%dos resultados do 2T20 foram em linha com o que o consenso esperava e 28% acima da expectativa. Já em relação aos parâmetros XP, 51% dos resultados foram acima do esperado e 26% em linha com as expectativas.

Com o início da disseminação do novo coronavírus no Brasil e o forte impacto da pandemia na economia, como visto com a contração de 1,5% do PIB no primeiro trimestre de 2020, o mercado já esperava resultados fracos da maioria das empresas no segundo trimestre.

Em números, a expectativa era de uma queda de 73% de lucros operacionais (EBITDA) para o Ibovespa no 2T20 em relação ao segundo trimestre de 2019 (2T19). A projeção de lucro por ação do Ibov projetada pelo consenso para o segundo tri 2020 era -1,811 em comparação à 1,908 no segundo tri 2019, uma queda de 194%. Além disso, o mercado esperava uma queda nos lucros do Ibovespa de 57% para o ano de 2020.

Devido à atipicidade da conjuntura atual, os investidores devem estar mais atentos à comparação dos resultados vs. as expectativas do consenso do que à comparação dos números do segundo trimestre 2020 vs. segundo trimestre 2019, além de se atentarem para a alavancagem (endividamento) e liquidez das empresas e analisar a capacidade de passarem pelos meses difíceis à frente.

Um ponto positivo é que a abertura dos mercados de capitais e de dívidas, acompanhada por grandes ofertas na Bolsa (IPOs e follow on), faz com que as empresas consigam ter um maior caixa, melhorando seu balanço e ficando mais confortáveis para passar pela crise, além de conseguirem aumentar o nível de investimentos nos próximos meses.

Outros indicadores para os quais os investidores devem estar mais atentos são as expectativas das companhias para os próximos meses, para entender se haverá uma recuperação mais rápida ou mais lenta, além de planos de digitalização das empresas, diferenciando as mais preparadas para o mundo pós pandemia das menos preparadas, e fatores ESG (da sigla em inglês, Ambiente, Social e Governança).

Os resultados vêm surpreendendo positivamente o mercado, assim como indicadores de atividade referentes ao segundo trimestre, que foram levemente menos negativos do que o esperado. As medidas de estímulos fiscais e monetários para famílias e empresas adotadas pelo governo começaram a mostrar resultados e conseguiram amenizar o efeito da crise em diversos setores, de forma que o mercado vem melhorando gradativamente as expectativas para o PIB. Revisamos nossa projeção para o PIB de -6,0% para -4,8% em 2020 e de +2,5% para +3,0% em 2021, além de revisarmos o target do Ibovespa para 115.000 pontos de 112.000 pontos

Destaques Positivos do 2T20

Tenda (TEND3): A Tenda divulgou resultados robustos referente ao 2T20, impulsionados pela receita líquida maior do que o esperado, devido ao melhor desempenho de vendas e um mix de vendas mais favorável. Como esperado, a margem bruta permaneceu pressionado no segundo trimestre e limitou a melhora na margem líquida (em comparação ao trimestre passado). No balanço patrimonial, a Tenda registrou uma geração de caixa de R$55,9 milhões no período, reforçando sua forte posição de caixa de R$188 milhões. Apesar dos resultados acima do esperado no trimestre, mantemos nossa visão conservadora sobre a performance das ações dado que acreditamos que sua performance positiva já precificado.

AES Tietê (TIET11): A AES Tietê reportou EBITDA ajustado no 2T20 de R$ 284,0 milhões acima da nossa estimativa de R$ 263,7 milhões (+7,7%), devido principalmente ao efeito de dois não recorrentes: (i) despesa de R$ 31,0 milhões, referente à contratação de assessores financeiros e legais para análise da proposta da Eneva e (ii) reversão de uma provisão em R$ 22,6 milhões, devido à reavaliação do processo de repasse de energia de Itaipu.

SulAmérica (SULA11): A SulAmérica apresentou fortes resultados, superando até as já altas expectativas para o trimestre. O lucro cresceu 91% A/A e 524% T/T para R$ 498 milhões (vs. R$ 441 milhões das estimativas coletadas pela Bloomberg), implicando um ROE de 27% no trimestre. O resultado foi impulsionado principalmente por uma menor taxa de perda, que caiu 12pps A/A devido à falta de uso dos clientes durante o bloqueio e também por receitas mais altas, que cresceram 5% A/A impulsionadas pelo segmento de saúde. No entanto, a base de clientes também surpreendeu positivamente, assim como os prêmios. Embora esse resultado não seja sustentável, acreditamos que investidores devem receber bem o desempenho no trimestre.

Gerdau (GGBR4): A Gerdau reportou EBITDA em R$1,32 bilhões – considerando R$119 milhões de itens não recorrentes referentes à parada das fábricas – foi +44% e +38% acima das nossas estimativas e as do consenso, respectivamente. Os principais destaques foram os volumes mais fortes nas unidades do Brasil, seguindo o aumento das exportações, e margens saudáveis em todas as linhas. O Fluxo de Caixa Livre foi de R$205 milhões no período devido aos esforços da companhia em garantir liquidez. A Dívida Líquida atingiu R$14,4 bilhões (de R$14,1 bilhões no 1T), enquanto a alavancagem, medida pela razão Dívida Líquida/EBITDA, aumentou para 2,78x, contra 2,55x no 1T20, dada a alta do dólar.

Klabin (KLBN11): A Klabin reportou números operacionais melhores que o esperado no segundo trimestre, com EBITDA de R$1.333 milhões, 7% acima do nosso e 10% acima do consenso (+30% T/T, +39% A/A). O principal destaque foi o volume de papel sinalizando poucos impactos do Covid-19. Além disso, volumes de celulose vieram em linha com a nossa previsão e os preços foram beneficiados pelo aumento no câmbio.

Iguatemi (IGTA3): A Iguatemi reportou resultados fracos no 2T20, mas ainda assim acima das nossas estimativas e do consenso de forma geral. A receita líquida, excluindo o efeito da linearização das concessões dadas aos lojistas, foi de R$ 85 milhões (-55% a/a) e o FFO (fluxo de caixa das operações) atingiu R$ 29 milhões (-68% a/a), acima do estimado apesar de ainda se tratar de um cenário altamente desafiador. A diferença para as nossas estimativas reflete, do lado positivo, descontos mais baixos que o previsto, uma taxa de ocupação um pouco melhor e despesas financeiras menores, mas esses impactos foram parcialmente compensados ​​por receitas mais fracas que o esperado de estacionamento/administração e custos e despesas mais pressionados. As Vendas Mesmas Lojas (SSS) caíram 71% no 2T20, enquanto as vendas dos shoppings apresentaram queda de ~83% a/a e os Aluguéis Mesmas Lojas (SSR) cairam 79% (líquido de descontos e provisões), refletindo impacto direto das restrições impostas às operações dos shoppings.

Porto Seguro (PSSA3): Porto Seguro reportou bons resultados no 2T20, acima das expectativas que já eram elevadas. O lucro veio acima das estimativas, crescendo 72% A/A atingindo R$ 657 milhões (vs. R$ 502 milhões estimado pelo consenso da Bloomberg), implicando em um ROE de 35% (vs. 22% no 2T19). No entanto, a empresa também efetuou provisões técnicas em R$ 227 milhões e outros R$ 188 milhões em provisões para perdas com operações de crédito.

CESP (CESP6): Temos uma avaliação positiva dos resultados do 2T20 da CESP, que em nossa opinião, reforçam nossa visão de que a companhia é uma das mais resilientes no setor elétrico. Primeiramente, elogiamos o contínuo esforço de controle de custos da CESP, ilustrado nas menores despesas gerenciáveis ​​(pessoal, fundo de pensão, materiais e serviços) em relação às nossas estimativas.

Vale (VALE3): A Vale reportou outro conjunto de fortes resultados e esperamos uma reação positiva do mercado com a retomada dos dividendos. O EBITDA ajustado em US$3,6 bilhões, + 18% no trimestre, -3% vs. XPe e +1% vs. consenso. O fluxo de caixa livre das operações foi de US$277 milhões, devido a um impacto negativo no capital de giro de US$922 milhões.

Ecorodovias (ECOR3): A Ecorodovias reportou números acima do esperado de forma geral, apesar do cenário desafiador. O EBITDA Proforma, excluindo a contabilização do acordo de não persecução civil (ANPC) no valor de R$ 46,8 milhões, foi de ~R$ 430 milhões, ~12% acima da nossa projeção (mas com queda de 10% a/a), enquanto o lucro líquido ajustado foi de R$ 84 milhões, acima da nossa expectativa de R$ 20 milhões. A diferença para nossas estimativas resultou (i) de um EBITDA de rodovias mais forte que o esperado, que atingiu R$ 414 milhões e uma margem de 68,8% (8% e 400 bps acima de nós, respectivamente), (ii) resultados melhores que o esperado no Ecoporto, apesar do cenário desafiador, e (iii) depreciação menor que a esperada. O tráfego comparável apresentou queda de 23,5% a/a (ex-Eco135 e Eco50), enquanto o tráfego consolidado caiu ~13%, ambos em linha com as expectativas.

Grupo Pão de Açúcar (PCAR3): Resultado acima do esperado, com EBITDA ajustado 18% acima da nossa estimativa. O Grupo Pão de Açúcar (GPA) reportou resultados sólidos no 2T20. As vendas cresceram +20% na comparação anual, em linha com as nossas estimativas. Entretanto, observamos uma melhora significativa da rentabilidade da companhia.

Localiza (RENT3): Apesar do cenário desafiador, a Localiza reportou resultados acima das expectativas de forma geral. Excluindo os R$ 126,3 milhões referentes à reversão da provisão para créditos de PIS e COFINS, o EBITDA ajustado foi de R$ 309 milhões (o que se compara com nossa expectativa de R$ 284 milhões), e o prejuízo líquido foi de R$ 36 milhões (ante expectativa de R$ 32 milhões). Os números também ficaram acima do consenso da Bloomberg. A diferença para nossos números se deu por (i) dados melhores que o esperado tanto no segmento de RAC (aluguel de carros) quanto Fleet (gestão de frotas), em termos de volume e também de margens ajustadas, (ii) vendas de Seminovos superiores ao esperado (19,7 mil vs. uma expectativa de 17,2 mil), mas que foram parcialmente compensadas por (i) uma margem em Seminovos ligeiramente abaixo da nossa estimativa (-4% vs. expectativa de -3,2%) e (ii) resultados financeiros mais pressionados que o projetado (~9% acima da nossa expectativa de R$ 117 milhões).

CSN (CSNA3): A CSN apresentou números mais fortes no segundo trimestre, com EBITDA consolidado em R$1.925 milhões, 11% acima do nosso e 3% acima do consenso (+45% T/T e -11% no comparativo anual). Os principais destaques foram o maior volume de minério de ferro no período (7,7 milhões de toneladas, +38% T/T) e os melhores preços realizados no segmento de aço (+10,4% T/T). O fluxo de caixa livre mais forte de +R$1.413 milhões foi impulsionado por itens pontuais: (1) R$508 milhões de uma decisão legal favorável e (2) R$72 milhões de créditos de PIS/COFINS. A Dívida Líquida/EBITDA aumentou para 5,17x (de 4,78x no 1T) com o aumento do dólar. A empresa lançou seu novo guidance para alavancagem: 3,75x e 3,00x para o final de 2020 e 2021, respectivamente. Vemos o perfil atual da dívida como o principal fator de risco para a empresa, aguardando desinvestimentos para uma melhora do balanço patrimonial.

Carrefour (CRFB3): Resultados positivos, acima do esperado. O EBITDA da operação alimentar (~85% do EBITDA total da companhia) veio 11% acima das nossas expectativas, impulsionado pelo forte crescimento da operação de varejo. Por outro lado, o Banco Carrefour reportou resultados abaixo do esperado, negativamente impactados por maiores provisões frente ao potencial aumento da inadimplência em meio à pandemia.

WEG (WEGE3): Os resultados do 2T20 da WEG vieram acima das nossas expectativas, e consideravelmente acima do consenso de mercado (lucro veio ~33% acima). O resultado foi impulsionado pela valorização de ~37% do Dólar em relação ao Real, pela sólida performance no mercado doméstico e pelas aquisições feitas nos trimestres passados. O principal destaque positivo foi o desempenho no mercado doméstico, tanto na parte Industrial quanto no segmento de Energia (Geração, Transmissão e Distribuição), que por sua vez foram impulsionados pela entrega de projetos que já estavam contratados, no backlog da companhia. Apesar de vermos a companhia bem posicionada para navegar pelo cenário desafiador, com um balanço sólido e um posicionamento de mercado forte, acreditamos que o valuation atual das ações mais que reflita esses fatores.

Via Varejo (VVAR3): Os resultados referentes ao segundo trimestre de 2020 (2T20) da Via Varejo mostraram um progresso importante do processo de digitalização da companhia. Em especial, destacamos (i) a forte aceleração da operação de e-commerce, com um crescimento de +280% A/A das vendas online, e (ii) a melhora substancial da rentabilidade, com expansão de 3,4 p.p da margem bruta na comparação anual, apesar da maior participação do canal digital. Com isso, as vendas online da companhia alcançaram 70% do total (vs. 18.5% no 2T19), tendo compensado a queda do varejo físico.

Locaweb (LWSA3): A Locaweb reportou fortes resultados referentes ao segundo trimestre de 2020 (2T20), acima das nossas estimativas e do consenso de mercado. O destaque positivo foi a operação de Commerce (45% do EBITDA), que mostrou a maior expansão trimestral de novas lojas virtuais da história da companhia, tendo inclusive acelerado em julho (+347% vs. a média do 4T19). A receita líquida de R$ 117 milhões veio 5% acima da nossa estimativa e O EBITDA ajustado atingiu R$ 32 milhões, apenas levemente acima das nossas estimativas.

Marfrig (MRFG3): A Marfrig apresentou excelentes resultados no 2T20, superando as expectativas do mercado em todos os principais indicadores. O EBITDA ajustado veio 21% acima das nossas expectativas, atingindo R$ 4 bilhões (+233% A/A), com a América do Norte sendo o principal destaque positivo (o EBITDA ajustado do segmento veio 24% acima da nossa previsão). A margem EBITDA ajustada de 21,5% ficou acima da nossa previsão de 18,6% e aumentou significativamente versus a margem de 9,1% registrada tanto no 2T19 e no 1T20. Esse aumento ocorreu principalmente devido a: (i) menores volumes de abate e menores preços de gado; (ii) aumento gradual das exportações para a China; (iii) demanda resiliente no mercado doméstico; (iv) depreciação cambial. A receita líquida consolidada da Marfrig foi de R$ 18,8 bilhões, 5% acima da nossa expectativa.

MRV Engenharia (MRVE3): A MRV Engenharia (MRVE3) reportou fortes resultados referente ao 2T20, impulsionados pela linha de receita maior do que esperado devido ao melhor desempenho de vendas durante o período. Entretanto, a concessão de descontos e despesas comerciais, gerais e administrativas mais altas do que o esperado resultaram em uma recuperação mais fraca do lucro líquido, que atingiu R$124 milhões. No balanço patrimonial, a companhia reportou geração de caixa de R$213,9 milhões, que melhorou seu covenant de dívida e levou a companhia para uma relação dívida líquida/patrimônio líquido de 19,3%, que consideramos saudável para a MRV.

Movida (MOVI3): Os números reportados pela Movida no 2T20 vieram acima das expectativas, apesar de todos os desafios impostos pelo surto da Covid-19. O EBITDA consolidado ficou em R$ 151 milhões, ~30% acima da nossa estimativa e mais de 40% acima do consenso, enquanto o lucro líquido foi de R$ 2,6 milhões (o que se compara com prejuízo líquido esperado de R$ 15 milhões). A diferença em relação aos nossos números foi resultado de margens melhores em todos os segmentos, o que por sua vez reflete o sólido controle de custos realizado no trimestre, aliado ao impacto positivo do impairment realizado no 1T20 sobre a operação Seminovos.

TAESA (TAEE11): A Taesa reportou um Ebitda Ajustado (incluindo resultado de participações por equivalência patrimonial) de R$ 374,4 milhões, acima da nossa estimativa de R$ 352,8 milhões. Além disso, a Taesa reportou Lucro Líquido de R$ 257,6 milhões, acima da nossa expectativa de R$206,5 milhões devido à combinação de um resultado operacional melhor do que o esperado e menores despesas financeiras líquidas do que o esperado.

Lojas Americanas e B2W (LAME4 / BTOW3): Lojas Americanas e B2W reportaram fortes resultados referentes ao segundo trimestre de 2020 (2T20). As vendas do Universo Americanas (faturamento combinado da Lojas Americanas e da B2W) apresentaram um aumento de +25% na comparação anual (vs. +17% no 1T20). Os principais destaques na nossa visão foram (i) o avanço da integração entre as operações de varejo físico e digital, (ii) a aceleração importante das vendas e da base de usuários no canal digital, e (iii) a melhora contínua na dinâmica de capital de giro.

JBS (JBSS3): JBS reportou resultados mais fortes do que o esperado no 2T20. O EBITDA ajustado atingiu R$ 10,5 bi e ficou 32,2% acima da nossa expectativa, além de ter praticamente dobrado na comparação anual (+105,9% A/A). Todas as unidades de negócio apresentaram bons resultados, mas aquelas focadas em carne bovina se sobressaíram. A empresa registrou lucro de R$ 3,4 bilhões, 173,9% acima das nossas estimativas. Geração de fluxo de caixa livre de R$ 9,5 bi (+176,5% A/A) e a alavancagem em R$ caiu para de 2,8x no 2T19 para 2,1x agora. A empresa segue contando com um balanço forte, com quase R$ 31,3 bilhões em caixa e equivalentes.

CCR (CCRO3): A CCR reportou resultados levemente acima do esperado no 2T20. O EBITDA foi de R$ 894 milhões, 6% acima da nossa projeção e ~16% acima do consenso da Bloomberg. A diferença foi reflexo principalmente da receita líquida consolidada de R$ 1,8 bilhão, ~13% acima das nossas estimativas. O resultado financeiro também veio melhor que o esperado, mas os impactos em questão foram parcialmente compensados por uma margem EBITDA mais baixa que a projetada, o que por sua vez reflete custos caixa mais pressionados. O tráfego consolidado teve queda de -18,2% a/a, em linha com nossas estimativas.

Copel (CPLE6): A Copel reportou EBITDA Ajustado de R$ 979,7 milhões no 2T20 acima de nossa estimativa de R$ 917,2 milhões (+ 6,8%), mas abaixo das estimativas de consenso de R$ 1.120,0 milhões (-13%). O Lucro Líquido foi de R$ 1.608,1 milhões, muito acima da nossa estimativa de R$ 403,7 milhões e do consenso da Bloomberg de R$ 496,0 milhões. A diferença com relação às nossas estimativas pode ser explicada principalmente por um ganho não recorrente de R$ 809,154 milhões com créditos tributários em função de decisão favorável à Copel Dis, que reconhece o direito de excluir o ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS.

Suzano (SUZB3): No dia 13 de agosto, a Suzano reportou resultados operacionais acima do esperado no segundo trimestre. O EBITDA de R$4,2 bilhões, aumento de +38% no trimestre veio 27% acima da nossa estimativa, com (1) volumes mais altos de celulose seguindo o movimento de desestocagem da Suzano e demanda saudável de tissue e (2) preços realizados mais fortes (+22% T/T) devido a um dólar mais alto. No lado da dívida, a alavancagem segue sendo uma preocupação com a Dívida Líquida/EBITDA caindo para 5,6x, contra 6,0x no 1T. Em dólar, a Dívida Líquida/EBITDA diminuiu para 4,7x (de 4,8x no primeiro trimestre). Contudo, é importante destacar que a empresa não tem risco de refinanciamento até 2022.

Unidas (LCAM3): A Unidas divulgou resultados consolidados levemente acima das nossas estimativas e do consenso, com um EBITDA recorrente de R$ 209 milhões (7% acima da nossa estimativa e ~9% acima do consenso), e com um lucro líquido recorrente de R$ 4 milhões (ante nossa projeção de um prejuízo líquido de R$ 10 milhões). Seminovos foi um destaque positivo em nossa visão, com volumes e margens ajustadas acima do esperado (margem EBITDA de +2%, ajustada pelo impairment de R$ 24,5 milhões da frota). No segmento de RAC (aluguel de veículos), por outro lado, apesar de a receita ter superado a estimativa, as margens vieram mais pressionadas que o previsto (margem EBITDA de 3,7%, -45 p.p. a/a), refletindo algumas decisões estratégicas adotadas no trimestre. Ademais, a Unidas também reportou dados preliminares referentes ao mês de julho, que apontam para melhora sequencial na maioria dos indicadores operacionais.

DESTAQUES NEGATIVOS

Azul (AZUL4): A Azul reportou resultados referentes ao 2T20 abaixo das nossas expectativas e do consenso. A diferença para nossas estimativas se deu principalmente por uma Receita Unitária (PRASK) ~17% abaixo do esperado, resultando em uma receita líquida consolidada 13% abaixo das expectativas (de R$ 402 milhões, -85% a/a). O resultado operacional e o lucro líquido foram pressionados por custos acima do esperado e um resultado financeiro pior que o esperado, reflexo da forte depreciação do Real em relação ao Dólar no trimestre. Por outro lado, os acordos fechados com os arrendadores (durante e após o 2T20) resultaram em uma situação de alavancagem mais saudável que o que prevíamos inicialmente.

Banco do Brasil (BBAS3): O Banco do Brasil reportou resultados fracos no 2T20, com lucro 12% abaixo da nossa estimativa e 9% abaixo do consenso em R$ 3,3 bilhões, implicando um ROE de 11,4%. O resultado abaixo do esperado foi impulsionado principalmente por um grande impairment no valor de R$ 1,3 bilhão no trimestre (vs. R$ 378 milhões no 1T20 e R$ 373 milhões no 2T19), pois o banco decidiu contabilizar o impairment de operações de grandes empresas que já eram classificadas como ativos problemáticos. Contudo, ainda estamos à espera de confirmação sobre a escolha do Sr. Brandão como sucessor do Sr. Novaes na posição de CEO do banco.

Omega geração (OMGE3): Temos uma avaliação ligeiramente negativa dos resultados da Omega no 2T20, dado que o EBITDA ajustado veio abaixo das nossas expectativas. De acordo com a empresa, enquanto a geração potencial do Complexo Delta melhorou sequencialmente em uma base trimestral (mais próxima da média histórica do que no 1T20), o grupo eólico continua enfrentando os impactos de efeitos climáticos, como alta umidade, resultado das temperaturas mais elevadas no Atlântico Norte. No entanto, acreditamos que qualquer desapontamento potencial do mercado com os resultados do 2T20 da Omega já está mais do que compensado pelo recente anúncio de uma aquisição de dois ativos de geração eólica da Eletrobras, para os quais estimamos taxas de retorno muito atrativos.

Cielo (CIEL3): A Cielo reportou resultados negativos com um prejuízo líquido de R$ 76 milhões (vs. lucro líquido do consenso da Bloomberg de R$ 40 milhões; R$ 429 milhões no 2T19 e R$ 167 milhões no 1T20). O prejuízo foi causada principalmente por: i) desalavancagem operacional, uma vez que o volume financeiro (TPV) despencou 22% A/A para R$ 128 bilhões, enquanto os custos aumentaram 2% A/A para R$ 1,1 bilhão; ii) menor resultado financeiro, 71% inferior ao mesmo período do ano anterior, para R$ 40 milhões, pressionado pelos menores volumes e a taxa de juros mais baixa da história; e iii) impostos, que chegaram a R$ 20 milhões, mesmo a empresa não reportando lucro antes dos impostos. Acreditamos que o mercado deve reagir negativamente aos resultados no próximo pregão.

Raia Drogasil (RADL3): A RD reportou resultados fracos no 2T20, com EBITDA 29% abaixo da nossa expectativa. O desempenho foi impactado tanto pela pressão de margem bruta de -1,0 p.p. quanto pela desalavancagem operacional, em função da desaceleração do ritmo de vendas. Entretanto, de acordo com a companhia, houve um crescimento total consolidado de 13,8% no mês de julho, com um crescimento de receita das lojas maduras no conceito mesmas lojas de 0,8%, sinalizando uma recuperação de vendas para os próximos meses.

BRF (BRFS3): A BRF reportou resultados sólidos, mas mais fracos do que o esperado no 2T20, com um EBITDA ajustado de R$ 1 bilhão 7,7% abaixo do nosso e 3,5% abaixo do consenso. A margem EBITDA consolidada de 11,3% também ficou abaixo da nossa estimativa de 12,2% e abaixo dos 14,6% do 2T19. Isso aconteceu, em grande parte, porque os custos continuam pressionados – o CPV cresceu +14% A/A.

Ultrapar (UGPA3): A Ultrapar divulgou os resultados do 2T20 em 12 de agosto, após o fechamento do mercado. O Lucro Líquido de R$41,1 milhões veio significativamente abaixo da nossa estimativa de R$143,1 milhões e do consenso de mercado compilado pela Bloomberg de R$85,8 milhões. O EBITDA ajustado de R$598 milhões ficou abaixo da nossa estimativa de R$676,8 milhões (-11,6%) e do consenso de mercado de R$684,2 milhões (-12,5%), refletindo uma combinação de (1) significativa deterioração nos resultados da Ipiranga no 2T20 devido aos impactos da pandemia do COVID-19, (2) resultados acima do esperado na Oxiteno e Ultragaz e (3) resultados em linha com o esperado na Ultracargo e Extrafarma.

Banrisul (BRSR6): O Banrisul apresentou resultados negativos, com lucro líquido 20% abaixo da nossa estimativa e 28% abaixo do mercado em R$ 120 milhões, implicando um ROE de 6% (vs. 13% no 1T20 e 16% no 2T19). O resultado foi impulsionado principalmente por maiores provisões, que vieram 30% acima de nossas expectativas em R$ 484 milhões (já considerávamos uma provisão elevada, pois o banco postergou provisões no 1T). No entanto, a qualidade dos ativos não melhorou e o índice de inadimplência acima de 90 dias aumentou 17bps no trimestre para 3,54%, ao passo que os concorrentes apresentaram melhor no índice de inadimplência devido ao período de carência. Como resultado, o índice de cobertura do banco permaneceu estável em 234%.

B3 (B3SA3): B3 reportou resultados abaixo do esperado, com o lucro 9% abaixo das expectativas do mercado, atingindo R$ 1 bilhão. Embora a receita tenha vindo alta como o esperado, o resultado foi afetado negativamente por maiores provisões operacionais. No entanto, ainda gostamos dos volumes da bolsa e acreditamos que as perspectivas de longo prazo são melhores do que o previsto, dada a evolução do mercado financeiro no Brasil que melhora em ritmo acelerado, a taxa básica de juros que está ainda mais baixa e as ofertas do mercado de capitais que estão de volta.

Equatorial Energia (EQTL3): O Lucro Líquido foi de R$ 405,7 milhões, acima de nossa estimativa de R$ 269,2 milhões. O EBITDA ajustado (cálculos da empresa, refletindo principalmente a remoção de efeitos contábeis não-caixa do segmento de transmissão, linha com nossa metodologia) ficou em R$ 631 milhões, significativamente abaixo de nossa estimativa de R$ 798,2 milhões (-21%). Outros destaques operacionais incluem: provisões para despesas com inadimplência como percentual da Receita Bruta de 3,5% / 6,8% / 3,9% / 3,9% para Equatorial Maranhão / Pará / Piauí / Alagoas, respectivamente.

brMalls (BRML3): A brMalls reportou resultados mais fracos que o esperado em geral, abaixo de nossas estimativas e também abaixo do consenso da Bloomberg (se ajustarmos para o impacto da linearização). A receita líquida foi de R$ 186 milhões (-44% a/a, ~20% abaixo de nós e ~11% abaixo do consenso, retirando a linearização), enquanto o EBITDA ajustado foi de R$ 49 milhões (-80% a/a e também abaixo de nós). A diferença em relação aos nossos números reflete (i) receitas de aluguel e estacionamento mais fracas que o previsto, (ii) custos mais pressionados, como reflexo do crescimento de 114% nos custos condominiais e (iii) maiores despesas com vendas, o que reflete a abordagem mais conservadora da brMalls com relação às provisões. Por outro lado, esses efeitos foram parcialmente compensados ​​por um forte controle nos custos com pessoal e serviços.

NEUTRO

CCP (CCPR3): A CCP reportou resultados mistos no 2T20, com um desempenho acima do esperado no segmento de escritórios, mas que foi parcialmente compensado por números mais fracos no segmento de shoppings. Do lado positivo, as receitas de aluguel dos escritórios e o NOI do segmento ficaram 4% e 5% acima das nossas estimativas, respectivamente. Apesar do cenário desafiador, o leasing spread nominal nas revisões de contratos foi de 21%, o que reforça nossa visão de que o segmento oferece resiliência superior. Por outro lado, custos mais pressionados que o esperado, aliados a um desempenho mais modesto nos shoppings, refletiram em um EBITDA e lucro líquido inferiores ao esperado. Apesar disso, o FFO proforma foi positivo em R$ 11 milhões. As vendas mesmas lojas (SSS) caíram 79% no 2T20, enquanto as vendas totais dos shoppings caíram ~89% a/a e o fluxo de veículos nos estacionamentos caiu 90% a/a. A vacância nos shoppings, entretanto, aumentou menos que o esperado: ~110 bps na comparação trimestral.

Multiplan (MULT3): A Multiplan reportou resultados mistos em nossa visão, levemente abaixo das nossas estimativas e do consenso da Bloomberg (se ajustarmos pelo impacto da linearização para o último). A Receita Bruta foi de R$ 248 milhões (-31% a/a e ~14% das nossas estimativas), enquanto o EBITDA foi de R$ 181 milhões, queda de 16% em comparação com o 2T19 e ~3,7% abaixo do nosso esperado, com FFO de R$ 15 milhões (-90% a/a). A diferença para as nossas estimativas reflete principalmente, do lado negativo, (i) receitas de aluguel e estacionamento abaixo do esperado, (ii) despesas de propriedades mais pressionadas, refletindo o aumento no nível de provisionamento, e (iii) maiores despesas financeiras. Por outro lado, esses efeitos foram parcialmente compensados por despesas de sede muito mais baixas que nossa projeção. As vendas nos shoppings caíram ~85% a/a no 2T20, enquanto as o período de funcionamento dos estabelecimentos foi ~91,6%, menor a/a segundo a companhia. Em 02 de agosto de 2020, ~58% da ABL própria de shoppings da Multiplan estava operando (ainda com restrições), o que se compara a ~73% da Iguatemi.

Itaú (ITUB4): publicou um resultado em linha com as nossas estimativas e as de mercado, com lucro de R$ 4,2 bilhões (vs. R$ 4,3 bilhões em nossas e estimativas de mercado), implicando 13,9% de retorno sob patrimônio líquido. Embora os resultados gerais tenham chegado como esperávamos, a combinação de uma queda de NIM dos clientes, taxas/seguros mais baixos e uma queda abaixo da média nas inadimplências e nos custos pode estar abaixo das expectativas dos investidores.

BB Seguridade (BBSE3): A BB Seguridade reportou um resultado em linha neste segundo trimestre de 2020 (2T20), com o lucro líquido ajustado de R$ 982 milhões (vs. R$967 das estimativas colhidas pelo Bloomberg). Porém os volumes desapontaram um pouco, bem como a margem financeira. Anualmente o resultado caiu 9%, mas lembre-se de que R$ 69 milhões do resultado do 2T19 veio do IRB, que foi vendido ainda em 2019.

Ambev (ABEV3): A Ambev apresentou uma recuperação gradual dos resultados ao longo do trimestre, com um EBITDA Ajustado de R$ 3,3 bilhões, 4,6% abaixo do nosso (-28,6% A/A) mas em linha com o consenso, chegando em uma margem EBITDA de 28,8%, abaixo da nossa expectativa de 32,4% e 980 pontos base abaixo da margem do 2T19 de 38,6%. A principal surpresa positiva veio do volume de cerveja no Brasil, que caiu apenas -1,6% A/A, significativamente abaixo da nossa estimativa de -14,4% e das expectativas do mercado, que variaram entre -15% e -25% A/A. Os maiores impactos sobre os volumes vieram de América Central (-39,4% A/A) e LAS (-16,5% A/A), enquanto o Canadá surpreendeu com +2,9% A/A.

Santander (SANB11): O Santander reportou resultados fracos, em linha com as nossas expectativas, mas com melhora na qualidade dos ativos. O lucro foi de R$ 2,1 bilhões, em linha com nossas expectativas, mas abaixo do consenso de mercado (R$ 2.455 coletado pelo Santander; R$ 2.252 pela Bloomberg; R$ 2.255 pela Broadcast), implicando em um Retorno sob Patrimônio Líquido (ROE) de 12%. As maiores diferenças em relação às nossas estimativas foram no custo do crédito, 27% acima da expectativa, mas parcialmente compensadas por impostos mais baixos e maior margem financeira.

Usiminas (USIM5): A Usiminas apresentou resultados em linha no 2T20, com mercado doméstico de aço ainda desafiador. O EBITDA ajustado foi de R$281 milhões, excluindo R$89 milhões negativos de itens não recorrentes, -44% T/T e -51% A/A. A maior Dívida Líquida/EBITDA de 2,2x (de 1,7x no 1T20) foi conseqüência do dólar mais alto. Em relação aos créditos da Eletrobras (R$312 milhões), a empresa está tomando as medidas legais necessárias para receber esse valor, já decidido judicialmente.

Bradesco (BBDC4): O Bradesco reportou fortes resultados no trimestre. Embora o lucro tenha sido exatamente como o esperado em R$ 3,9 bilhões (vs. R$ 4 bilhões pelo consenso da Bloomberg) e um ROE de 12%, provisões vieram acima do esperado e fortaleceram o balanço do banco. O banco também melhorou consideravelmente seu nível de capitalização e atingiu um capital de nível I de 12,5%. Conforme esperado, tesouraria e seguros melhoraram os resultados como esperávamos.

Engie Brasil (EGIE3): A Engie Brasil reportou um EBITDA Ajustado (Pro-forma) do 2T20 de R$ 1.341,6 milhões, em linha (-2,7%), com nossa estimativa de R$ 1.378,6 milhões. O Lucro Líquido foi de R$ 765,7 milhões, acima da nossa estimativa de R$ 601,9 milhões, principalmente devido a um ganho não recorrente de R$ 79,9 milhões em ações judiciais bem-sucedidas, juntamente com pagamentos de indenizações por atrasos na conclusão das obras.

Copasa (CSMG3): O EBITDA ajustado de R$ 380,0 milhões veio exatamente linha com nossa estimativa de R$ 381,6 milhões (-0,4%). Tal performance reflete uma combinação de (i) uma maior tarifa média em relação às nossas expectativas em função da maior migração de clientes da tarifa social para residencial devido à revisão na base do CadÚnico na esfera federal e (ii) a redução de R$9,9 milhões na receita indireta de água e esgoto, em função, principalmente, das medidas tomadas para minimizar os impactos à população ocasionados pela pandemia do coronavírus, compensados parcialmente por um aumento do número de dias de consumo contabilizados pela companhia em 1,3%, sendo 92,1 dias no 2T20, contra 90,9 dias no 2T19.

ISA CTEEP (TRPL4): reportou EBITDA ajustado de R$ 566,7 mi vindo em linha (-3,0%) com nossa estimativa de R$ 584,4mi. Vale destacar, que a empresa apresentou custos e despesas operacionais menores do que o esperado, o que é visto com positivo.

Gol (GOLL4): Conforme o esperado, a Gol reportou resultados fracos no segundo trimestre de 2020, com números que refletem diretamente o impacto da pandemia sobre a demanda e sobre o câmbio. A receita líquida veio levemente acima das expectativas, em R$ 358 milhões (-89% a/a), mas com custos operacionais de R$ 1,26 bilhão (custo unitário ~4x maior na comparação anual). A queda na receita foi impulsionada pela redução em ~92% a/a da receita com passageiros (em R$ 243 milhões).

Sanepar (SAPR11): Em 7 de agosto, a Sanepar divulgou os resultados do 2T20, com um EBITDA ajustado de R$472,9 milhões exatamente em linha com nossa estimativa de R$470,4 milhões (+0,5%), refletindo uma combinação dos seguintes fatores: (i) volumes de água e esgoto de 128,1 mi m3 e 98,8 mi m3, +1,2% acima e -1,5% abaixo de nossas projeções, respectivamente, e (ii) provisões para contas a receber de R$ 5,9 milhões abaixo da nossa estimativa de R$ 49,0 milhões (elevamos as despesas com provisões em toda a nossa cobertura dos setores de saneamento básico e elétrico tendo em vista potenciais impactos da pandemia da COVID-19). Indo para a linha do lucro, o lucro líquido de R$284,4 milhões veio acima da nossa estimativa de R$ 220,1 milhões, diferença que reflete principalmente despesas financeiras menores do que o esperado.

Sabesp (SBSP3): A Sabesp divulgou seus resultados do 2T20, com Lucro Líquido de R$ 378,2 milhões acima de nossa estimativa de R$ 169,4 milhões, mas ligeiramente abaixo do consenso da Bloomberg de R$ 431,1 milhões. O EBITDA ajustado de R$ 1.385,8 milhões ficou praticamente em linha com nossa estimativa de R$ 1.344,2 milhões (+ 3,1%), mas um pouco abaixo do consenso de R$ 1.439,5 milhões (-3,7%).

EZTec (EZTC3): No dia 13 de agosto, a EZTec (EZTC3) reportou resultados mistos referente ao 2T20, impactado negativamente pelo fraco desempenho operacional (nenhum lançamento e vendas líquidas fracas). A companhia reportou receita líquida baixa em função dos impactos da COVID-19, mas margens brutas e líquidas fortes devido ao melhor mix de vendas, baixo impacto no processo construtivo (e do reconhecimento de receita), queda das despesas comerciais e iniciativas de redução de despesas com marketing. Por fim, o lucro líquido totalizou R$68,1 milhões (-24% a/a e -12% t/t). No balanço patrimonial, a companhia reportou geração de caixa de R$29,2 milhões, o que reforçará sua sólida posição de caixa líquido de R$1.296 milhões.

Fonte XP

Deixe um comentário