A vacina Oxford-AstraZeneca mostra uma eficácia média de 70% na prevenção do coronavírus

LinkedIn

A gigante farmacêutica britânica AstraZeneca disse na segunda-feira que uma análise interina de testes clínicos mostrou que sua vacina contra o coronavírus tem uma eficácia média de 70% na proteção contra o vírus.

Essa análise surge após uma série de resultados encorajadores de vacinas nas últimas semanas, após leituras de testes em estágio final da Pfizer- BioNTech e Moderna.

Tanto a Pfizer quanto a Moderna relataram resultados preliminares mostrando que suas respectivas vacinas contra o Covid-19 eram cerca de 95% eficazes.

Espera-se que uma vacina Covid possa ajudar a pôr fim à pandemia de coronavírus que já ceifou mais de 1,3 milhão de vidas em todo o mundo.

A vacina AstraZeneca, desenvolvida em colaboração com a Universidade de Oxford, foi avaliada em dois regimes de dosagem diferentes.

Um regime de dosagem mostrou uma eficácia de 90% quando os participantes do ensaio receberam meia dose, seguida por uma dose completa com pelo menos um mês de intervalo. O outro mostrou eficácia de 62% quando administrado em duas doses completas com pelo menos um mês de intervalo.

A análise combinada de ambos os regimes de dosagem encontrou eficácia média da vacina de 70%. Nenhuma hospitalização ou casos graves da doença foram relatados nos participantes que receberam a vacina.

“Essas descobertas mostram que temos uma vacina eficaz que salvará muitas vidas”, disse o professor Andrew Pollard, investigador-chefe do Oxford Vaccine Trial, em um comunicado.

“Incrivelmente, descobrimos que um de nossos regimes de dosagem pode ser cerca de 90% eficaz e se esse regime de dosagem for usado, mais pessoas podem ser vacinadas com o fornecimento de vacina planejado.”

Um total de 131 casos de Covid-19 foram avaliados na análise intermediária.

Um ‘marco importante’

Mais de 23.000 voluntários participaram dos testes, conduzidos no Reino Unido e no Brasil, com mais dados a serem coletados em todo o mundo nas próximas semanas.

A AstraZeneca disse que análises adicionais dos dados da vacina podem alterar os resultados em relação à sua eficácia média e ajudar a estabelecer a duração da proteção.

Pascal Soriot, CEO da AstraZeneca, disse que o desenvolvimento foi um “marco importante” na luta contra a crise de saúde global.

“A eficácia e a segurança desta vacina confirmam que será altamente eficaz contra o Covid-19 e terá um impacto imediato nesta emergência de saúde pública”, disse Soriot.

“Além disso, a cadeia de abastecimento simples da vacina e nossa promessa e compromisso sem fins lucrativos com um acesso amplo, equitativo e oportuno significa que ela será acessível e estará disponível globalmente, fornecendo centenas de milhões de doses após a aprovação”.

As ações da empresa caíram mais de 1% durante as negociações da manhã.

A AstraZeneca disse que prepararia imediatamente o envio regulatório dos dados às autoridades de saúde em todo o mundo que tenham uma estrutura em vigor para aprovação condicional ou antecipada.

Desafios de distribuição

Enormes desafios permanecem antes que uma vacina possa ser lançada, no entanto. A batalha global para garantir suprimentos potenciais  levantou o alarme sobre o acesso equitativo, enquanto as questões permanecem sobre a logística da produção em massa, distribuição e custo.

A AstraZeneca diz que sua vacina pode ser armazenada, transportada e manuseada em condições normais de refrigeração, 36-46 graus Fahrenheit (2,22-7,78 graus celsius) por pelo menos seis meses e administrada em ambientes de saúde existentes.

Ela diz que está fazendo “rápido progresso” em termos de fabricação, com capacidade para produzir até 3 bilhões de doses da vacina no próximo ano, dependendo da aprovação regulatória. A empresa se comprometeu a distribuir a vacina sem lucro “durante a pandemia”.

Comparativamente, a Moderna disse que sua vacina candidata permanece estável na temperatura de um refrigerador doméstico padrão por até 30 dias. Também pode ser armazenado por até seis meses a 4 graus Fahrenheit negativos (-20 graus celsius).

Em agosto, a empresa de biotecnologia dos EUA disse que estava cobrando entre US$ 32 e US$ 37 por dose por sua vacina para alguns clientes.

Ao contrário da vacina da Moderna, a candidata da Pfizer e da BioNTech requer uma temperatura de armazenamento de 94 graus Fahrenheit negativos (-70 graus celsius) e requer equipamento especial de armazenamento e transporte. Isso pode tornar a distribuição muito difícil para alguns países.

A Pfizer está cobrando US$ 20 por dose por sua vacina.

O Financial Times relatou anteriormente que a vacina Oxford-AstraZeneca, que requer duas doses, tem um preço de aproximadamente US$ 3 a US$ 4 – significativamente mais baixo do que os preços relatados para Pfizer-BioNTech e Moderna.

‘Grandes beneficiários’

Estrategistas do Deutsche Bank descreveram as notícias da AstraZeneca na segunda-feira como um “grande negócio”, dizendo que uma série de desenvolvimentos de vacinas encorajadores nas últimas semanas constituíram “uma vitória sem precedentes para a ciência”.

Eles sugeriram que os mercados emergentes, principalmente Brasil, México, Índia e Indonésia, provavelmente seriam os “grandes beneficiários” da vacina AstaZeneca. Isso porque “o custo mais barato de produção e distribuição da AstraZeneca é especialmente relevante para países de renda média e baixa”, eles disseram.

A AstraZeneca disse que está fazendo “rápido progresso” em termos de fabricação, com capacidade para produzir até 3 bilhões de doses da vacina no próximo ano.

Os EUA e a Índia concordaram em adquirir 500 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca, de acordo com dados compilados por pesquisadores do Global Health Innovation Center da Duke University.

A UE chegou a um acordo para comprar 400 milhões, e a instalação COVAX, uma iniciativa global que visa garantir o acesso equitativo aos tratamentos e vacinas da Covid-19, encomendou 300 milhões.

Enquanto isso, o Reino Unido, o Japão, a Indonésia, e a América Latina, exceto o Brasil, confirmaram, cada um, pedidos de pelo menos 100 milhões de doses.

Deixe um comentário