BTG Pactual emite US$ 500 milhões em títulos de dívidas

LinkedIn

BTG Pactual informou que fez a emissão de Senior Notes (Notas), por meio de sua filial em Cayman Islands, no âmbito do Global Medium Term Notes Programme com o propósito de realizar financiamento ou refinanciamento de green projects e/ou projetos sociais elegíveis, de acordo com o seu Green, Social and Sustainable Financing Framework.

O comunicado foi feito pela empresa (BOV:BPAC11)  na noite desta quarta-feira (06).

A emissão das Notas foi no montante global nominal de US$ 500 milhões à taxa fixa de 2,75% ao ano, com data de vencimento em 11 de janeiro de 2026.

Os juros das notas serão devidos semestralmente em 11 de janeiro e em 11 de julho de cada ano, a partir de 11 de julho de 2021.

Os títulos foram listados na Bolsa de Luxemburgo, na Europa, e ficaram restritos aos investidores institucionais.

 “Tal emissão reitera o compromisso com a busca e aperfeiçoamento contínuo do BTG Pactual para as melhores práticas de sustentabilidade, governança e gestão do seu negócio”, informou.
BTG Pactual captou ontem US$ 500 milhões 
O BTG Pactual captou ontem, 07 de janeiro, US$ 500 milhões no mercado internacional para financiar projetos sustentáveis por meio de títulos de dívida de cinco anos. O “yield” da operação alcançou 2,75% ao ano, no menor custo entre emissores brasileiros de sua categoria.

A emissão faz parte do programa “Global Medium Term Notes Programme” do banco brasileiro. Segundo a instituição, os recursos serão destinados à financiamentos ou refinanciamentos de projetos verdes e sociais, de acordo com a matriz Green, Social and Sustainable Financing Framework.

O prêmio pago na emissão representa o menor custo entre instituições financeiras brasileiras em captações realizadas em dólar desde 2003. A taxa fixa de 2,75% ao ano é significativamente menor que a emissão de títulos verdes no mercado internacional feita pelo BTG no fim de novembro do ano passado.

BTG tem Lucro líquido de R$ 1 bilhão no 3T20

BTG Pactual registrou lucro líquido de R$ 1,002 bilhão no intervalo de julho a setembro deste ano, estável em relação ao observado um ano antes, quando atingiu R$ 1,003 bilhão. Ante o segundo trimestre do ano o lucro cresceu 2,5%. Pelo critério ajustado, o lucro foi a R$ 1,016 bilhão, recuo de 5% na base anual, porém um aumento de 3% em comparação com o observado ente abril e junho deste ano.

No terceiro trimestre do ano os ativos sob gestão do BTG atingiram R$ 329,3 bilhões, alta de 29% em um ano e de 8% ante o trimestre anterior, já mostrando crescimento de sua plataforma digital, diante de uma ofensiva no período que envolveu aquisições.

“Estamos muito orgulhosos com o resultado apresentado em todas as linhas de negócio, principalmente nas franquias de cliente, com recorde de captações e chegando a mais de R$ 550 bilhões em ativos sob gestão e custódia. Além disso, em linha com nossa estratégia de manter a robustez do nosso balanço, obtivemos os melhores índices de capitalização e liquidez da indústria. Continuamos a cumprir o nosso papel de apoiar a economia com a concessão de crédito para clientes atuando em diversos setores de atividade, mantendo a alta qualidade do nosso portfólio”, afirmou, em nota enviada à imprensa, o presidente do banco, Roberto Sallouti.

Deixe um comentário