Ações da Alibaba e da Tencent caem após relatório dizer que podem ser adicionadas à lista negra dos EUA

LinkedIn

As ações da Alibaba (NYSE:BABA) e da Tencent sofreram fortes quedas na quinta-feira (07) após um relatório, citando várias pessoas familiarizadas com o assunto, sugerir que o governo Trump poderia estar prestes a adicionar os gigantes chineses da tecnologia à lista negra dos EUA.

A Alibaba também é negociada na B3 através da BDR (BOV:BABA34).

Os conglomerados viram suas ações na bolsa de valores de Hong Kong cair cerca de 4% depois que o relatório do The Wall Street Journal disse que as autoridades estavam considerando proibir os americanos de investirem nas empresas.

O governo dos Estados Unidos colocou 31 empresas chinesas na lista negra em novembro devido a preocupações de que apoiassem os militares de Pequim por meio de uma ordem executiva. Autoridades estaduais e de defesa dos EUA vêm discutindo a expansão da ordem executiva para que a lista negra inclua mais empresas, de acordo com fontes anônimas citadas pelo WSJ.

Quando a bolsa de valores de Hong Kong fechou, o preço das ações da Tencent (USOTC:TCEHY) caiu 4,69% para 568,5 dólares de Hong Kong, enquanto o preço das ações do Alibaba caiu 3,91%, para 221 dólares de Hong Kong.

Se eles forem adicionados à lista negra dos Estados Unidos, os investidores americanos não poderão negociar suas ações a partir de 11 de janeiro. Aqueles que já possuem ações das empresas teriam até novembro para descarregá-las.

Trump assinou a ordem executiva inicial pouco depois de perder a eleição presidencial de 2020 para Joe Biden e já está tendo consequências. A Bolsa de Valores de Nova York confirmou na quarta-feira que planeja retirar o capital da China Mobile, China Telecom e China Unicom.

Na terça-feira, o governo Trump decidiu proibir aplicativos de pagamentos chineses, incluindo Alipay e WeChat Pay, que estão vinculados ao Alibaba e Tencent, respectivamente.

Em dezembro, os EUA adicionaram a empresa chinesa de drones DJI e a Semiconductor Manufacturing International a uma lista negra de negócios. O Departamento de Comércio dos EUA disse que a ação contra a SMIC “decorre da doutrina de fusão civil-militar da China (MCF) e evidências de atividades entre a SMIC e entidades de interesse no complexo industrial militar chinês”.

As batalhas do Alibaba vão além dos Estados Unidos e seu território, onde os reguladores chineses lançaram recentemente uma investigação antitruste contra a empresa.

Jack Ma, fundador e CEO do Alibaba, está se mantendo discreto e não tem sido visto em público desde outubro passado, depois que apareceu para criticar os reguladores do país.

Deixe um comentário